Caracterização dos óbitos por acidente de transporte terrestre em um município de Goiás

Autores

  • Gabriela Camargo Tobias Diretora da Vigilância em Saúde de Senador Canedo.
  • Thiago dos Santos Souza Enfermeiro. Especialista em Enfermagem do Trabalho.
  • Cristiane Chagas Teixeira Doutoranda em Enfermagem. Universidade Federal de Goiás.

DOI:

https://doi.org/10.21722/rbps.v22i1.27656

Palavras-chave:

Acidentes de Trânsito, Mortalidade, Morbidade

Resumo

Introdução: As lesões decorrentes de acidente de transporte terrestre configuram-se como um problema de saúde pública, nos países de média e alta renda. Objetivo: descrever os óbitos por acidente de transporte terrestre no município de Senador Canedo, no período de 2005 a 2017. Métodos: Estudo descritivo, de base populacional. A população compreendeu todas as vítimas de acidente de transporte terrestre que foram a óbitos no período de 2005 a 2017. Foram incluídos faixa etária do óbito, sexo, local de ocorrência do óbito, raça/cor, escolaridade, estado civil e endereço de ocorrência e causas básicas de óbito. Realizada análise descritiva. Resultados: Foram encontrados 323 óbitos, a maioria sexo masculino, faixa etária entre 20 a 29 anos (26,6%) e 30 a 39 anos (25,1%), raça cor parda (66,3%), estado civil solteiro (43,7%). A variável escolaridade foi preenchida como ignorada para a maioria dos óbitos (41,5%), seguida por 4 a 7 anos de estudo (18,6%). Quanto ao local de ocorrência do óbito, a maioria ocorreu no hospital (56,3%) e em via pública (32,5%). A variação entre 2005 e 2017 foi de 35,1% para os óbitos totais, de 11,9% para os pedestres, e houve um decréscimo de 63,5% para outros meios de transporte. Conclusão: Este estudo pode orientar a implantação de intervenções que priorizem a população exposta à maior risco de óbitos. Torna-se importante a regulamentação da segurança no trânsito em relação à fiscalização, medidas de penalização e fortalecimento dos órgãos gestores de segurança no trânsito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Camargo Tobias, Diretora da Vigilância em Saúde de Senador Canedo.

Doutora em Epidemiologia pelo Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública. Diretora da Vigilância em Saúde de Senador Canedo. E-mail: gabicamargo22@gmail.com

Thiago dos Santos Souza, Enfermeiro. Especialista em Enfermagem do Trabalho.

Enfermeiro. Especialista em Enfermagem do Trabalho.

Cristiane Chagas Teixeira, Doutoranda em Enfermagem. Universidade Federal de Goiás.

Doutoranda em Enfermagem. Universidade Federal de Goiás.

Referências

Costa MC, Silva EB, Jahn AC, Resta DG, Colomé ICS, De Carli R. Processo de trabalho dos Agentes Comunitários de Saúde: possibilidades e limites. Rev. gaúch. enferm. 2012; 33(3):134-40.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria Executiva. Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Brasília: Ministério da Saúde; 2001.

Brasil. Lei n. 10.507, de 10 de Julho de 2002. Cria a profissão de Agente Comunitário de Saúde e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União; 2002.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. 4. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2007.

Alencar OM, Heukelbach J, Pereira TM, Barbosa JC. Trabalho do Agente Comunitário de Saúde no controle da hanseníase. Rev. RENE. 2012; 13(1):103-13.

Peres CRFB, Júnior ALC, Silva RF, Marin MJS. O Agente Comunitário de Saúde frente ao processo de trabalho em equipe: facilidades e dificuldades. Rev. Esc. Enferm. USP. 2011; 45(4):899-905.

Lanzoni GMM, Cechinel C, Meirelles BHS. Community Health Agents: strategies and consequences of their network of relationships and interactions. Rev. RENE. 2014; 15(1):123-31.

Nunes JM, Oliveira EN, Machado MFAS, Costa PNP, Vieira NFC. A participação de Agentes Comunitários de Saúde em grupo de Educação em Saúde. Rev. RENE. 2012; 13(5):1084-91.

Alves VS. Um modelo de educação em saúde para o Programa Saúde da Família: pela integralidade da atenção e reorientação do modelo assistencial. Interface comun. saúde educ. 2005; 9(16):39-52.

Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & contexto enferm. 2008; 17(4):758-64.

Melnyk BM, Fineout-Overholt E. Making the case for evidence-based practice. In: Melnyk BM, Fineout-Overholt E. Evidence-based practice in nursing & healthcare: a guide to best practice. Philadelphia: Lippincot Williams & Wilkins; 2011.

Mialhe FL, Lefèvre F, Lefèvre AMC. O Agente Comunitário de Saúde e suas práticas educativas em saúde bucal: uma avaliação qualiquantitativa. Ciênc. saúde coletiva. 2011; 16(11):4425-32.

Pedraza DF, Rocha ACD, Sales MC. O trabalho educativo do Agente Comunitário de Saúde nas visitas domiciliares em dois municípios do Brasil. Trab. educ. saúde. 2016; 14(1):105-17.

Venancio EQ, Paula EMQV, Reis CB. Oral health care: the knowledge and work of the Community Health Agent. Rev. odontol. UNESP. 2014; 43(2):124-30.

Gomes KO, Cotta RMM, Cherchiglia ML, Mitre SM, Batista RS. A Práxis do Agente Comunitário de Saúde no Contexto do Programa Saúde da Família: reflexões estratégicas. Saúde Soc. 2009; 18(4):744-55.

Trapé CA, Soares CB. A prática educativa dos agentes comunitários de saúde à luz da categoria práxis. Rev. latinoam. enferm. 2007; 15(1):142-49.

Peixoto HMC, Lopes VC, Ferreira TN, Rocha RG, Silva PLN. Percepção do Agente Comunitário de Saúde sobre educação em saúde em uma unidade básica. Rev. enferm. Cent.-Oeste Min. 2015; 5(3):1784-93.

Costa SM, Araújo FF, Martins LV, Nobre LLR, Araújo FM, Rodrigues CAQ. Agente Comunitário de Saúde: elemento nuclear das ações em saúde. Ciênc. saúde coletiva. 2013; 18(7):2147-56.

Filgueiras AS, Silva ALA. Agente Comunitário de Saúde: um novo ator no cenário da saúde do Brasil. Physis. 2011; 21(3):899-915.

Zanchetta MS, Leite LC, Perreault M, Lefebvre H. Educação, crescimento e fortalecimento profissional do Agente Comunitário de Saúde - estudo etnográfico. Online braz. j. nurs. 2005;4(3).

Lima CAB, Santos ALP, Gonçalves AM, Teixeira E, Medeiros HP. Representações sociais sobre educação em saúde de Agentes Comunitários: pistas para educação permanente. Cogitare enferm. 2012; 17(1):15-20.

Ferraz L, Aerts DRGC. O cotidiano de trabalho do Agente Comunitário de Saúde no PSF em Porto Alegre. Ciênc. saúde coletiva. 2005; 10(2): 347-55.

Araújo MRN, Assunção RS. A atuação do Agente Comunitário de Saúde na promoção da saúde e na prevenção de doenças. Rev. bras. enferm. 2004; 57(1):19-25.

Maciazeki-Gomes RC, Souza CD, Baggio L, Wachs F. O trabalho do agente comunitário de saúde na perspectiva da educação popular em saúde: possibilidades e desafios. Ciênc. saúde coletiva. 2016; 21(5):1637-46.

Gazzinelli MFC, Marques RC, Oliveira DC, Amorim MMA, Araujo EG. Representações sociais da educação em saúde pelos profissionais da equipe de Saúde da Família. Trab. educ. saúde. 2013; 11(3): 553-71.

Silva TL, Dias EC, Ribeiro ECO. Saberes e práticas do agente comunitário de saúde na atenção à saúde do trabalhador. Interface Comunicação Saúde Educação. Interface comun. saúde educ. 2011; 15(38):859-70.

Downloads

Publicado

2020-12-23

Como Citar

Tobias, G. C., Souza, T. dos S., & Teixeira, C. C. (2020). Caracterização dos óbitos por acidente de transporte terrestre em um município de Goiás. Revista Brasileira De Pesquisa Em Saúde/Brazilian Journal of Health Research, 22(1), 89–97. https://doi.org/10.21722/rbps.v22i1.27656

Edição

Seção

Artigos originais