A recepção da Literatura de Testemunho no Brasil: História, Memória e Literatura (1997-2000)

Autores

  • Átila Fernandes dos Santos Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.47456/e-2021320212

Palavras-chave:

Literatura de Testemunho, Trauma, Recepção, História, Mem´ória

Resumo

Para analisarmos a historicidade dos estudos da literatura de testemunho, dividimos esse artigo em duas partes: 1) levantamos as referências ao conceito de testemunho por parte de intelectuais e estudiosos; 2) estudamos como foi organizada uma esfera de leitura a partir da noção do conceito de “literatura de testemunho”, no Brasil. Esse segundo movimento é realizado considerando que nos jornais e nas revistas de cultura nos últimos anos da década de 1990 pode ser identificado um grupo de críticos especializados que começou a se ocupar da literatura de Primo Levi e de outras testemunhas dos campos de concentração. Nosso objetivo é refletir sobre a formação dos estudos da Literatura de Testemunho e os dilemas enfrentados pelos intelectuais, como o limite da narrativa diante da experiência traumática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Obras Gerais

AGAMBEN, Giorgio. O que resta de Auschwitz. Tradução Selvino J. Assmann. São Paulo: Boitempo, 2008.

BENJAMIN, Walter. Experiência e Pobreza. In: O anjo da história. Trad. De João Barrento – 2. Ed. São Paulo: Autêntica Editora, 2016.

BENJAMIN, Walter. O Narrador. In: Obras escolhidas I. Trad. de Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1985.

CYTRYNOWICZ, Roney. Memória e História do Holocausto. Cult – Revista brasileira de literatura. Ano III, n.23. 1998.

FELMAN, Shoshana. Educação e crise, ou as vicissitudes do ensino. In: NESTROVISK, Arthur; SELIGMANN-SILVA, Márcio (Org.). Catástrofe e representação. São Paulo: Escuta, 2000.

FICO, Carlos. História do Tempo Presente, eventos traumáticos e documentos sensíveis: o caso brasileiro. Varia História, Belo Horizonte, vol. 28, nº 47, jan/jun, 2012.

FREUD, Sigmund. Primeira Lição. In: Cinco lições de psicanálise, Leonardo da Vinci e outros trabalhos. v. XI, Rio de Janeiro: Imago, 1910[1909]. (impressão 1996). passim.

FREUD, Sigmund. O mal-estar na civilização (1930). In: Obras completas volume 18, O mal-estar na civilização, novas conferências introdutórias à psicanálise e outros textos (1930-1936). Tradução: Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

GAGNEBIN, Jeanne-Marie. A (im)possibilidade da poesia. Cult – Revista brasileira de literatura. Ano III, n.23, 1998.

GAGNEBIN, Jeanne-Marie. Palavras para Hurbinek. In: NESTROVISK, Arthur; SELIGMANN-SILVA, Márcio (Org.). Catástrofe e representação. São Paulo: Escuta, 2000. p.106.

HARTOG, François. Evidência da história: o que os historiadores veem. Tradução Guilherme João de Freitas Teixeira com a colaboração de Jaime A. Clasen. -1. ed., 1. reimp. - Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

LACAPRA, Dominick. Historia y memoria despues de Auschwitz. Buenos Aires: Prometeo Libros, 2009.

LANZMANN, Claude. Une représentation impossible?. Le monde. Entrevistador: Aurélie Ledoux. Mar. 03. 1993. Disponível em: <https://www.univ-conventionnelle.com/Une-representation-impossible_ a213.html>. Acesso em: 18 set. 2019.

LOMBARDI, Andrea. A ética da memória. Cult – Revista brasileira de literatura. Ano III, n.23. 1998, p.57.

NESTROVISK, Arthur. Memórias do Horror. Folha de São Paulo. Mar. 22 de 1998. p. 11.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Tradução: Alain François. Campinas/São Paulo: Editora Unicamp, 2007.

SARLO, Beatriz. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. Tradução: Rosa Freire d’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: UFGM, 2007.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. A história como trauma. In: ____; NESTROVISK, Arthur (Org). Catástrofe e representação. São Paulo: Escuta, 2000.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Literatura de testemunho: os limites entre a construção e a ficção. Letras – Revista do Mestrado em Letras da UFSM (RS). Jan/Jun. 1998, p. 19. Disponível em: < https://periodicos.ufsm.br/letras/article/view/11482>. Acesso em: 08 jan. 2021.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. O local do testemunho. Revista Tempo e Argumento, vol. 2, núm. 1, jan/jun, Universidade do Estado de Santa Catarina Florianópolis, Brasil, 2010.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Os fragmentos de uma farsa. Cult – Revista brasileira de literatura. Ano III, n.23. 1998.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Sobre a beleza do feio e a sublimidade do mal. Revista eletrônica de jornalismo científico. Jul. 2006. Disponível em: <https://www.comciencia.br/comciencia/handler.php?section=8&edicao =15&id=136>. Acesso em: 08 jan. 2021.

SELIGMAN-SILVA, Márcio. Literatura de testemunho. Cult – Revista brasileira de literatura. n.23, Ano III, 1998.

SILVA, Fabiola Alves. Revista Cult – Leituras Do Presente (1997 -2002). Dissertação de Mestrado em Literatura), Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. 2006.

WAJCMAN, Gérard. Le Monde, 3 décembre 1998, par Gérard Wajcman. Le monde. Disponível em: <https://editions-verdier.fr/2014/03/06/le-monde-jeudi-3-decembre-1998 -par-gerard-wajcman/>. Acesso em: 18 set. 2019.

WIEVIORKA, Annette. Era of the Testimony. Tradução Jared Star. Ithaca/NY: Cornell Uaiversity Press. 2006.

Downloads

Publicado

26-11-2021

Como Citar

FERNANDES DOS SANTOS, Átila. A recepção da Literatura de Testemunho no Brasil: História, Memória e Literatura (1997-2000). Revista Ágora, [S. l.], v. 32, n. 2, p. e–2021320212, 2021. DOI: 10.47456/e-2021320212. Disponível em: https://portaldepublicacoes.ufes.br/agora/article/view/36759. Acesso em: 12 ago. 2022.