https://portaldepublicacoes.ufes.br/rbps/issue/feed Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde/Brazilian Journal of Health Research 2020-12-23T10:33:17+00:00 Carolina Fiorin Anhoque carolina.anhoque@ufes.br Open Journal Systems <p>A Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde (RBPS), ISSN 2446-5410, é uma publicação do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Federal do Espírito Santo, tem a missão de publicar manuscritos de elevado nível técnico-científico que contribuam, direta ou indiretamente, para a promoção do conhecimento nas áreas das Ciências da Saúde. A RBPS destina-se à publicação trimestral de manuscritos científicos, incluindo editoriais, artigos originais, artigos de revisão sistemática e relatos de casos, referentes a assuntos e estudos de interesse técnico-científico nas áreas das Ciências da Saúde.</p> https://portaldepublicacoes.ufes.br/rbps/article/view/18200 Concepções sobre promoção da saúde e qualidade de vida: revisão integrativa 2018-12-13T16:27:27+00:00 Rauana Santos Faustino rauanafaustino21@gmail.com Antonio Germane Alves Pinto germane.pinto@urca.br Simone Marcelino Lopes simoninhamarcelino@gmail.com Lydia Maria Tavares lydia-tavares@hotmail.com <p><strong>Introdução:</strong> A Qualidade de Vida e a Promoção da Saúde são parâmetros conceituais relevantes, e explorar evidências para práticas promotoras da vida tornam-se caminhos propositivos para possibilidades na atenção à saúde da população. <strong>Objetivo:</strong> Analisar a produção científica sobre qualidade de vida e promoção da saúde, a fim de identificar as concepções e evidências científicas existentes na literatura sobre a temática abordada. <strong>Métodos:</strong> Trata-se de uma revisão integrativa da literatura, realizada nas bases de dados: Science Direct, Scopus, Biblioteca Virtual em Saúde (BVS) e PubMed no período de 2013 a 2017. <strong>Resultados:</strong> Evidenciaram-se convergências conceituais ara qualidade de vida e promoção da saúde. As definições se relacionam com a educação dos indivíduos para adoção de um estilo de vida saudável, tendo em vista a melhoria da Qualidade de vida, descrita como, subjetiva, determinada por fatores socioculturais e de bem-estar integral. <strong>Conclusão:</strong> A contribuição do estudo enfatiza o conhecimento sobre a população, sendo este um instrumento importante para inovação frente às condições de vida e processo saúde-doença.</p> 2020-12-23T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde/Brazilian Journal of Health Research https://portaldepublicacoes.ufes.br/rbps/article/view/27535 Perfil epidemiológico de pacientes portadores de neoplasias de glândulas salivares atendidos em um hospital de referência de João Pessoa/PB 2019-12-08T07:45:44+00:00 Gabriella de Vasconcelos Neves gabriellavneves@gmail.com Daliana Queiroga de Castro Gomes dqcgomes@hotmail.com Cassiano Francisco Weege Nonaka cfwnonaka@gmail.com Diego Filipe Bezerra Silva diegofilipeb@gmail.com Gustavo Pina Godoy gruiga@hotmail.com <p><strong>Introdução:</strong> As neoplasias que surgem nas glândulas salivares são relativamente raras, as quais representam uma grande variedade de comportamentos biológicos e subtipos histológicos benignos e malignos. <strong>Objetivo:</strong> Determinar a frequência relativa e a distribuição de uma série de casos diagnosticados histopatologicamente como neoplasias primárias em glândulas salivares. <strong>Métodos:</strong> Realizou-se um estudo transversal exploratório, por meio de<br />técnica da observação indireta dos prontuários preenchidos entre o período de janeiro de 2002 e dezembro de 2012. Foram registrados dados referentes ao sexo, idade, raça, localização anatômica, tipo de glândula acometida, tamanho, natureza e diagnóstico