Percepção de estudantes de Enfermagem sobre os sentidos e significados do trabalho gerencial do enfermeiro

Autores

  • Mariana de Oliveira Araujo Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS)
  • Sabrina Nunes dos Santos
  • Nildo Batista Mascarenhas
  • Taciane Oliveira Bet Freitas

DOI:

https://doi.org/10.21722/rbps.v22i1.21469

Palavras-chave:

Administração de Serviços de Saúde, Enfermeiro, Assistência à Saúde

Resumo

Introdução: A função gerencial integra o processo de trabalho do enfermeiro nos vários níveis de atenção à saúde e busca garantir a realização de uma assistência de qualidade e eficiente, sendo necessário para a sua execução conhecimento técnico e científico. Objetivos: Compreender a percepção de estudantes de enfermagem sobre os sentidos e significados do trabalho gerencial do enfermeiro e identificar a(s) dificuldade(s) e/ou facilidade(s) na execução do trabalho gerencial do enfermeiro na percepção de discentes de enfermagem. Métodos: Trata-se de uma pesquisa qualitativa, na qual a coleta de dados foi realizada através da técnica da entrevista semiestruturada e teve como participantes dez estudantes de enfermagem. Para análise dos dados, foi utilizada a Técnica de Análise de Conteúdo. Resultados: O trabalho gerencial do enfermeiro relaciona-se à organização do trabalho e do serviço de saúde e ao planejamento das atividades prestadas. No desenvolvimento do trabalho gerencial, os estudantes identificaram como facilidades a capacitação profissional, o trabalho em equipe e o diálogo. Como dificuldades, citou-se o desafio do enfermeiro em realizar a associação do trabalho assistencial e gerencial, a sobrecarga de trabalho, a relação de liderança sobre a equipe e a falta de recursos materiais. Conclusão: A articulação entre o trabalho gerencial e o assistencial deve ser enfatizada e construída no cotidiano do trabalho, dado que ambos constituem o trabalho do enfermeiro no Brasil e valorizam essa profissão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana de Oliveira Araujo, Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS)

Professora Assistente do Colegiado de Enfernagem da UEFS, Departamento de Saúde, Área Gestão Hospitalar, Mestre em Saúde Coletiva, Doutoranda em Saúde Coletiva

Referências

1. Paula M, Peres AM, Bernardino E, Eduardo EA, Macagi STS. Processo de trabalho e competências gerenciais do enfermeiro da estratégia saúde da família. Rev. RENE. 2013; 14 (5):980-987. Disponível em: <http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=324028789015>. Acesso em: 05 set 16.

2. Cofen, Conselho Federal de Enfermagem. Resolução Nº 0509/2016. Atualiza a norma técnica para Anotação de Responsabilidade Técnica pelo Serviço de Enfermagem e define as atribuições do enfermeiro Responsável Técnico. Disponível em: <http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no-05092016-2_39205.html>. Acesso em: 02 set 16.

3. Almeida ML, Peres AM, Bernardino E, Santos MF. Egressos de uma universidade pública e perspectivas de atuação no gerenciamento em enfermagem. Rev. Rene (online).2014; 15(6):933-941. Disponível em: <http://www.revistarene.ufc.br/revista/indexphp/revista/article/download/1806/pdf>. Acesso em: 05 set 16.

4. Oliveira AP. Gerenciamento em enfermagem: percepção dos enfermeiros recém-egressos da UFRGS. Monografia (Graduação em Enfermagem). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2011. Disponível em: <http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/35950>. Acesso em: 06 out 16.

5. Santos JLG, Prochnow AG, Silva DC, Silva RM, Leite JL, Erdmann AL. Prazer e sofrimento no exercício gerencial do enfermeiro no contexto hospitalar. Esc. Anna Nery Rev. Enferm. 2013;17(1):97-103. Disponível em: <http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=127728366014>. Acesso em: 19 mar 2018.

6. Zambiazi BRB, Costa AM. Gerenciamento de enfermagem em unidade de emergência: dificuldades e desafios. Rev. Adm. Saúde. 2014;15(61):169-76. Disponível em: <https://www.researchgate.net/profile/Milena_Sousa/publication/286084430>. Acesso em: 15 mar 2018.

7. Senna MH, Drago LC, Kirchner AR, Santos JLG, Erdmann AL, Andrade SR. Significados da gerência do cuidado construídos ao longo da formação profissional do enfermeiro. Rev. Rene. 2014; 15(2):196-205. Disponível em: <http://www.periodicos.ufc.br/index.php/rene/article/viewFile/3120/2394>. Acesso em: 05 set 16.

8. Brasil. Lei 7498 de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da enfermagem e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L7498.htm >. Acesso em: 28 jul 2018.

9. Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES Nº 3, de 7 de novembro de 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Enfermagem. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES03.pdf >. Acesso em: 28 jul 2018.

10. Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12. ed. São Paulo: Hucitec; 2010.

11. Minayo MCS. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 29. ed. Petrópolis, RJ: Vozes; 2010.

12. Giordani JN, Bastos CBS, Anacleto SLA. Percepção dos enfermeiros frente às atividades gerenciais na assistência ao usuário. Acta Paulista de Enfermagem. 2012;25(4):511-516. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002012000400005>. Acesso em: 19 mar 2018.

