A igreja católica como agente estruturador da cidade do Salvador no período colonial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7147/geo.v1i31.31791

Palavras-chave:

Igreja Católica, Agentes, Salvador

Resumo

Salvador foi a capital da América Portuguesa de 1549 até 1763. Ela também foi a segunda cidade do Império português até o início do século XIX. A Igreja Católica junto com o Estado foram os principais agentes que estruturaram a cidade de Salvador durante todo o período colonial. A Igreja  Secular vinculada ao Estado pelo regime do Padroado foi responsável pela implantação e manutenção da catedral da Sé, de igrejas e paróquias. As ordens religiosas com seus conventos foram importantes elementos para a estruturação do espaço urbano enquanto as ordens leigas eram proprietárias de igrejas e muitas terras e prédios urbanos e correspondiam à estruturação de uma sociedade escravista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro de Almeida Vasconcelos, Universidade Federal da Bahia

Graduado em Geografia pela Universidade Católica de Pernambuco (1969), com mestrado em Urbanisme et Aménagement du Territoire - Université Catholique de Louvain (1973), Ph.D em Geografia - Université d´Ottawa (1985) e pós-doutoramento na Université de Paris IV - Sorbonne (1994-1995). Professor Titular em Geografia da Universidade Federal da Bahia, concursado (1986). Atualmente é professor do quadro permanente da Universidade Católica de Salvador, atuando no Programa de Pós-Graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social, e professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal da Bahia. Foi professor convidado no Institut d´Urbanisme de Paris (1988), na Universidad de Barcelona (2001) e na Université de Paris 8 (2004). Foi membro da Comissão de Assessoramento da Capes (Geografia, 1999-2002) e representante da Geografia Humana no Comitê Assessor do CNPq (2002-2005). É pesquisador CNPq 1-A. Membro do Grupo de Estudos Urbanos (GEU). Recebeu o título de Cidadão da Cidade do Salvador da Câmara Municipal da Cidade de Salvador (2014); foi homenageado no XIV Simpósio Nacional de Geografia Urbana, UFCE, Fortaleza (2015); recebeu o Prêmio Roberto Santos de Mérito Científico da Fundação de Amparo a Pesquisa da Bahia - FAPESB (2017), foi admitido como Membro Titular da Academia de Ciências da Bahia (2018) e foi homenageado no XIII Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Geografia, na USP, São Paulo (2019). Atua na área de Geografia Histórica, Geografia Urbana e do Urbanismo, principalmente nos seguintes temas: teorias sobre cidades; Salvador, trabalho informal.

Referências

ALMANACH para a cidade da Bahia, anno 1812. Salvador: C. E. C.; S. E. C., 1973 [1811].

ALMEIDA, Eduardo de Castro e (Org.) Inventário dos documentos relativos ao Brasil existentes no Archivo de Marinha do Ultramar. Annaes da Bibliotheca Nacional do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. V. 31, 1913; v. 32, 1914a; v. 34, 1914b.

ALVES, Marieta. História da Venerável Ordem Terceira da Penitência do Seráfico Pe. São Francisco da Congregação da Bahia. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1948.

AMARAL, Braz do. Resenha Histórica da Bahia. Salvador: Tip. Naval, 1941.

AMARAL, José Alvares do. Resumo Chronologico e Noticioso da Provincia da Bahia, desde o seu descobrimento em 1.500. Anotador Teixeira Barros. Revista do Instituto Geographico e Historico da Bahia, 47 (1921-1922), p.71-559 [1881].

ANCHIETA, José de. Cartas. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1988 [1554-1594].

AZZI, Riolando. Consciência da Igreja de si mesma no tempo colonial. In HORNAERT, E. et al. História da Igreja no Brasil: ensaio de interpretação a partir do povo: primeira época Período colonial. Petrópolis: Vozes, 2008 [1977], p. 153-242.

BAHIA/S.I.C./C.F.T. Inventário de Proteção ao Acervo Cultural. Vol. I - Monumentos do Município de Salvador - Bahia. Salvador, 1975 [SIC].

BARBOSA, Mons. Manoel. Nossa Senhora da Conceição na história da Bahia, in O Bi-Centenário de um Monumento Bahiano. Salvador: Beneditina, 1971, p. 375-435.

BAZIN, Germain. L´architecture religieuse baroque au Brésil. São Paulo: Museu de Arte; Paris: Plan, 1955 [1945].

BOCCANERA Jr., Silio. Bahia epigraphica e iconográphica. Salvador: Ministério da Justiça, 1928

BOXER, Charles R. Portuguese Society in the Tropics. Madison: Wisconsin Press, 1965.

