Coletivos quebrando o silêncio: mulheres feministas e evangélicas na luta contra a violência de gênero e em favor à legalização do aborto

Autores

  • Milena Geisa dos Santos Martins Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, UFRRJ, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.47456/simbitica.v7i3.33702

Resumo

Nosso objetivo neste artigo, a partir de entrevistas e netnografia, é mostrar-lhes que a partir do âmbito religioso emergem coletivos cujas as vozes dissonantes não compactuam com a subjugação feminina implementada pela religião e denunciam em ambientes virtuais a violência praticada contra a mulher em ambientes domésticos ou eclesiais. Além de trabalharem voluntariamente instruindo e acolhendo vítimas de violência, é importante destacar que as Feministas Evangélicas, por nós pesquisadas, lutam em favor da legalização do aborto, pois entendem que esta é uma questão de saúde pública. Porém, mesmo lutando em favor dos direitos femininos, elas são ameaçadas por indivíduos que possuem ethos familista e visão conservadora de mundo, pois estes entendem que elas querem destruir a família.

Palavras-chave: Feminismo; religião; violência de gênero; política.

 

Abstract

This article aims to present, through interviews and netnography, collectives that emerge from the religious sphere, where dissonant voices do not agree with the female subjugation implemented by religion who denounces in virtual environments the violence against women in environments domestic or ecclesial. Besides volunteer work, instructing, and supporting victims of violence, the Evangelical Feminists group fight for abortion legalization, as they understand it as a public health issue. However, even when fighting for women's rights, they are threatened by individuals who have a familist ethos and a conservative worldview because they understand that they want to destroy the family.

Keywords: Feminism; religion; gender violence; policy.

 

Resumen

Nuestro objetivo en este artículo, a partir de entrevistas y netnografía, es mostrar que desde el ámbito religioso surgen colectivos cuyas voces disonantes no concuerdan con la subyugación femenina implementada por la religión y denuncian en entornos virtuales la violencia practicada contra las mujeres en los ambientes doméstico y/o eclesial. Además de trabajar voluntariamente en la instrucción y acogida de víctimas de violencia, es importante destacar que las Feministas Evangélicas que hemos investigado luchan por la legalización del aborto, pues entienden que este es un tema de salud pública. Sin embargo, incluso cuando luchan por los derechos de las mujeres, son amenazadas por individuos que tienen un espíritu familista y una cosmovisión conservadora porque entienden que quieren destruir a la familia.

Palabras clave: Feminismo; religión; violencia de género; política.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Milena Geisa dos Santos Martins, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, UFRRJ, Brasil

Mestra em Ciências Sociais pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), Brasil. Integra, como pesquisadora e analista de mídias sociais, o grupo de pesquisa: Dinâmicas Territoriais, Cultura e Religião (CRELIG).

Downloads

Publicado

2020-12-24

Como Citar

Martins, M. G. dos S. (2020). Coletivos quebrando o silêncio: mulheres feministas e evangélicas na luta contra a violência de gênero e em favor à legalização do aborto. Simbiótica. Revista Eletrônica, 7(3, jul.-dez.), 252–278. https://doi.org/10.47456/simbitica.v7i3.33702