Fios da Vida

micropolítica e macropolítica na proposição Caminhando de Lygia Clark

Autores

  • Thaís Fernanda Rocha Magalhães Universidade Federal de Mato Grosso
  • Maria Thereza de Oliveira Azevedo Universidade Federal de Mato Grosso

Palavras-chave:

Micropolítica, Macropolítica, Lygia Clark, Caminhando

Resumo

A proposta deste artigo é abordar o trabalho Caminhando (1963) da artista brasileira Lygia Clark (1920 - 1988) tecendo diálogos com autoras como Suely Rolnik (2019), Félix Guattari e Gilles Deleuze (1996). Rolnik, nos oferece uma leitura que atualiza o Caminhando a partir dos conceitos de micropolítica e macropolítica chamando a atenção para a urgência em reconhecer a articulação entre tais esferas sociais na produção de subjetividade. O Caminhando nos auxilia a fazer um recorte nas Artes Visuais brasileira onde é possível observarmos alguns processos embrionários da arte contemporânea: participação e conceitualismo. Ambos os quais nos conduzem pelos emaranhados fios da vida quando experimentamos realizar o gesto de cortar uma fita feita de papel, objeto cotidiano que em nossa leitura sustenta o paradoxo entre direito e avesso, dentro e fora como nas bandas de Moebius.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thaís Fernanda Rocha Magalhães, Universidade Federal de Mato Grosso

Artista Visual, pesquisadora e professora formada em Artes Visuais, com habilitação em Licenciatura, pela Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais com trabalho final sobre a arte ameríndia brasileira. Foi aprovada em primeiro lugar no processo seletivo de Mestrado em Estudos de Cultura Contemporânea na Universidade Federal de Mato Grosso na linha de pesquisa Poéticas Contemporâneas. A pesquisa de mestrado desenvolvida recebeu aprovação para o processo de transposição para Doutorado em 2020 sob orientação da professora Dra. Maria Thereza Azevedo. Se interessa pela arte em estado de nascimento como caminho para a germinação de linguagens que precisam de um corpo. O título de sua pesquisa de doutorado é CAMINHANDO COM LYGIA CLARK: A NOSTALGIA DO SINGULAR ESTADO DE ARTE SEM ARTE. Cria pequenas esculturas, faz pesquisas em desenho, pintura, fotografia e registra parte da cartografia da sua tese em experimentos entre o lápis, a aquarela e as palavras.

Maria Thereza de Oliveira Azevedo, Universidade Federal de Mato Grosso

Doutora em Artes Cênicas pela USP. Cineasta, propositora de Poéticas Urbanas. Pesquisadora Associada do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura Contemporânea. ECCO/UFMT. Orienta Mestrado e doutorado em Poéticas Contemporâneas. Líder do Grupo de Pesquisa Artes Híbridas: intersecções, contaminações, transversalidades. No Grupo de pesquisa desenvolveu as seguintes pesquisas integradas: Artes da cena em Abya yala: feminismos e decolonialidade (2016) Corpo, performance, escritas e espaços: as artes da cena no contemporâneo.(2015) Transversalidades: artes visuais, teatro e cinema.(2014) Arte, cidade e interconexões.(2012) Derivas percursos, imagens e escutas: imersões sobre a cidade de Cuiabá.(2009). Coordenou o projeto Cidade Pensada em 2012 e o projeto Cidade Possível em 2016. Lider do Coletivo à deriva de intervenções urbanas, desde 2009.

Referências

CARNEIRO, Beatriz Scigliano. Relâmpagos Com Claror: Lygia Clark e Hélio Oiticica, Vida Como Arte. São Paulo: Editora Imaginário FAPESP, 2004

CLARK, Lygia. Breviário sobre o corpo. concinnitas | ano 16, volume 01, número 26, julho de 2015. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/concinnitas/article/view/20119 Acesso em: 13 de novembro de 2020

___. Carta a Mondrian [1959], In: Escritos de artistas: 60/70. Glória Ferreira e Cecília Cotrim (orgs,). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.

CLARK, Lygia. Conversa de Lygia Clark com Psicoterapeutas [1982]. In: Lygia Clark: da obra ao acontecimento. Somos o molde. A você cabe o sopro. Orgs. Suely Rolnik e Corine DISERENS. São Paulo: Pinacoteca do Estado de São Paulo, 2005.