BOXER, Charles R. O Império Marítimo Português 1415-1825. Lisboa: Ed. 70, 1992 [1969].

BOXER, Charles R. A Igreja e a Expansão Ibérica (1440-1770). Lisboa: Ed. 70, 1989 [1978].

BRAGA, Julio Santana. Sociedade Protetora dos Desvalidos. Uma irmandade de cor. Salvador: Ianamá, 1987.

CALDAS, José Antonio. Notícia Geral de toda esta Capitania da Bahia desde o seu descobrimento até o presente ano de 1759. Salvador: Beneditina, 1951 [1759].

CAMPOS, J. da Silva. Procissões Tradicionais da Bahia. Salvador: Secretaria de Educação e Saúde, 1941.

CASIMIRO, Ana P. B. Mentalidade e Estética na Bahia Colonial: a Venerável Ordem Terceira de São Francisco de Assis. Salvador: F.C.E.B., 1996.

COSTA, P. Avelino de J. da. População da Cidade da Baía em 1775. V Colóquio Internacional de Estudos Luso-Brasileiros. Coimbra, 1965, p. 5-88.

COSTA E SILVA, Cândido da. Os Segadores e a Messe. O clero oitocentista na Bahia. Salvador: Edufba, 2000.

DAMAZIO, Antonio J. Tombamento dos bens imóveis da Santa Casa da Misericordia da Bahia em 1862. Salvador: Typographia Camillo de Lellis Masson, 1862.

DANTAS, Irmã Maria Teresa Costa Pinto. História das Ursulinas no Brasil. 1. O Convento de Nossa Senhora das Mercês. Rio de Janeiro: U. S. U., s/d.

FALLA, recitada na abertura da Assembléia Legislativa: 1845 e 1846 (Francisco José de Sousa Soares D’Andrea).

HOORNAERT, Eduardo. Formação do Catolicismo brasileiro. Petrópolis: Vozes, 1991 [1974].

Inventário dos documentos relativos ao Brasil existentes no Archivo de Marinha do Ultramar - AMU (Organizado por Eduardo de Castro e Almeida). Annaes da Bibliotheca Nacional do Rio de Janeiro. Vols. XXXI (1913), XXXIV (1914) e XXXVI (1916) [AMU].

JABOATÃO, Antônio de S. M. Novo orbe seráfico brasílico, ou Chronica dos frades menores da província do Brasil. Recife: A. L. E. P., 1979-1980, 3 v. [1761].

LACOMBE, Américo J. A Igreja no Brasil Colonial, in Holanda, S. B. (Dir.) História Geral da Civilização Brasileira. 1. A Época Colonial. Vol. 2. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1993, p. 51-75.

LEÃO Filho, Joaquim de Souza. Salvador da Bahia de Todos os Santos: iconografia seiscentista desconhecida. Rio de Janeiro: Kosmos, 1957.

LEITE, Serafim. História da Companhia de Jesus no Brasil. Lisboa: Portugália, Tomos. 1 e 2, 1938.

LEITE, Serafim. História da Companhia de Jesus no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, Tomos 1 e 5, 2000 [1938 e 1945].

LEITE, Serafim. Suma Histórica da Companhia de Jesus no Brasil. Lisboa: Junta de Investigações do Ultramar, 1965.

LIVRO Velho do Tombo do Mosteiro de São Bento da Cidade do Salvador. Salvador: Tip. Beneditina, 1945

LOSE, Alícia D.; PAIXÃO, D. Gregório, OSB (org.) Livro do Tombo do Mosteiro de São Bento da Bahia: Editando 430 anos de história. Salvador; Memória&Arte, 2016, vol. II.

MARTINEZ, Socorro T. Ordens Terceiras: Ideologia e Arquitetura, Salvador: FFCH / UFBA, 1979.

MARX, Murillo. Nosso Chão, do sagrado ao profano. São Paulo: Edusp, 2003 [1987].

MATTOS, Waldemar. Os Carmelitas Descalços na Bahia. Salvador: Manu, 1964.

MATTOS, Waldemar. Arcebispos da Bahia e N. Senhora da Conceição no século XIII, in O Bi-Centenário de um Monumento Bahiano. Salvador: Beneditina, 1971, p. 223-242.

MATTOS, Waldemar. Evolução Histórica e Cultural do Pelourinho. Rio de Janeiro: Senac, 1978.

MATTOSO, Kátia M. de Queirós. Bahia Século XIX. Uma Província no Império. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1992.

MONTEIRO, Antonio. Notas sobre Negros Malês na Bahia. Salvador: Ianamá, 1987.

MORENO, Diogo de C. Livro que dá razão do Estado do Brasil - 1612. Recife: Arquivo Público Municipal, 1955 [1612].

