Tendência da mortalidade infantil e de seus componentes no estado do Espírito Santo de 2006 a 2016

Autores

  • Luiza Braun Lirio Nascimento Universidade Vila Velha
  • Tayná Marquezini de Souza Melo Universidade Vila Velha
  • Wanêssa Lacerda Poton Centro Universitário Vila Velha Secretaria Estadual de Saúde https://orcid.org/0000-0001-5849-0653

DOI:

https://doi.org/10.21722/rbps.v22i1.21826

Palavras-chave:

Mortalidade infantil, Saúde da criança, Indicadores de serviços

Resumo

Introdução: A morte infantil é um evento indesejável em saúde pública, por ser, em sua maioria, evitável e, portanto, reflete as condições de vida da sociedade. Este estudo analisou a tendência temporal da mortalidade infantil e de seus componentes no Espírito Santo e regiões de saúde. Métodos: Estudo ecológico, de série temporal, da mortalidade infantil no Espírito Santo e regiões de saúde utilizando dados do Sistema de Informação de Mortalidade (SIM), no período de 2006 a 2016. Os coeficientes de mortalidade (infantil, neonatal, neonatal precoce, neonatal tardio, pós-neonatal e perinatal) foram calculados utilizando-se os óbitos de crianças por ano segundo local de residência, dividido pelos nascidos vivos do mesmo local e ano. Para avaliação da tendência temporal utilizou-se regressão linear. Resultados: A mortalidade infantil apresentou queda significativa em todas as regiões de saúde, com redução maior nas regiões Norte e Sul e menor na Metropolitana. Entretanto, a mortalidade entre o 7o e 27o dia de vida aumentou nas regiões de saúde Norte e Central. A mortalidade infantil foi a que apresentou maior redução, seguida da mortalidade perinatal, neonatal, neonatal precoce, pós-neonatal e neonatal tardia. Conclusão: Houve redução na mortalidade infantil no ES e regiões de saúde no período de 2006 a 2016, sendo maior no componente perinatal e neonatal precoce. A mortalidade neonatal tardia aumentou nas regiões Norte e Central, demonstrando necessidade de aperfeiçoamento das políticas públicas para o acompanhamento rigoroso e eficaz da criança no primeiro mês de vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiza Braun Lirio Nascimento, Universidade Vila Velha

Universidade Vila Velha (UVV). Vila Velha/ES, Brasil.

Tayná Marquezini de Souza Melo, Universidade Vila Velha

Universidade Vila Velha (UVV). Vila Velha/ES, Brasil.

Wanêssa Lacerda Poton, Centro Universitário Vila Velha Secretaria Estadual de Saúde

Universidade Vila Velha (UVV). Vila Velha/ES, Brasil.

Referências

1. Franca EB, Lansky S, Rego MAS, Malta DC, França JS, Teixeira R, et al. Principais causas da mortalidade na infância no Brasil, em 1990 e 2015: estimativas do estudo de Carga Global de Doença. Rev bras epidemiol [online] 2017; 20 (suppl.1): 46-60. DOI: 10.1590/1980-5497201700050005
2. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). Objetivos de desenvolvimento do milênio: relatório nacional de acompanhamento. Brasília: Ipea; 2010.
3. Espírito Santo (Estado). Secretaria de Estado da Saúde. GEPDI/NASTS. Indicadores de Saúde: Espírito Santo 2014. Vitória: SESA; 2014.
4. Paixão NA, Ferreira T. Determinantes da mortalidade infantil no Brasil. Informe Gepec 2012; 16(2): 6-20.
5. Brasil (BR). Ministério da Saúde. Manual de vigilância do óbito infantil e fetal e do comitê de prevenção do óbito infantil e fetal. 1st ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.
6. Nicholls SG, Quach P, von Elm E, Guttman A, Moher D. The REporting of Studies Conducted Using Observational Routinely-Collected Health Data (RECORD) Statement: Methods for Arriving at Consensus and Developing Reporting Guidelines. PLoS ONE. 2015; 10(5): e0125620. DOI: 10.1371/journal.pone.0125620
7. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. Tábua completa de mortalidade para o Brasil – 2016: breve análise da evolução da mortalidade no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2017.
8. Tomasi E, Fernandes PAA, Fischer T, Siqueira FCV, Silveira DS, Thumé E, et al . Qualidade da atenção pré-natal na rede básica de saúde do Brasil: indicadores e desigualdades sociais. Cad. Saúde Pública [Internet] 2017; 33(3): e00195815. DOI: 10.1590/0102-311X00195815
9. Rasella D, Aquino R, Santos CAT, Paes-Sousa R, Barreto ML. Effect of a conditional cash transfer program on childhood mortality: a nationwide analysis of Brazilian municipalities. The Lancet 2013; 382(9886): 57-64. DOI: 10.1016/S0140-6736(13)60715-1
10. Lansky S, Friche AAL, Silva AAM, Campos D, Bittencourt SDA, Carvalho ML, et al. Pesquisa Nascer no Brasil: perfil da mortalidade neonatal e avaliação da assistência à gestante e ao recém-nascido. Cad. Saúde Pública [Internet] 2014; 30(Suppl1): S192-S207. DOI: 10.1590/0102-311X00133213
11. Gaíva AM, Bittencourt RM, Fujimori E. Óbito neonatal precoce e tardio: perfil das mães e dos recém-nascidos. Rev Gaucha Enferm 2013; 34(4): 91-97. DOI: 10.1590/S1983-14472013000400012
12. Victora CG, Barros AJ. Socioeconomic inequalities in neonatal mortality are falling: but why? Lancet Glob Health 2014; 2(3): e122-3. DOI: 10.1016/S2214-109X(14)70024-5
13. World Health Organization (WHO). WHO recommendations on postnatal care of the mother and newborn. Geneva: WHO; 2013. 

14. Brasil (BR). Ministério da Saúde. Portaria No. 1.459 (Jun. 24, 2011) [cited 2018 Set 29]. Available from: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1459_24_06_2011.html.
15. Martinelli KG, Neto ETS, Gama SGN, Oliveira AE. Adequação do processo da assistência pré-natal segundo os critérios do Programa de Humanização do Pré-natal e Nascimento e Rede Cegonha. Rev Bras Ginecol Obstet 2014; 36(2): 56-64. DOI: 10.1590/S0100-72032014000200003

Downloads

Publicado

2020-12-23

Como Citar

Nascimento, L. B. L., Melo, T. M. de S., & Poton, W. L. (2020). Tendência da mortalidade infantil e de seus componentes no estado do Espírito Santo de 2006 a 2016. Revista Brasileira De Pesquisa Em Saúde/Brazilian Journal of Health Research, 22(1), 71–78. https://doi.org/10.21722/rbps.v22i1.21826

Edição

Seção

Artigos originais