Do que essa foto é imagem

as séries fotográficas “Plano de Vôo” e “Úmido” do artista Cao Guimarães

Autores

Palavras-chave:

Cao Guimarães, Colecionismo, Acervo fotográfico

Resumo

O presente artigo tem como intuito analisar as séries fotográficas “Plano de Vôo” e “Úmido” do artista mineiro Cao Guimarães. Resultantes de um processo de retorno ao acervo, o artista acaba por nos propor novas visualidades em meio aos resíduos imagéticos. No decorrer das investigações, busca-se entender motivações que influenciaram os métodos e os processos criativos do artista. Paralelamente, são levantados diálogos com outros artistas fotógrafos à luz de um mesmo aspecto conceitual e teórico, sugerindo interações poéticas entre as obras.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lília Márcia de Sousa Pessanha, Universidade de Vila Velha

Mestre em Artes com linha de pesquisa em História, Teoria e Crítica de Arte pela Universidade Federal do Espírito Santo - Ufes [2018-2020], pesquisa em sua dissertação o campo imagético e o processo criativo no âmbito contemporâneo abrangendo as obras do artista Cao Guimarães. Possui tecnólogo em Fotografia [2015 ? 2017]. Integra o grupo de estudos ?Processos de Criação em Curadoria?, coordenado pela Prof.ª Dr.ª Ananda Carvalho (DAV-UFES). Atuou como pesquisadora do Programa de Bolsa de Iniciação Científica da Universidade de Vila Velha (UVV) na área de Fotografia [2016 ? 2017] abordando o auto retrato como parâmetro de aceitação e/ou rejeição da imagem na sociedade contemporânea. Participou da co-curadoria da exposição ?Limiares labirínticos: Graduartes 2019? na Galeria de Artes ? GAP/ UFES sob orientação da curadoria da Prof.ª Dr.ª Ananda Carvalho. Esteve presente na Produção e Divulgação da I Mostra Nacional de Audiovisual ES: Há um lugar para a arte?" [2019], no Cine Metrópolis, UFES. No campo artístico, integra o Coletivo Fotográfico Balancê, em conjunto com Bruna Nascimento e Eduarda Gomes. Participou como diretora de arte nos curtas metragens ?Inhumane? [2018], ?Unreal? [2018] e ?Creative Labyrinth? [2018] sob direção de Luiz Will Gama. Sua primeira Exposição Coletiva Fotográfica, Ilha Surreal, com curadoria de Bebel Gama, foi realizada em 2015 na Casa da Stael durante a Virada Cultural em Vitória. Teve como intuito retratar o Centro Histórico de Vitória com influências fotográficas o Construtivismo Russo e Cotidiano abordado pelo Alexander Rodchenko. Participou da Comissão de Organização da Semana de Fotografia FotoSíntese, realizada na UVV e como instrutora na Oficina de Cianótipo e Kalítipo sob supervisão de Ignez Capovilla. Em 2016, participou da Exposição Coletiva Fotográfica SecularES sob orientação de Elizabeth Nader, realizada no Teatro Municipal de Vila Velha, apresentando Monumentos Históricos e Culturais do Espírito Santo construídos entre os séculos XVI e XVIII conduzindo os espectadores a territórios erguidos, em grande parte, por índios e negros e transformado pelo contínuo agir humano. Após a exposição, o Coletivo SecularES tornou-se um Projeto onde originou-se na publicação de um livro fotográfico, também com a orientação de Elizabeth Nader.

Referências

BAQUÉ, Dominique. La fotografia plástica. Barcelona: Editorial Gustavo Gili, 2003.

BENEDETTI, Raimo. Disparo cinematográfico: a fotografia entre o estático e o cinético. Revista Zum, São Paulo, 8 jun. 2018. Disponível em: < https://revistazum.com.br/radar/disparo-cinematografico/>. Acesso em: 20 ago 2020.

COTTON, Charlotte. A fotografia como arte contemporânea. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

GONÇALVES, Fernando. Imagens em trânsito: fotografia contemporânea e experiência estética em “Gambiarras” de Cao Guimarães. Revista Contracampo. Niterói, n. 2, v. 27, p. 49 - 70, ago/nov 2013.

GUUMARÃES, Cao. Cao Guimarães: depoimento [2013e]. Depoimento concedido para a exposição Ver é uma Fábula (2013). Disponível em:

<https://www.youtube.com/watch?v=hDxXkPXWt6A>. Acesso em 09 set 2020.

___. Cao Guimarães: São Paulo: Galeria Nara Roesler, 2015. Catálogo da exposição Depois. Disponível em: <https://nararoesler.art/usr/documents/exhibitions/list_of_works_url/57/catalogo_cao3.pdf>. Acesso em 15 jun 2020.

___. Cao Guimarães: depoimento [2018]. Entrevista concedida ao Programa Cineastas do Real. Disponível em: <https://globosatplay.globo.com/canal-brasil/v/6450606/>. Acesso em: 02 ago 20.

LINS, Consuelo. Cao Guimarães: arte documentário ficção. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2019.

___. Temporalidade e experiência sensível nos trabalhos de Cao Guimarães. In: DUBOIS, Philippe; FURTADO, Beatriz (Org). Pós-fotografia, pós cinema: novas configurações das imagens. São Paulo: Edições Sesc São Paulo, 2019, p. 287 – 294.

NAVAS, Adolfo Montejo. Fotografia & poesia (afinidades eletivas). São Paulo: Ubu Editora, 2017.

PICADO, Benjamim; LINS, Consuelo. Dimensões da relação estética na obra fotográfica de Cao Guimarães. In: Encontro Anual da Compós, 25, 2016, Goiânia. COMPÓS, 2016

Downloads

Publicado

2021-07-19

Como Citar

Pessanha, L. M. de S. (2021). Do que essa foto é imagem: as séries fotográficas “Plano de Vôo” e “Úmido” do artista Cao Guimarães. Revista Do Colóquio, (20), 121–137. Recuperado de https://portaldepublicacoes.ufes.br/colartes/article/view/35521