histopatológico da neoplasia. Os dados coletados foram analisados por meio de estatística descritiva. <strong>Resultados:</strong> Foram identificados 124 casos, dos quais 98 (79,03%) eram neoplasias benignas e 26 (20,97%), malignas. Com relação à localização anatômica, a maioria das lesões ocorreu na glândula parótida (84,7%), seguindo-se as glândulas salivares menores (8%) e, por último, a glândula submandibular (7,3%). As neoplasias de glândulas salivares menores ocorreram mais frequentemente no palato. A neoplasia benigna mais frequente foi o adenoma pleomórfico (87,8%), e o carcinoma adenoide cístico (42,3%) foi a neoplasia maligna mais comum. As neoplasias malignas foram mais comuns na glândula parótida (76,9%) e nas glândulas salivares menores (23%). <strong>Conclusão:</strong> Os dados demográficos aqui apresentados poderão ser úteis para uma melhor compreensão das características clínicas e biológicas das neoplasias de glândulas salivares.</p> 2020-12-23T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde/Brazilian Journal of Health Research https://portaldepublicacoes.ufes.br/rbps/article/view/26966 Intersetorialidade, a saúde do idoso e o Serviço de Orientação ao Exercício: uma análise documental. 2020-03-09T12:25:25+00:00 Leonardo Perovano Camargo leonardoperovano@gmail.com Carlos Nazareno Ferreira Borges naza_para@yahoo.com.br <p><strong>Introdução:</strong> Há um fenômeno mundial de aumento da expectativa de vida e queda da taxa de fecundidade, promovendo o envelhecimento da população e, consequentemente, a necessidade de Políticas Públicas se adaptarem aos serviços para maior alcance e qualidade para essa população. A Política Nacional de Promoção da Saúde aponta a intersetorialidade como elemento institucional e como uma forma de gestão que potencializa os serviços de saúde, além de a literatura apontar a participação social (um dos elementos da intersetorialidade) como fator de proteção e promoção de vida ativa para os idosos. <strong>Objetivos:</strong><br />O objetivo da pesquisa é analisar os elementos de intersetorialidade através de uma análise documental, relacionada à saúde da população idosa dentro do Serviço de Orientação ao Exercício, com a finalidade de auxiliar na avaliação e planejamento de políticas mais alinhadas com os direitos constitucionais e construção de ferramentas mais racionais de análise. <strong>Métodos:</strong> Como metodologia utilizou-se a análise documental de Richardson. <strong>Resultados:</strong> Dentro dos modelos de análise política de Dye tem-se o início do Serviço de Orientação ao Exercício classificado como o modelo de elite e atualmente agindo como o modelo incremental, que são variações sobre o passado, aplicando pequenas melhorias em políticas já consolidadas, para evitar atritos políticos e gastos em novas ou grandes reformulações. <strong>Conclusão:</strong> Conclui-se que o SOE, apesar de ser uma Política Pública de vanguarda e de referência nacional, ainda possui relações intersetoriais incipientes, classificadas como articulações governamentais horizontais, que é uma intersetorialidade embrionária, abrindo caminho para a construção de uma Política Pública com mais alcance e qualidade.</p> 2020-12-23T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde/Brazilian Journal of Health Research https://portaldepublicacoes.ufes.br/rbps/article/view/25861 O perfil dos cirurgiões-dentistas e o monitoramento de indicadores em saúde bucal dos municípios da 1ª Regional de Saúde do Pará 2019-12-08T08:25:05+00:00 Gabriel Mácola de Almeida Gabrielalmeida1401@hotmail.com Amanda Menezes Medeiros amanda_mm12@hotmail.com Dimitra Castelo Branco dimitra.castelo@gmail.com Pettra Blanco Lira Matos pettra_lira@yahoo.com.br Adalberto Lírio de Nazaré Lopes Adalbertolnl@ufpa.br