Léon Metchnikoff e a construção de um modelo evolutivo do meio geográfico

os grandes rios históricos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/geo.v1i32.31374

Palavras-chave:

Geografia; Anarquismo; Léon Metchnikoff; Teoria Geográfica;

Resumo

Este artigo analisa a obra La Civilisation et les grands fleuves historiques do geógrafo anarquista Léon Metchnikoff que propõe um modelo geográfico e histórico de interpretação da evolução humana. Baseado em pressupostos teóricos claros, muitos dos quais comuns a É. Reclus e P. Kropotkin, Metchnikoff divide seu modelo interpretativo em três grandes fases evolutivas. A análise busca elucidar tais pressupostos, bem como as três etapas de sua teoria. Este estudo se justifica pelo impacto de Civilisation nas ciências humanas, sua orientação fraterna e para questionar interpretações que reafirmam a geografia como uma ciência eminentemente empírica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Breno Viotto Pedrosa, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Graduado e licenciado em Geografia pela Universidade de São Paulo. Doutor em Geografia pela Universidade de São Paulo. Professor Adjunto do Departamento de Geografia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Referências

ARRIGHI, Giovanni. Adam Smith em Pequim. São Paulo: Bomtempo, 2008.

FERRETTI, Federico. “De l’empathie en géographie et d’un réseau de géographes: la

Chine vue par Leon Metchnikoff, Élisée Reclus et François Turretini” in Cybergeo,

documento 660, DOI: 10.400/cybergeo.261277, 2013.

___________, Federico. Anarchici ed editori. Milão: Zero in condotta, 2011.

___________, Federico. Il mondo senza mappa. Milão: Zero in condotta, 2007.

KRAUSZ, T. Reconstruindo Lênin – uma biografia intelectual. São Paulo: Boitempo, 2017.

KONISHI, Sho. Anarchist modernity. Londres: Harvard Uiversity Press, 2013.

KROPOTKIN, P. Il mutuo apoggio – fattore dell’evoluzione. Bolonha: Libreria internazionale di avanguardia, 1950.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos. São Paulo: Editora 34, 1994.

METCHNIKOFF, Léon. La civilisation et les grands fleuves historiques. Paris: Librarie

Hachette et cie., 1889.

______________, Léon. Evolution and Revolution. in Contemporary Review, vol. 50, p. 412-437, 1886.

PINTO, Pedro A. O modelo heurístico orgânico na obra de F. W. J. Schelling e sua recepção na Rússia do início do século XX. Pandaemonium, São Paulo, v. 22, n. 37, p. 377-400, 2019.

PELLETIER, Philippe. Géographie & anarchie. Mayenne: Éditions du monde libertaire &

Éditions Libertaires, 2013.

__________, Philippe. Élisée Reclus: géographie et anarchie. Paris: Les Éditions du

monde libertaire, 2009.

PLEKHÂNOV, G. V. Л. И. Мечников (Некролог) in Сочинения. Moscou / Petrogrado:

Государственное Издательство, 1923 [1888].

___________, G. V. Die zivilisation und die grossen historischen Flüsse in Die Neue Zeit,

nº 14, 1891.

PRÉPOSIET, Jean. História do anarquismo.Lisboa: Edições 70, 2007.

RECLUS, Élisée. La Chine et la diplomatie européenne. Paris: Éditions de l’Humanité

Nouvelle, 1900.

ROGERS, James A. Charles Darwin and Russian Scientists. In The Russian Review, v. 10, n. 4, p. 371-383, 1960.

SAWER, M. Marxism and the question of Asiatic mode of production. The Hague: Martinus Nijhoff, 1977.

TUATHAIL, Gearóid Ó. Critical geopolitics. Minneapolis: University of Minnesota Press,

WITTFOGEL, K. A. Oriental Despotism. Nova York: Vintage Books, 1981.

WHATMORE, Sarah. Hybrid Geographies. Londres: Sage, 2002.

WHITE, James D. “Despotism and anarchy: the sociological thought of L. I. Metchnikoff” in

The Slavonic and east European review, vol. 54, nº 3, 1976.

Publicado

2021-07-21

Como Citar

PEDROSA, B. V. Léon Metchnikoff e a construção de um modelo evolutivo do meio geográfico: os grandes rios históricos. Geografares, [S. l.], v. 1, n. 32, p. 3–29, 2021. DOI: 10.47456/geo.v1i32.31374. Disponível em: https://portaldepublicacoes.ufes.br/geografares/article/view/31374. Acesso em: 27 set. 2021.