Problemas relacionados à farmacoterapia e intervenções farmacêuticas em indivíduos com tuberculose

Autores

  • Iara Pereira da Silva Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Luiza Inahê Marques
  • Ramon Moraes Penha
  • Camila Guimarães Polisel

DOI:

https://doi.org/10.21722/rbps.v22i1.19077

Palavras-chave:

Tuberculose, Tratamento farmacológico, Atenção farmacêutica

Resumo

Introdução: A Tuberculose (TB) é uma doença infecciosa cujo longo período de terapia farmacológica contribui para o abandono do tratamento e desfechos negativos em saúde. O cuidado farmacêutico tem demonstrado otimizar a adesão ao tratamento e reduzir o número de problemas relacionados à farmacoterapia (PRF). Objetivo: Identificar PRF e traçar o perfil das intervenções farmacêuticas (IF) em indivíduos com tuberculose assistidos em uma instituição hospitalar. Métodos: Tratou-se de um estudo transversal, prospectivo, intervencional e com abordagem quantitativa, realizado no período de fevereiro a outubro de 2017. Para a definição do método a ser utilizado na classificação dos PRF e das IF, utilizaram-se as recomendações do Ministério da Saúde para a implantação de Serviços de Clínica Farmacêutica. As prescrições medicamentosas e os prontuários dos participantes também representaram fonte de coleta de dados. Resultados: Trinta e três indivíduos com idade média de 40,41 (±13) anos participaram do estudo. Um total de 278 PRF foi identificado, sendo os mais frequentes os problemas envolvendo seleção e prescrição (n=215; 77,3%) e reação adversa a medicamento (n=13; 4,7%). Foram realizadas 296 IF, especialmente informações e aconselhamentos (n=99; 33,5%) e manejo de interação medicamentosa (n=80; 27%). Conclusão: PRF foram comuns neste estudo, assim como a necessidade de IF, o que sugere que os serviços clínicos farmacêuticos possuem o potencial de contribuir com a equipe multiprofissional na identificação e manejo de problemas relacionados à farmacoterapia, contribuindo com o alcance de melhores desfechos em saúde em pacientes com tuberculose.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
1. Veronesi: Tratado de infectologia. 5. ed. São Paulo: Atheneu, 2015.
2. Magalhães JL, Antunes MAS, Boechat N. Identificação de expertise brasileira na luta contra algumas Doenças Tropicais Nigligenciadas. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 45, n. 3, São Paulo, 2012.
3. World Health Organization. Global tuberculosis Report 2017. Geneva: World Healtha Organization; 2017. Disponível em: http://www.who.int/tb/publications/global_report/en/ Acesso em: 02 dez. 2017.
4. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa nacional de controle da tuberculose. Brasília; 2004.