Liliane Silva do Nascimento profaliliane@ufpa.br <p><strong>Introdução:</strong> Conhecer o perfil dos profissionais de saúde evidencia a realidade de saúde do território, sendo ferramenta de caráter estratégico para entender e auxiliar o processo de trabalho e a tomada de decisões. <strong>Objetivo:</strong> Analisar o perfil dos cirurgiões-dentistas dos municípios e o monitoramento de indicadores em saúde bucal da 1ª Regional de Saúde do Pará. <strong>Métodos:</strong> Através de estudo transversal, analisaram-se microdados da avaliação externa do 2º ciclo do Programa Nacional para Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica, totalizando amostra de 44 profissionais de equipes de saúde bucal da 1ª Regional de Saúde do Pará. Os microdados foram gerados a partir da aplicação de instrumento validado do Ministério da Saúde a cirurgiões-dentistas no período de 2013 a 2014. As variáveis foram agrupadas em quatro categorias de análise: formação profissional, atuação profissional, planejamento/monitoramento e atenção ao usuário. <strong>Resultados:</strong> Foi encontrado que 61,4% dos cirurgiões dentistas possuíam pós-graduação, sendo predominante na área de mestrado e residência não relacionados à estratégia de saúde da família. 97,7% foram contratados por meio de administração direta. Apenas 45,5% afirmam realizar o monitoramento e análise de indicadores de saúde bucal. Mais da metade dos profissionais revelaram não saber se possuem registro de casos suspeitos ou confirmados de câncer de boca na unidade.<strong> Conclusão:</strong> O perfil dos cirurgiões-dentistas foi de profissionais com capacitação predominantemente fora da atenção primária à saúde, com modalidades de contratos temporários que fragilizam vínculos e potencializam a rotatividade de profissionais. O monitoramento de indicadores de saúde bucal e o registro de pacientes suspeitos/confirmados de câncer de boca foi baixo, reforçando a necessidade de aprimoramento na origem e qualidade de dados para o sistema de informação em saúde.</p> 2020-12-23T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde/Brazilian Journal of Health Research https://portaldepublicacoes.ufes.br/rbps/article/view/21469 Percepção de estudantes de Enfermagem sobre os sentidos e significados do trabalho gerencial do enfermeiro 2020-06-01T10:29:23+00:00 Mariana de Oliveira Araujo mariana-enf@hotmail.com Sabrina Nunes dos Santos a@a.com Nildo Batista Mascarenhas a@a.comb Taciane Oliveira Bet Freitas a@a.com <p><strong>Introdução:</strong> A função gerencial integra o processo de trabalho do enfermeiro nos vários níveis de atenção à saúde e busca garantir a realização de uma assistência de qualidade e eficiente, sendo necessário para a sua execução conhecimento técnico e científico. <strong>Objetivos:</strong> Compreender a percepção de estudantes de enfermagem sobre os sentidos e significados do trabalho gerencial do enfermeiro e identificar a(s) dificuldade(s) e/ou facilidade(s) na execução do trabalho gerencial do enfermeiro na percepção de discentes de enfermagem. <strong>Métodos:</strong> Trata-se de uma pesquisa qualitativa, na qual a coleta de dados foi realizada através da técnica da entrevista semiestruturada e teve como participantes dez estudantes de enfermagem. Para análise dos dados, foi utilizada a Técnica de Análise de Conteúdo. <strong>Resultados:</strong> O trabalho gerencial do enfermeiro relaciona-se à organização do trabalho e do serviço de saúde e ao planejamento das atividades prestadas. No desenvolvimento do trabalho gerencial, os estudantes identificaram como facilidades a capacitação profissional, o trabalho em equipe e o diálogo. Como dificuldades, citou-se o desafio do enfermeiro em realizar a associação do trabalho assistencial e gerencial, a sobrecarga de trabalho, a relação de liderança sobre a equipe e a falta de recursos materiais. <strong>Conclusão:</strong> A articulação entre o trabalho gerencial e o assistencial deve ser enfatizada e construída no cotidiano do trabalho, dado que ambos constituem o trabalho do enfermeiro no Brasil e valorizam essa profissão.