NASCIMENTO, Anna A. V. Patriarcado e religião: as enclausuradas clarissas do Convento do Desterro da Bahia, 1677-1890. Salvador: Secretaria de Educação e Cultura, 1994.

NÓBREGA, Manuel da. Cartas do Brasil 1549-1560. B. Horizonte: Itatiaia; São Paulo, Edusp, 1988 [1549/1560].

NOVINSKY, Anita. Cristãos novos na Bahia: a inquisição. São Paulo: Perspectiva, 1992.

OLIVEIRA Maria Inês C. de. O liberto: o seu mundo e os outros. São Paulo: Corrupio, 1988.

ORDENS RÉGIAS: 1725-1727; 1729-1732; 1748-1754. Anais do Arquivo Público do Estado da Bahia - APEB, vols. 32 (1952); 42 (1976); 46 (1982) [OR].

OTT, Carlos. O Carmo e a Ordem 3a do Carmo na cidade do Salvador. Salvador: Alfa, 1989.

OTT, Carlos. Guia Artístico da Cidade do Salvador. Salvador: Alfa, 1990.

OTT, Carlos. História das Artes Plásticas na Bahia (1550-1900). Salvador: Alfa, 1991.

PARÉS, Luis Nicolau. A Formação do Candomblé: história e ritual da nação jeje na Bahia. Campinas: Ed. da Unicamp, 2006.

PERES, Fernando da Rocha. Memória da Sé. Salvador: Macunaíma; Egba, 1974.

PINHO, Wanderley. (Prefácio) Livro Velho do Tombo do Mosteiro de São Bento da Cidade do Salvador. Salvador: Tip. Beneditina, 1945.

PINTO, Orlando da Rocha. Cronologia da Construção do Brasil. 1500-1889. Lisboa: Horizonte, 1987.

PITA, Sebastião da Rocha. História da América Portuguesa, 1500-1724. B. Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1976 [1724].

QUERINO, Manuel. A Bahia de outrora. Salvador: Progresso, 1955 [1916].

REGNI, Pietro Vittorino. Os capuchinhos na Bahia: uma contribuição para a história da Igreja no Brasil. Salvador: Casa Provincial dos Capuchinhos, 1988.

REGINALDO, Lucilene. Os Rosários dos Angolas: irmandades de africanos e crioulos na Bahia setecentista. São Paulo: Alameda, 2011.

REIS, João José. A Morte é uma Festa. São Paulo: Cia. das Letras, 1991.

ROCHA, D. P.; AMOROSO, D. T.; VALLADARES, C.; REGO, W. 400 Anos do Mosteiro de São Bento da Bahia. Salvador: M. S. B. B. / C. N. O., 1982.

ROSENDAHL, Zeny. Primeiro a obrigação, depois a devoção: estratégias espaciais da Igreja Católica no Brasil de 1500 a 2005. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2012.

RUSSEL-WOOD, A. J. R. Fidalgos e Filantropos. A Santa Casa da Misericórdia da Bahia 1550-1755. Brasília: Eunb, 1981 [1968].

RUSSEL-WOOD, A. J. R. Aspectos da vida social das irmandades leigas da Bahia no sec. XVIII, in O Bi-Centenário de um Monumento Bahiano. Salvador: Beneditina, 1971, p.143-168.

RUSSEL-WOOD, A. J. R. The Black Man in Slavery and Freedom in Colonial Brazil. New York: St. Martin’s Press, 1982.

RUSSEL-WOOD, A. J. R. Society and government in colonial Brazil, 1500-1822. Aldershot: Variorum, 1992.

RUY (de Souza), Affonso. História Política e Administrativa da Cidade do Salvador. Salvador: Beneditina, 1949.

RUY (de Souza), Affonso. A importância do bairro da Conceição da Praia no Século XVIII, in O Bi-Centenário de um Monumento Bahiano. Salvador: Beneditina: 1971, p.129-142.

SALGUEIRO, Francisco S. M. Notícia das igrejas da capital da Bahia, Anais do Arquivo do Estado da Bahia, 46 (1982), p. 5-78 [1887].

SALVADOR. P.M.S. - Prefeitura Municipal de Salvador. Atas da Câmara 1641-1649, 2º vol., 1949; 1751-1765, 10º vol., 1996. Salvador [A.C.].

SALVADOR. P.M.S. – Prefeitura Municipal de Salvador. Cartas ao Senado 1638-1673, 1º vol., Salvador, 1951; 1673-1684, 2º vol., 1952; 1699-1710, 5º vol., 1960 [C.S.].

