Visita Guiada

procedimentos de escuta performativa de si

Autores

  • Andréa Lúcia Sério Bertoldi Universidade Estadual do Paraná - UNESPAR
  • Patrícia Natividade de Pinho Machado Universidade Estadual do Paraná - UNESPAR

Palavras-chave:

Criação, Corpo, Performance, Dança

Resumo

O artigo propõe compartilhar processos poéticos da performance de dança Visita Guiada desenvolvidos durante o período de oito anos (2012-2020) com artistas integrantes de três companhias profissionais de dança do Brasil. São apresentados os processos que deram origem ao procedimento denominado: escuta performativa de si, os quais são contextualizados em articulação teórica com a noção de vontade performativa, proposta por Eleonora Fabião e com o conceito de escuta, na abordogem de Hubert Godard, de modo a friccionar sentidos de individuação e coletividade na experiência performativa dos corpos, potencialmente transformadora de hábitos culturalmente estabelecidos naqueles ambientes de criação em dança.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andréa Lúcia Sério Bertoldi, Universidade Estadual do Paraná - UNESPAR

Andréa Sério é Professora Adjunta do Curso de Bacharelado e Licenciatura em Dança da Universidade Estadual do Paraná - UNESPAR, campus de Curitiba II/ FAP, Professora Pesquisadora no Mestrado Profissional em Artes PPGArtes e no Mestrado Profissional em Educação Inclusiva – PROFEI, com pesquisa e atuação em Dança, Aprendizagem e Corporeidades. É coordenadora do Projeto de Extensão: “Limites em Movimento: corpo em questão” que amplia o acesso de pessoas com deficiência a processos de criação em dança. É coordenadora do Centro de Educação em Direitos Humanos - CEDH da UNESPAR. Foi colaboradora de programas de democratização do acesso à dança como o Dança Solidária da Fundação Cultural de Curitiba e o Fórum de Dança na Comunidade da Faculdade de Artes do Paraná Dirigiu o Balé Teatro Guaíra criando o programa BTG: corpo público com projetos de ampliação do acesso de diferentes artistas e públicos ao trabalho daquela companhia. Investigou processos de acessibilidade à Dança como convidada no programa de Dança Educação da New York University NYU e na Dance Film Association. Criou e dirigiu a Limites Cia de Dança, com trabalho pioneiro no sul do Brasil na investigação artística do corpo com deficiência. Criou e atualmente é colaboradora do coletivo Nó movimento em rede, comunidade de artistas que articula relações poéticas e políticas para a produção artística dos diferentes corpos que dançam.

 

Patrícia Natividade de Pinho Machado, Universidade Estadual do Paraná - UNESPAR

Bacharel e Licenciada em Dança, mestranda no Programa de Pós-Graduação Mestrado Profissional em Artes - PPGARTES da Universidade Estadual do Paraná - UNESPAR.

Referências

COHEN, Renato. Performance como linguagem. São Paulo: Perspectiva, 2013.

DAMÁSIO, António. Em busca de Espinosa: prazer e dor na ciência dos sentimentos. São Paulo: Companhia das letras, 2004.

DAMÁSIO, António. E o cérebro criou o homem. São Paulo: Companhia das letras, 2011.

ESPINOSA, Bento. Ética. Parte III (Da origem e da Natureza das Afecções). Lisboa: Relógio D’Água, 1992.

EUGÉNIO, Fernanda; FIADEIRO, João. O Jogo das perguntas. Lisboa: Ghost, 2013.

FABIÃO, Eleonora. Corpo cênico, estado cênico. Contraponto, Itajaí, SC, (UNIVALI), v. 10, n. 3, p. 321-326, set./dez. 2010.

FABIÃO, Eleonora. Performance e Teatro: poéticas e políticas da cena contemporânea. Sala Preta, São Paulo, v.28, n.8, p. 235-246, nov. 2008.

FABIÃO, Eleonora. Programa performativo: o corpo-em-experiência. Revista do LUME, Campinas, SP, n.4, p.1-10, dez. 2013.

FIADIERO, João; BIGÉ, Romain. Se não sabe porque é que pergunta? Revista Científica da FAP. Curitiba, UNESPAR, v.17, n. 2, p.172-198, jul./dez. 2017.

GLEIK, James. Caos: a criação de uma nova ciência. Rio de Janeiro: Campus, 1990.

GODARD, Hubert. Gesto e Percepção. Tradução: Silvia Soter. In: PEREIRA, Roberto; SOTER, Silvia (Org.). Lições de Dança 3. Rio de Janeiro: UniverCidade, 2003. p. 11-35.

GODARD, Hubert. Olhar cego. Entrevista com Hubert Godard, por Suely Rolnik. In: ROLNIK, Suely. (Org.). Lygia Clark, da obra ao acontecimento. Somos o molde. A você cabe o sopro. São Paulo: Pinacoteca do Estado, 2006a. p. 73-80.

GREINER, Christine. Em busca de uma metodologia para analisar a alteridade na arte. Concept, Campinas, SP, v. 6, n. 2, p. 10–21, jul./dez. 2017.

ICLE, Gilberto; BONATTO, Mônica. Por uma pedagogia performativa: a escola como entrelugar para professores performers e estudantes performers. Cadernos CEDES, Campinas, v. 37, n. 101, p. 7-28, jan./abr. 2017.

LASZLO, Ervin. Introduction to systems philosophy. New York: Harper Torch Books, 1972.

LORENZ, Eduard Norton. A essência do caos. Brasília: Editora da UnB, 1996.

POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 5, n. 10, p. 200-212, 1992.

PROGOGINE, Ilya. O fim das certezas: tempo, caos e as leis da natureza. São Paulo: Editorada UNESP, 1996.

SARAMAGO, José. Ensaio sobre a cegueira. São Paulo: Companhia das Letras. 2002.

SIMODON, Gilbert. L’individuation psychique et collective. Paris: Albier, 1989.

TURLE Licko; TRINDADE Jussara. Teatro(s) de rua do Brasil. São Paulo: Editora Perspectiva, 2016.

VÁZQUEZ, Félix. La memória como acción sócial:. relaciones, significados e imaginário. Barcelona: Paidós, 2001.

VIEIRA, Jorge de Albuquerque. Teoria do conhecimento e arte: formas de conhecimento – Arte e ciência, uma visão a partir da complexidade. Fortaleza: Expressão Gráfica, 2006.

ZAMBRANO, David; TOMPKINS, Mark; NELSON, Lisa. Need to know – a conversation about improvisational performance. Contact Quarterly. v. 25 n.1, p. 29-41, Inverno, 2000.

ZUMTHOR, Paul. Performance, linguagem e recepção. Trad. Jerusa Pires Ferreira e Suely Fenerich. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

Downloads

Publicado

2020-12-30

Como Citar

Bertoldi, A. L. S., & Machado, P. N. de P. (2020). Visita Guiada: procedimentos de escuta performativa de si. Revista Do Colóquio, 1(19), 6–24. Recuperado de https://portaldepublicacoes.ufes.br/colartes/article/view/33088