</p> 2020-12-23T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde/Brazilian Journal of Health Research https://portaldepublicacoes.ufes.br/rbps/article/view/22011 Correlação entre a gravidade da doença e variáveis respiratórias em pacientes com cirrose hepática e ascite 2019-12-31T03:12:23+00:00 Jordane Silva de Souza a@a.com Rayane de Souza Moura a@a.com Halina Duarte a@a.com Flávia Marine Paro a@a.com Veronica Lourenço Wittmer ve_lourenco@yahoo.com.br <p><strong>Introdução:</strong> A cirrose hepática é uma doença crônica que desencadeia diversas complicações. Dentre as complicações, destacamos o acúmulo de líquidos extravasculares e ascite, que causa o aumento da pressão intra-abdominal e prejudica a mecânica respiratória. <strong>Objetivo:</strong> Avaliar o impacto da cirrose em associação com a ascite sobre variáveis respiratórias, sinais e sintomas.<strong> Métodos:</strong> 14 pacientes com diagnóstico clínico de cirrose hepática e ascite foram avaliados. Após a coleta dos dados clínicos, os sinais vitais foram aferidos e foram avaliados o padrão respiratório (inspeção dinâmica), medidas da cirtometria torácica e abdominal (mensuradas através de fita métrica), teste de ventilometria e capacidade vital (com uso do ventilômetro), avaliação do grau de dispneia (escala numérica) e nível de fadiga (escala visual analógica). Os dados foram avaliados através do teste estatístico t de student, e para análise de correlação entre as variáveis foi utilizado o teste de correlação de Pearson, sendo estabelecida significância para valores de p&lt;0,05. <strong>Resultados:</strong> Houve prevalência de pacientes classificados como CHILD B e com média 15,6 ± 4,8 no índice MELD. Os pacientes apresentaram redução significativa da capacidade vital, redução da expansibilidade tóraco-abdominal, correlação positiva entre o índice MELD e a cirtometria abdominal e correlação positiva entre a escala de dispneia e escala de fadiga. <strong>Conclusão:</strong> Concluímos que quanto mais grave o paciente, maior a circunferência abdominal, e a associação da cirrose com ascite tem impacto negativo nos parâmetros respiratórios, evidenciado na redução significativa da capacidade vital e da expansibilidade tóraco-abdominal.</p> 2020-12-23T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde/Brazilian Journal of Health Research https://portaldepublicacoes.ufes.br/rbps/article/view/27439 Perfil clínico e epidemiológico de pacientes com tuberculose diagnosticados em um hospital universitário 2019-11-18T09:27:40+00:00 Érida Zoé Lustosa Furtado eridazoe@hotmail.com Lígia Maria Cabedo Rodrigues ligiacabedo@yahoo.com.br Alessandra Sousa Monteiro ales.m1@hotmail.com Anne Karoline Nunes Oliveira anneknsolv@gmail.com Elizyanne Mendes Martins bqnanne@gmail.com <p><strong>Introdução:</strong> A tuberculose é uma doença infectocontagiosa que representa um grave problema de saúde pública, acometendo cerca de um terço da população mundial. <strong>Objetivo:</strong> Analisar o perfil clínico e epidemiológico de pacientes diagnosticados com tuberculose em um hospital universitário. <strong>Métodos:</strong> Trata-se de estudo transversal, retrospectivo, com abordagem quantitativa, realizado com 118 pacientes diagnosticados com tuberculose no período de janeiro de 2013 a dezembro de 2017. Para a coleta de dados, utilizou-se um formulário contendo variáveis sociodemográficas e epidemiológicas, elaborado a partir da ficha de investigação