5. Organização Panamericana De La Salud. Servicios Farmacéuticos basados em laAtención Primaria de Salud:documento de posición de la OPS/OMS. Washington DC: PS, 2013. 106 p.
6. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Serviços farmacêuticos na atenção básica à saúde. Cuidado farmacêutico na atenção básica. Caderno 1. Brasília, 2014.
7. Clark PM, Karagoz T, Apikoglu-Rabus S, Izzettin FV. Effect of pharmacist-led patient education on adherence to tuberculosis treatment. Am J Health-Syst Pharm, Vol 64, Mar 1, 2007.
8. Mitrzyk BM. Treatment of Extensively Drug-Resistant Tuberculosis and Role of the Pharmacist.PHARMACOTHERAPY. Vol. 28, Number 10, 2008.
9. Venkatapraveen A, Rampure MV, Patil N. Assessment of clinical pharmacist intervention to improve compliance and health care outcomes of tuberculosis patients. Der Pharmacia Lettre, 2012, 4 (3): p. 931-937. Disponível em:http://scholarsresearchlibrary.com/archive.html. Acesso em: 10 dez. 2017.
10. Tanvejsilp P, Pullenayegum E, Loeb M, Dushoff J, Xie F. Role of pharmaceutical care for self-administered pulmonary tuberculosis treatment in Thailand. J Clin Pharm Ther. 2017; p. 1-8. Disponível em: https://doi.org/10.1111/jcpt.12519. Acesso em: 10 dez. 2017.
11. Mkele G. The role of the pharmacist in TB management. S Afr Pharm J. 2010.
12. Lopes ARV, Miranda SS, Ceccato MGB, Silveira MR, Resende NH, Carvalho, WS. Evaluation of the impact of pharmaceutical care for tuberculosis patients in a Secondary Referral Outpatient Clinic, Minas Gerais, Brazil. Annals of the Brazilian Academy of Sciences. September 2017.
13. Carvalho RD, Souza AR, Souza WS, César H, Pacheco FJ, Sacrament M. Atenção farmacêutica em pacientes com tuberculose pulmonar. Infarma Ciências Farmacêuticas, v. 23, n. 3/4, 2011.
14. Silva DB et al. Assistência farmacêutica a pacientes com tuberculose pulmonar: uma revisão integrativa. Revista Presença, v. 2, n. 7, p. 83-106, apr. 2017.
15. Souza MFB, Oliveira EP. O estudante do curso de farmácia da anhanguera educacional na colaboração com o plano nacional de controle da tuberculose. Anuário da Produção Acadêmica Docente. Vol. 5, Nº. 12, Ano 2011.
16. Brasil, Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Serviços farmacêuticos na atenção básica à saúde; 308 p.: il. Cuidado farmacêutico na atenção básica. Caderno 2; Brasília, 2014.
17. Whocc - ATC/DDD Index. Structure and principles, 2016. Disponível em: https://www.whocc.no/atc_ddd_index/. Acesso em: 10 dez. 2017.
18. Micromedex® 2.0. Truven Health Analytics. Disponível em: http://www-micromedexsolutions-com.ez51.periodicos.capes.gov.br/. Acessado em 02 dez. 2017.
19. Borges APS, Guidoni CM, Freitas O, Pereira LRL. Economic evaluation of outpatients with type 2 diabetes mellitus assisted by a pharmaceutical care service. Arq Bras Endocrinol Metab., 2011. p. 686-91.
20. Carter BL, Ardery G, Dawson JD, James PA, Bergus GR, Doucette WR et al. Physician and Pharmacist Collaboration to Improve Blood Pressure Control. Arch Intern Med. American Medical Association, 2009. p. 1996-2002.
21. Carnevale RC, Molino CGRC, Visacri MB, Mazzola PG, Moriel P. Cost analysis of pharmaceutical care provided to HIV-infected patients: an ambispective controlled study. DARU. 2015;23(13):1–9.
22. Moore JM, Shartle D, Faudskar L; et al. Impact of a Patient-Centered Pharmacy Program and Intervention in a High-Risk Group. J Manag Care Pharm, v. 19, n. 3, 2013. p. 228-36.
23. Ribeiro VF, Sapucaia KCG, Aragão LAO, Bispo ICS, Oliveira VF, Alves BL. Realização de intervenções farmacêuticas por meio de uma experiência em farmácia clínica. Ver. Bras. Farm. Hosp. Serv. Saúde, 2015. p. 18-22.
24. Aguilera TRK, Matos VTG, Ganassin AR, Toffoli-Kadri MC. Impact of pharmacy residents in pharmaceutical hospital care. Afr J Pharm Pharmacol, 2015. p. 26-32.
25. Matos ES, Limberger JBz. Assistência à saúde de pacientes com tuberculose no município de Santa Maria. RS. Infarma Ciências Farmacêuticas 26.2 (2014): 96-102.
26. Barros, PG et al. Perfil Epidemiológico dos casos de Tuberculose Extrapulmonar em um município do estado da Paraíba, 2001-2010. Cad. Saúde Colet., 2014, Rio de Janeiro.
27. Costa, RR. Et al Tuberculose: perfil epidemiológico em hospital referência no tratamento da doença. Minas Gerais: Rev Med, 2014. p. 24.
28.Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de recomendações para o controle da tuberculose no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.
29. Costa SV, Ceolim MF. Fatores que interferem na qualidade do sono de pacientes internados. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 47, n. 1, p. 46-52, feb. 2013. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/reeusp/article/view/52851/56754. Acesso em: 02 feb. 2018.
30. Arbex MA, Varella MCL, Siqueira HR, Mello FA. Drogas antituberculose: Interações medicamentosas, efeitos adversos e utilizações em situações especiais. Parte 1: Fármacos de primeira linha*. Jornal Brasileira de Pneumologia. 2010. p. 626-640.

Downloads

Publicado

2020-12-23

Como Citar

Pereira da Silva, I., Inahê Marques, L. ., Moraes Penha, R., & Guimarães Polisel, C. (2020). Problemas relacionados à farmacoterapia e intervenções farmacêuticas em indivíduos com tuberculose. Revista Brasileira De Pesquisa Em Saúde/Brazilian Journal of Health Research, 22(1), 60–70. https://doi.org/10.21722/rbps.v22i1.19077

Edição

Seção

Artigos originais