SAMPAIO, Teodoro. História da Fundação da Cidade de Salvador. Salvador: Beneditina, 1949.

SANTA MARIA, Fr. Agostinho de. Seminário Mariano e História das Imagens Milagrosas de Nossa Senhora [...]. Revista do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, 74, 1947 [1722], p. 1-181.

SCHWARTZ, Stuart B. Burocracia e Sociedade no Brasil Colonial. São Paulo: Perspectiva, 1979 [1973].

SCHWARTZ, Stuart B. Segredos Internos. São Paulo: Cia. das Letras, 1988 [1985].

SMITH, Robert. Aspectos da Arquitetura da Basílica da Conceição da Praia, in O Bi-Centenário de um Monumento Bahiano. Salvador: Beneditina, 1971, p. 87-128.

SILVA, Ignácio A. de C. Memórias Históricas e Políticas da Província da Bahia. Anotador Braz do Amaral. Salvador: Imprensa Oficial, 1925 (vol.2 [1836]); 1937 (vol. 5 [1843]).

SOUSA, Gabriel Soares de. Tratado Descritivo do Brasil em 1587. São Paulo: Nacional, 1987 [1587].

SOUZA, Alcídio Mafra de. (Coord.) Guia dos Bens Tombados: Bahia. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura, 1983.

TEIXEIRA, Cid. As grandes doações do 1o governador. In Cedurb: A Grande Salvador. Salvador, 1978, p. III-1-39.

TOMBO dos Bens das Ordens Terceiras, Confrarias e Irmandades da Cidade do Salvador instituído em 1853. Publicações do Arquivo do Estado da Bahia, Vol. VI. Salvador: Imprensa Oficial, 1948.

UFBA/FAU/CEAB. Evolução Física de Salvador. Salvador, 1980 (2 vols.).

VARNHAGEN, Francisco A. História Geral do Brasil. São Paulo: Melhoramentos, 1962 (5 vols.) [1857].

VASCONCELOS, Pedro de A. Os agentes modeladores das cidades brasileiras no período colonial, in CASTRO, I., GOMES, P.; CORRÊA, R. (org.) Explorações Geográficas. Rio de Janeiro: Bertrand, 1997, p.247-278.

VASCONCELOS, Pedro de A. Les agentes de la formation des villes coloniales brésiliennes. In DIAS, L. C.; RAUD, C. (dir.) Villes et régions au Brésil. Paris: L´Harmattan, 2000, p.79-92.

VASCONCELOS, Pedro de A. Salvador: transformações e permanências (1549-1999). Ilhéus: Editus, 2002; Salvador, Edufba, 2016 [2ª ed. revista e ampliada].

VASCONCELOS, Pedro de A. Salvador de Bahia (Brésil). Transformations et permanences (1549-2004). Paris: L´Harmattan, 2005.

VASCONCELOS, Pedro de A. A utilização dos agentes sociais nos estudos de Geografia Urbana: avanço ou recuo? In CARLOS, A. F. A.; SOUZA, M. L.; SPOSITO, M. E. B. (Org.) A Produção do espaço urbano: agentes e processos, escalas e desafios. São Paulo: Contexto, 2011, p. 75-96.

VERGER, Pierre. Fluxo e refluxo do tráfico de escravos entre o Golfo de Benin e a Baía de Todos os Santos. São Paulo: Corrupio, 1987 [1968].

VERGER, Pierre. Notícias da Bahia de 1850. Salvador: Corrupio; FCEB, 1981.

VIDE, D. Sebastião Monteiro da. Constituições Primeiras do Arcebispado da Bahia. Brasília: Senado Federal, 2007 [1710; 1853].

VILHENA, Luís dos Santos. A Bahia no Século XVIII. Salvador: Itapuã, 1969 (3 vols.) [1802].

WILDBERGER, Arnold. Tomé de Souza, fundador da Igreja de N. S. da Conceição da Praia e da Cidade do Salvador em 1549, in O Bi-Centenário de um Monumento Bahiano. Salvador: Beneditina, 1971, p.11-61.

WILLEKE, F. Venâncio (Org.) Livro dos Guardiães do Convento de São Francisco da Bahia (1587-1862). Rio de Janeiro: MEC / IPHAN, 1978.

Downloads

Publicado

2020-12-17

Como Citar

DE ALMEIDA VASCONCELOS, P. A igreja católica como agente estruturador da cidade do Salvador no período colonial . Geografares, [S. l.], v. 1, n. 31, p. 30–64, 2020. DOI: 10.7147/geo.v1i31.31791. Disponível em: https://portaldepublicacoes.ufes.br/geografares/article/view/31791. Acesso em: 26 jul. 2021.