do Sistema de Informação de Agravos de Notificação. Os dados foram analisados no software SPSS®. A pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital Universitário da Universidade Federal do Piauí. <strong>Resultados:</strong> Houve predomínio da tuberculose entre pacientes do sexo masculino, com baixa escolaridade, cor parda e procedentes de outros municípios do Piauí. Na análise bivariada, por sua vez, pacientes idosos, com baciloscopia de escarro positiva, raio x suspeito, cultura positiva e teste rápido molecular detectável tiveram maior chance de diagnóstico da forma pulmonar da doença. <strong>Conclusão:</strong> Identificou-se o elevado percentual de pacientes com tuberculose pulmonar diagnosticados no serviço hospitalar, embora odiagnóstico e tratamento estejam disponíveis na atenção primária. Ademais, ficouevidente que os determinantes sociais são decisivos para a ocorrência de casos detuberculose entre as populações menos favorecidas.</p> 2020-12-23T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde/Brazilian Journal of Health Research https://portaldepublicacoes.ufes.br/rbps/article/view/19077 Problemas relacionados à farmacoterapia e intervenções farmacêuticas em indivíduos com tuberculose 2020-02-12T20:18:51+00:00 Iara Pereira da Silva iarinha1@hotmail.com Luiza Inahê Marques a@a.com Ramon Moraes Penha a@a.com Camila Guimarães Polisel a@a.com <p><strong>Introdução:</strong> A Tuberculose (TB) é uma doença infecciosa cujo longo período de terapia farmacológica contribui para o abandono do tratamento e desfechos negativos em saúde. O cuidado farmacêutico tem demonstrado otimizar a adesão ao tratamento e reduzir o número de problemas relacionados à farmacoterapia (PRF). <strong>Objetivo:</strong> Identificar PRF e traçar o perfil das intervenções farmacêuticas (IF) em indivíduos com tuberculose assistidos em uma instituição hospitalar. <strong>Métodos:</strong> Tratou-se de um estudo transversal, prospectivo, intervencional e com abordagem quantitativa, realizado no período de fevereiro a outubro de 2017. Para a definição do método a ser utilizado na classificação dos PRF e das IF, utilizaram-se as recomendações do Ministério da Saúde para a implantação de Serviços de Clínica Farmacêutica. As prescrições medicamentosas e os prontuários dos participantes também representaram fonte de coleta de dados. <strong>Resultados:</strong> Trinta e três indivíduos com idade média de 40,41 (±13) anos participaram do estudo. Um total de 278 PRF foi identificado, sendo os mais frequentes os problemas envolvendo seleção e prescrição (n=215; 77,3%) e reação adversa a medicamento (n=13; 4,7%). Foram realizadas 296 IF, especialmente informações e aconselhamentos (n=99; 33,5%) e manejo de interação medicamentosa (n=80; 27%). <strong>Conclusão:</strong> PRF foram comuns neste estudo, assim como a necessidade de IF, o que sugere que os serviços clínicos farmacêuticos possuem o potencial de contribuir com a equipe multiprofissional na identificação e manejo de problemas relacionados à farmacoterapia, contribuindo com o alcance de melhores desfechos em saúde em pacientes com tuberculose.</p> 2020-12-23T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde/Brazilian Journal of Health Research https://portaldepublicacoes.ufes.br/rbps/article/view/21826 Tendência da mortalidade infantil e de seus componentes no estado do Espírito Santo de 2006 a 2016 2019-11-18T09:20:02+00:00 Luiza Braun Lirio Nascimento luizabraunlirio@gmail.com Tayná Marquezini de Souza Melo taynamarquezini@gmail.com Wanêssa Lacerda Poton wanipp@gmail.com <p><strong>Introdução:</strong> A morte infantil é um evento indesejável em saúde pública, por ser, em sua maioria, evitável e, portanto, reflete as condições de vida da sociedade. Este estudo