Corpo transgressor feminino

A arte criada como denúncia de violências praticadas contra a mulher num diálogo com Artemísia Gentilesch

Autores

Palavras-chave:

Arte, Mulher, Denúncia, Enfrentamento à violência, Transgressão

Resumo

Neste artigo, pretende-se analisar de forma investigativa duas obras da pintora Artemísia Gentilesch, com o objetivo de propor uma reflexão sobre criações artísticas femininas utilizadas como demarcadores de denúncia e de transgressão ao contexto da imposição de inferioridade das mulheres. Apresentando algumas percepções pessoais decorrentes do processo de pesquisa que utilizamos, elencaremos neste artigo a importância de verbalizar a violência sofrida como ferramenta auxiliar para transgredir as regras vigentes de dominação das mulheres. Buscar-se-á ainda, ressaltar que o enfrentamento precisa ser trabalhado no sujeito-mulher para que haja um resultado de autovalorização essencial para que cada mulher se reconheça como um corpo transgressor feminino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosemery Casoli, Fordan/UFES

Mestra em Artes pelo Programa de Pós-Graduação em Artes da Universidade Federal do Espírito Santo (2018 -2020 ) com Bolsa CAPES. Graduada em Artes Visuais pela Universidade Federal do Espírito Santo (2013-2017). Professora efetiva na SEME - Secretaria Municipal de Educação - Prefeitura de Cariacica/ES. Possui experiência na área de Educação, com ênfase em Artes Visuais e Dança. Pesquisadora, Pintora, Coreógrafa, Figurinista, Performer, Dançarina, Oficineira e voluntária no Projeto de Extensão " FORDAN: Cultura no enfrentamento às violências" - CEFD/UFES. Pesquisadora do Laboratório de Pesquisas sobre Violência contra a Mulher no Espírito Santo - LAPVIM/UFES. Pesquisadora do NEI/UFES: Núcleo de Estudos Indiciários. Produção Artística 2017: Pinturas em lona denunciando a violência contra a mulher: Liberdade em Construção; Máscaras Medo, Abstração, Aquilo, Suicídio, Despertar, Juntando os pedaços, Empoderada e .Rasgando o passado). Coreografia: Juntando os Pedaços; Produção Artística 2018: Performance: Sentindo na Pele (com a temática de enfrentamento à violência doméstica praticada contra a mulher) Coreografia: Reconstrução: eu e você somos nós; Coreografia: Balada do Louco;. Produção Artística 2019: Performance: Mulheres que Transam (com a temática de enfrentamento à violência doméstica praticada contra a mulher)

Referências

AGNATI, Tiziana. (2000). Sguardo di donna. Art Dossier. Firenze, n 153, pp. 19-31, febraio.

AGNATI, Tiziana. La Fortuna di Artemisia. Art Dossier. Nº 172, pp. 5-47, Novembre, Firenze, 2001.

ARGAN, Giulio Carlo. História da arte italiana: Da Antiguidade a Duccio. Trd. Wilma de Kantinszky. São Paulo: Cosac & Naify. 2003.

___. História da Arte Italiana: de Michelangelo ao Futurismo. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

BELL, Julian. Uma Nova História da Arte. São Paulo, Martins Fontes, 2008.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: Ensaios sobre a literatura e a história da cultura. Tradução: Sergio Paulo Rouanet, Prefácio: Jeanne Marie Gagnebin. São Paulo, Ed. Brasiliense, 1987. 3º edição. (Obras escolhidas, v. I)

BÍBLIA SAGRADA. Edição Pastoral. PAULUS – 1990. P. 517- 531/1105 -1107.

GARRARD, Mary DuBose. Artemisia Gentileschi: the image of the female hero in Italian Baroque art. Princeton: Princeton University Press, 1989.

___. Artemísia Gentileschi. Princeton: Princeton University Press.1991.

LOPONTE, Luciana Gruppelli. Docência artista: arte, estética de si e subjetividades femininas. Porto Alegre: UFRGS, 2005. 207 p. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

TEDESCO, Cristine. Quello che sa fare una donna: um estudo sobre Artemísia Lomi Gentileschi na perspectiva da História. In: Anais eletrônicos do II Encontro história, imagem e cultura visual, 2013, Porto Alegre, p. 1-11.

___. Atti di un processo per stupro: o interrogatório de Artemisia Gentileschi no olhar do gênero. MÉTIS: história & cultura – v. 11, n. 21, p. 245-259, jan./jun. 2012.

___. Artemísia Gentileschi: trajetória, gênero e representações do feminino (1610-1654). Tese de doutorado. Programa de Pós-Graduação em História da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Brasil. 342f. 2018.

___. “E non dite che dipingeva come un uomo”: história e linguagem pictórica de Artemísia Lomi Gentileschi entre as décadas de 1610 e 1620 em Roma e Florença. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em História. Universidade Federal de Pelotas, Pelotas. 192f. 2013.

Downloads

Publicado

2021-07-19

Como Citar

Casoli, R. (2021). Corpo transgressor feminino: A arte criada como denúncia de violências praticadas contra a mulher num diálogo com Artemísia Gentilesch. Revista Do Colóquio, (20), 169–185. Recuperado de https://portaldepublicacoes.ufes.br/colartes/article/view/35607