13. Caveião C, Hey AP, Montezeli JH. Administração Em Enfermagem: Um Olhar Na Perspectiva Do Pensamento Complexo. Rev. Enferm. da UFSM. 2013;3(1):79-85. Disponível em: <https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/7176/pdf>. Acesso em: 12 mar 2018.

14. Dellaroza MSG, Tada CN, Haddad MCL, Vannuchi MTO, Mazieiro VG. O ensino de gerência em enfermagem na graduação: uma revisão integrativa. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde. 2015;36(1):149-158. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/seminabio/article/view/19229/16949>. Acesso em: 07 dez 2017.

15. Santos JLG, Lima PAG, Schlindwein P, Meirelles H, Lorenzini B, Alacoque E. Práticas de enfermeiros na gerência do cuidado em enfermagem e saúde: revisão integrativa. Rev. Bras. Enferm. 2013b;66(2): 257-263. Disponível em: <http://www.redalyc.org/artigo.oa?id=267028666016>. Acesso em: 22 fev 2018.

16. Fagundes NC, Melo CMM, Lima FRO, Costa HOG, Mascarenhas NB, Carneiro TM et al. Análise do trabalho e do processo de educação permanente da enfermeira no contexto do SUS. 2012. Disponível em: <https://blog.ufba.br/grupogerirenfermagem/files/2011/07/SUMARIO-EXECUTIVO-TEPSUS1.pdf>. Acesso em: 24 set 2018.

17. Santos TA. O valor da força de trabalho da enfermeira [dissertação]. Salvador (BA): Universidade Federal da Bahia; 2012. Disponível em: <https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/16495>. Acesso em: 24 set 2018.

18. Deckman LR, Deon SMP, Silva EF, Lorenzini E. Competência gerencial na enfermagem: uma revisão integrativa. Rev. Eletr. Gestão & Saúde. 2013;4(2):2261-2272. Disponível em: <http://periodicos.unb.br/index.php/rgs/article/view/22952/16475>. Acesso em: 22 mar 2018.

19. Soares MI, Camelo SHH, Resck ZMR, Terra FS. Saberes gerenciais do enfermeiro no contexto hospitalar. Rev. Bras. Enferm. 2016;69(4):676-683. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2016690409i>. Acesso em: 19 mar 2018.

20. Oliveira LFE, Carneiro AFS, Lopes OL, Queiroz JC, Carneiro AVR. A gerência do enfermeiro na estratégia saúde da família. Rev. RENE. 2012;13(4): 834-844. Disponível em: <www.revistarene.ufc.br/revista/index.php/revista/article/download/>. Acesso em: 02 mar 2018.

21. Amestoy SC, Backes VMS, Thofehrn MB, Martini JG, Meirelles BHS, Trindade LL. Gerenciamento de conflitos: desafios vivenciados pelos enfermeiros-líderes no ambiente hospitalar. Rev. Gaúcha Enferm. 2014;35(2):79-85. Disponível em: <http://www.seer.ufrgs.br/index.php/RevistaGauchadeEnfermagem/article/view/40155/29928>. Acesso em: 05 mar 2018.

22. Eduardo EA, Peres AM, Almeida ML, Roglio KD, Bernardino E. Análise de modelo de tomada de decisão de enfermeiros gerentes: uma reflexão coletiva. Rev. Bras. Enferm. 2015;68(4): 668-75. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/reben/v68n4/0034-7167-reben-68-04-0668.pdf>. Acesso em: 09 jul 2018.

23. Lanzoni GMM, Meirelles BHS. Liderança do enfermeiro: elemento interveniente na rede de relações do agente comunitário de saúde. Rev. Bras. Enferm. 2013;66(4): 557-563. Disponível em: <http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=267028668014>. Acesso em: 15 mar 2018.

24. Lima RS, Dázio EMR, Rosado SR, Lourenço EB. Dificuldades e facilidades no gerenciamento de enfermagem no hospital na perspectiva do enfermeiro. Rev. Enferm. UFPE. 2014;8(12):4253-4260.Disponível em: <https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/10171/10707>. Acesso em: 15 mar 2018.

25. Guerra ST, Prochnow AG, Trevizan MA, Guido LA. O conflito no exercício gerencial do enfermeiro no âmbito hospitalar. Rev. Latino-Am. Enferm. 2011; 19(2):[08 telas] Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rlae/v19n2/pt_19.pdf>. Acesso em: 09 jul 2018

26. Gil RB, Chaves LDP, Laus, AM. Gerenciamento de recursos materiais com
enfoque na queixa técnica. Rev. Eletr. Enferm. 2015;17(1):100-107. Disponível em: <https://www.revistas.ufg.br/fen/article/view/27544/18951>. Acesso em: 04 abr. 2018.

27. Araújo SM. Da precarização do trabalhador portuário avulso a uma teoria da precariedade do trabalho. Sociedade e Estado. 2013;28(3):565-586. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69922013000300006>. Acesso em: 17 abr 2018.

Downloads

Publicado

2020-12-23

Como Citar

Araujo, M. de O., Nunes dos Santos, S. ., Batista Mascarenhas, N. ., & Oliveira Bet Freitas, T. . (2020). Percepção de estudantes de Enfermagem sobre os sentidos e significados do trabalho gerencial do enfermeiro. Revista Brasileira De Pesquisa Em Saúde/Brazilian Journal of Health Research, 22(1), 35–42. https://doi.org/10.21722/rbps.v22i1.21469

Edição

Seção

Artigos originais