analisou a tendência temporal da mortalidade infantil e de seus componentes no Espírito Santo e regiões de saúde. <strong>Métodos:</strong> Estudo ecológico, de série temporal, da mortalidade infantil no Espírito Santo e regiões de saúde utilizando dados do Sistema de Informação de Mortalidade (SIM), no período de 2006 a 2016. Os coeficientes de mortalidade (infantil, neonatal, neonatal precoce, neonatal tardio, pós-neonatal e perinatal) foram calculados utilizando-se os óbitos de crianças por ano segundo local de residência, dividido pelos nascidos vivos do mesmo local e ano. Para avaliação da tendência temporal utilizou-se regressão linear.<strong> Resultados:</strong> A mortalidade infantil apresentou queda significativa em todas as regiões de saúde, com redução maior nas regiões Norte e Sul e menor na Metropolitana. Entretanto, a mortalidade entre o 7o e 27o dia de vida aumentou nas regiões de saúde Norte e Central. A mortalidade infantil foi a que apresentou maior redução, seguida da mortalidade perinatal, neonatal, neonatal precoce, pós-neonatal e neonatal tardia. <strong>Conclusão:</strong> Houve redução na mortalidade infantil no ES e regiões de saúde no período de 2006 a 2016, sendo maior no componente perinatal e neonatal precoce. A mortalidade neonatal tardia aumentou nas regiões Norte e Central, demonstrando necessidade de aperfeiçoamento das políticas públicas para o acompanhamento rigoroso e eficaz da criança no primeiro mês de vida.</p> 2020-12-23T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde/Brazilian Journal of Health Research https://portaldepublicacoes.ufes.br/rbps/article/view/27483 Conhecimento materno e de responsáveis por crianças sobre amamentação e alimentação complementar 2019-12-08T08:10:24+00:00 Isabele Moreira Franca Vieira iisabele.franca@outlook.com Sueli Ismael Oliveira da Conceição sueli.ismael@gmail.com <p><strong>Introdução:</strong> O aleitamento materno e a alimentação complementar adequada e saudável são estratégias que contribuem com a promoção da saúde da criança. <strong>Objetivo:</strong> Avaliar os conhecimentos sobre amamentação e alimentação complementar de mães ou responsáveis por crianças menores de dois anos de idade. <strong>Métodos:</strong> Estudo transversal com 138 mães ou responsáveis por crianças menores de dois anos assistidas em Unidades Básicas de Saúde, em São Luís (MA). Aplicou-se um formulário semiestruturado para a coleta de dados socioeconômicos, demográficos e sobre os conhecimentos em amamentação e alimentação complementar. Avaliaram-se as frequências de acertos para cada pergunta e as frequências de entrevistados segundo seus níveis de conhecimentos sobre amamentação (pouco, médio e bom) e de alimentação complementar (pouco, bom e ótimo). O Teste do Qui-quadrado avaliou a associação entre as variáveis.<strong> Resultados:</strong> Embora 88,8% dos entrevistados tenham apresentado conhecimentos médio e bom sobre amamentação e 95,5% tenham atingido conhecimentos bom e ótimo sobre alimentação complementar, elevada frequência desconhecia o colostro (67,9%) e os artefatos adequados para oferecer o leite materno ordenhado (63,4%). O bom conhecimento sobre amamentação predominou nos entrevistados com 12-15 anos de estudo (74,1%), e o ótimo nível de conhecimento sobre a alimentação complementar predominou no grupo com 20-34 anos de idade (75,9%) e naqueles com 12-15 anos de estudo (75,9%)(p˂0,05). <strong>Conclusão:</strong> O desconhecimento de aspectos importantes do aleitamento materno e da alimentação complementar mostrou a necessidade de implementar orientações continuadas sobre essas temáticas na rotina da Atenção Primária em Saúde, a fim de promover a saúde da criança.