Herkenhoff, Paulo. Diagrama da Vida [2005]. In: Lygia Clark: da obra ao acontecimento. Somos o molde. A você cabe o sopro. Orgs. Suely Rolnik e Corine DISERENS. São Paulo: Pinacoteca do Estado de São Paulo, 2005.

___. Da supressão do objeto (anotações) [1975] In: Escritos de artistas: anos 60/70 I. Glória Ferreira e Cecília Cotrim (orgs,). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.

___. Meu Doce Rio. Rio de Janeiro: Galeria Paulo Klabin, 1984.

___.; OITICICA, Helio; FIGUEIREDO, Luciano (Org.). Lygia Clark – Helio Oiticica: Cartas, [1964-1974]. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1996.

___. A propósito da Magia do Objeto [1965], in Lygia Clark. Col. Arte Brasileira Contemporânea. Funarte, Rio de Janeiro,1980. Disponível em: https://issuu.com/lygiaclark/docs/1965-a-proposito-da-magia-do-objeto_p Acesso em: 13 de novembro de 2020

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia, V. 3. Trad. Peter Pál Pelbart e Janice Caiafa. São Paulo: Editora 34, 1996.

___. O Anti-édipo: capitalismo e esquizofrenia. Lisboa: Assírio & Alvim, 1966.

ERNST, Bruno, O Espelho Mágico de Escher. [1978]. Trad. Maria Odete Gonçalves Koller. Colônia, 2007

GUATARRI, Felix. Caosmose: Um novo paradigma estético [1992]. Trad. Ana Lucia Oliveira e Lucia Claudia Leão. São Paulo: Editora 34, 2012.

___. ROLNIK, Suely. Micropolítica: Cartografias Do Desejo. Petrópolis: Vozes, 1996.

GULLAR, Ferreira. Teoria do não-objeto. Jornal do Brasil, Suplemento Dominical. Rio de Janeiro, 20 dez.

OLIVEIRA, Emerson Dionisio G. De.; COUTO, Maria De Fátima Morethy (Orgs.). Instituições da arte. Porto Alegre, RS: Editora Zouk, 2012.

OSÓRIO, Camilo. ARTE, Não-ARTE E A PARTIR DA ARTE. In: Prêmio PIPA. 2019. Disponível em: https://www.premiopipa.com/2019/01/arte-nao-arte-e-a-partir-da-arte-texto-critico-de-luis-camillo-osorio/ Acesso em: 11 de fevereiro de 2020

RAMÍREZ, Mari Carmen. Tactics for Thriving on Adversity: Conceptualism in Latin America, 1960-1980. in: Global Conceptualism: Points of Origin 1950s - 1980s. Queens Museu of Art. New York, 1999.

ROLNIK, Suely. Breve descrição dos Objetos Relacionais. 2006. Disponível em: <http://www.pucsp.br/nucleodesubjetividade/Textos/SUELY/descricaorelacionais.pdf>. Acesso em: 18 out. 2017.

___. Cartografia Sentimental: Transformações Contemporâneas do Desejo. Porto Alegre: Sulina; Editora da UFRGS, 2016.

___. Um singular estado de arte. Folha de S. Paulo, 4 de dezembro de 1994, Seção 6, p.16.

___. DISERENS, Corine (Orgs). Lygia Clark: da obra ao acontecimento. Somos o molde. A você cabe o sopro. São Paulo: Pinacoteca do Estado de São Paulo, 2005.

___. Esferas da Insurreição: Notas para uma vida não cafetinada. São Paulo, Editora N-1, 2019.

SONTAG, Susan. A vontade Radical: estilos. Trad. João Roberto Martins Filho. São Paulo. Editora Companhia das Letras 1987.

Downloads

Publicado

2020-12-30

Como Citar

Magalhães, T. F. R., & Azevedo, M. T. de O. (2020). Fios da Vida: micropolítica e macropolítica na proposição Caminhando de Lygia Clark. Revista Do Colóquio, 1(19), 42–60. Recuperado de https://portaldepublicacoes.ufes.br/colartes/article/view/33224