</p> 2020-12-23T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde/Brazilian Journal of Health Research https://portaldepublicacoes.ufes.br/rbps/article/view/27656 Caracterização dos óbitos por acidente de transporte terrestre em um município de Goiás 2020-07-31T02:27:36+00:00 Gabriela Camargo Tobias gabicamargo22@gmail.com Thiago dos Santos Souza thiagoenf1@hotmail.com Cristiane Chagas Teixeira cc-teixeira@hotmail.com <p><strong>Introdução:</strong> As lesões decorrentes de acidente de transporte terrestre configuram-se como um problema de saúde pública, nos países de média e alta renda. <strong>Objetivo:</strong> descrever os óbitos por acidente de transporte terrestre no município de Senador Canedo, no período de 2005 a 2017. <strong>Métodos:</strong> Estudo descritivo, de base populacional. A população compreendeu todas as vítimas de acidente de transporte terrestre que foram a óbitos no período de 2005 a 2017. Foram incluídos faixa etária do óbito, sexo, local de ocorrência do óbito, raça/cor, escolaridade, estado civil e endereço de ocorrência e causas básicas de óbito. Realizada análise descritiva. <strong>Resultados:</strong> Foram encontrados 323 óbitos, a maioria sexo masculino, faixa etária entre 20 a 29 anos (26,6%) e 30 a 39 anos (25,1%), raça cor parda (66,3%), estado civil solteiro (43,7%). A variável escolaridade foi preenchida como ignorada para a maioria dos óbitos (41,5%), seguida por 4 a 7 anos de estudo (18,6%). Quanto ao local de ocorrência do óbito, a maioria ocorreu no hospital (56,3%) e em via pública (32,5%). A variação entre 2005 e 2017 foi de 35,1% para os óbitos totais, de 11,9% para os pedestres, e houve um decréscimo de 63,5% para outros meios de transporte. <strong>Conclusão:</strong> Este estudo pode orientar a implantação de intervenções que priorizem a população exposta à maior risco de óbitos. Torna-se importante a regulamentação da segurança no trânsito em relação à fiscalização, medidas de penalização e fortalecimento dos órgãos gestores de segurança no trânsito.</p> 2020-12-23T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde/Brazilian Journal of Health Research https://portaldepublicacoes.ufes.br/rbps/article/view/30434 Aplicabilidade de ferramentas de abordagem familiar: promoção do autocuidado, reinserção social e vivência de luto por paciente idoso 2020-07-22T12:23:42+00:00 Samuel Trezena samueltrezena@gmail.com Ana Catarina Marcena Santos anamarcena@yahoo.com.br Irenice Juliana Gonçalves Santos irenicejuliana@hotmail.com Keyla Marinho de Paiva keylamarinho@hotmail.com Luis Binício dos Reis binicioluiz@yahoo.com.br Patrícia Helena Costa Mendes patyhcmendes@yahoo.com.br <p><strong>Introdução:</strong> Um dos princípios da Atenção Primária à Saúde (APS) é a abordagem do indivíduo dentro do seu contexto familiar. Com isso, a ESF lança mão de ferramentas provenientes de áreas como a sociologia e a psicologia, tais como o genograma, ecomapa, ciclos de vida, F.I.R.O, P.R.A.C.T.I.C.E e a conferência familiar, para intervir em demandas familiares que são direcionadas ao serviço de saúde. <strong>Objetivo:</strong> Relatar a experiência de uma equipe saúde da família (eSF) com a aplicação de ferramentas de abordagem familiar no cuidado de um indivíduo idoso. <strong>Métodos:</strong> Trata-se de um trabalho de abordagem descritiva e qualitativa, do tipo relato de experiência, em que as ferramentas de abordagem familiar foram utilizadas como método de diagnóstico e intervenção para avaliação da dinâmica familiar do paciente. <strong>Relato de experiência:</strong> A.B., 81 anos, polifarmacêutico, procurou a Unidade Básica de Saúde (UBS) com queixa de pressão na cabeça. Depois de escuta por parte dos profissionais, foi percebido que os sintomas se iniciaram após a morte da companheira, há seis anos. Foi decidido utilizar as ferramentas de abordagem familiar para intervenção nos problemas identificados. Logo após análise das ferramentas, foi percebido como ações de intervenção realizar orientações quanto ao autocuidado e principalmente reiterar o sujeito quanto ao convívio social, lidando com as questões do luto e relacionamento familiar com seus filhos. <strong>Conclusão:</strong> Por meio das ferramentas de abordagem familiar, foram propostas intervenções eficazes para melhora do paciente com a utilização de recursos que incluíam não somente o cuidado clínico- médico, mas também o envolver em espaços e atividades que favoreçam a qualidade de vida.</p> 2020-12-23T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde/Brazilian Journal of Health Research https://portaldepublicacoes.ufes.br/rbps/article/view/20637 Acolhimento com classificação de risco na Estratégia Saúde da Família: implantação a partir do Arco de Maguerez 2020-07-08T19:26:24+00:00 Quiteria Larissa Teodoro Farias larissa.teodoro1996@gmail.com Samir Gabriel Vasconcelos Azevedo gabrielartpop18@gmail.com Ismael Brioso Bastos ismael.brioso@hotmail.com Amanda Caroline Pereira Vital carolline_amanda@live.com Ana Suelen Pedroza Cavalcante anasuelen15@hotmail.com Sibele Pontes Rocha sibelepontes@hotmail.com Maristela Inês Osawa Vasconcelos miosawa@gmail.com <p><strong>Introdução:</strong> O Ministério da Saúde (MS) propôs, em 2004, a implantação do Acolhimento com Avaliação e Classificação de Risco nas Unidades Básicas de Saúde (UBS). Na cidade de Sobral/Ceará, ainda há algumas unidades em processo de implantação. Visto isso, a partir da inserção no serviço de saúde do município, os discentes do curso de graduação em Enfermagem da Universidade Estadual Vale do Acaraú atuaram mediante esse enfoque.<strong> Objetivo:</strong> Relatar a experiência de acadêmicos de enfermagem no processo de implantação do Acolhimento com Avaliação e Classificação de Risco em uma UBS da cidade de Sobral/Ceará a partir do método do Arco de Maguerez. <strong>Métodos:</strong> A partir do referencial metodológico de Charles Maguerez, foram realizadas com os profissionais da unidade as seguintes etapas propostas: observação da realidade, a identificação dos pontos-chave, a teorização, o levantamento das hipóteses de solução e a aplicação à realidade.<strong> Resultados:</strong> Na observação da realidade, foi possível perceber que a forma de acolher os usuários adotada pela unidade resultava em extensas filas de espera e conflitos. Partindo da investigação dos pontos-chave, foram organizadas oficinas de alinhamento teórico-reflexivo com cada classe de profissionais da unidade, resultando na etapa da teorização e concomitante a esta, no decorrer das oficinas de alinhamento foram levantadas dos profissionais hipóteses de solução, sendo por fim modificada a realidade a partir da implantação do Acolhimento com Avaliação e Classificação de Risco. <strong>Conclusão:</strong> A intervenção foi importante para expor a realidade do serviço com suas deficiências e propor estratégias de melhorias a partir da formação dos profissionais envolvidos no uso de metodologias que permitissem sua atuação conjunta, obtendo-se assim melhora dos atendimentos realizados pela equipe de saúde e processos de trabalho.</p> 2020-12-23T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde/Brazilian Journal of Health Research https://portaldepublicacoes.ufes.br/rbps/article/view/33685 O papel da Educação Permanente em Saúde na Atenção Primária e a pandemia de COVID-19 2020-12-21T19:24:15+00:00 Carolina Dutra Degli Esposti carolinaesposti@gmail.com Lorena Ferreira lorenaferreira9290@gmail.com Ana Rosa Murad Szpilman szpanarm@gmail.com Marly Marques da Cruz marlycruz12@gmail.com <p>Editorial.</p> 2020-12-23T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020