Acolhimento com classificação de risco na Estratégia Saúde da Família: implantação a partir do Arco de Maguerez

Autores

  • Quiteria Larissa Teodoro Farias Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA)
  • Samir Gabriel Vasconcelos Azevedo Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA)
  • Ismael Brioso Bastos Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA).
  • Amanda Caroline Pereira Vital Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA).
  • Ana Suelen Pedroza Cavalcante Escola de Formação em Saúde da Família Visconde de Sabóia (EFSFVS)
  • Sibele Pontes Rocha Universidade Federal do Ceará (UFC)
  • Maristela Inês Osawa Vasconcelos Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA)

DOI:

https://doi.org/10.21722/rbps.v22i1.20637

Palavras-chave:

Atenção Primária à Saúde, Estratégia Saúde da Família, Acolhimento

Resumo

Introdução: O Ministério da Saúde (MS) propôs, em 2004, a implantação do Acolhimento com Avaliação e Classificação de Risco nas Unidades Básicas de Saúde (UBS). Na cidade de Sobral/Ceará, ainda há algumas unidades em processo de implantação. Visto isso, a partir da inserção no serviço de saúde do município, os discentes do curso de graduação em Enfermagem da Universidade Estadual Vale do Acaraú atuaram mediante esse enfoque. Objetivo: Relatar a experiência de acadêmicos de enfermagem no processo de implantação do Acolhimento com Avaliação e Classificação de Risco em uma UBS da cidade de Sobral/Ceará a partir do método do Arco de Maguerez. Métodos: A partir do referencial metodológico de Charles Maguerez, foram realizadas com os profissionais da unidade as seguintes etapas propostas: observação da realidade, a identificação dos pontos-chave, a teorização, o levantamento das hipóteses de solução e a aplicação à realidade. Resultados: Na observação da realidade, foi possível perceber que a forma de acolher os usuários adotada pela unidade resultava em extensas filas de espera e conflitos. Partindo da investigação dos pontos-chave, foram organizadas oficinas de alinhamento teórico-reflexivo com cada classe de profissionais da unidade, resultando na etapa da teorização e concomitante a esta, no decorrer das oficinas de alinhamento foram levantadas dos profissionais hipóteses de solução, sendo por fim modificada a realidade a partir da implantação do Acolhimento com Avaliação e Classificação de Risco. Conclusão: A intervenção foi importante para expor a realidade do serviço com suas deficiências e propor estratégias de melhorias a partir da formação dos profissionais envolvidos no uso de metodologias que permitissem sua atuação conjunta, obtendo-se assim melhora dos atendimentos realizados pela equipe de saúde e processos de trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Quiteria Larissa Teodoro Farias, Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA)

Acadêmica de enfermagem da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA). Membro do Laboratório da Pesquisa Social, Educação Transformadora e Saúde Coletiva (LABSUS). Bolsista de Iniciação Tecnológica do CNPq.

Samir Gabriel Vasconcelos Azevedo, Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA)

Acadêmico de enfermagem da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA). Membro do Grupo de Políticas, Cuidado e Tecnologias em Saúde às Populações Vulneráveis (GEVS). Bolsista de Iniciação Científica do CNPq.

Ismael Brioso Bastos, Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA).

Acadêmico de enfermagem da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA). Membro do Grupo de Estudos de Cuidados de Enfermagem na Saúde do Adulto (GECESA).

Amanda Caroline Pereira Vital, Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA).

Acadêmica de enfermagem da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA). Membro do Laboratório de Pesquisa Social, Educação Transformadora e Saúde Coletiva (LABSUS). Bolsista pelo Programa de Pesquisas para o SUS (PPSUS).

Ana Suelen Pedroza Cavalcante, Escola de Formação em Saúde da Família Visconde de Sabóia (EFSFVS)

Enfermeira. Graduada pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA). Especialista em Gestão da Saúde e Auditoria pela Faculdade Padre Dourado. Mestre em Saúde da Família pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Docente da Escola de Formação em Saúde da Família Visconde de Sabóia (EFSFVS). Membro do Laboratório de Pesquisa Social, Educação Transformadora e Saúde Coletiva (LABSUS).

Sibele Pontes Rocha, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Enfermeira. Graduada pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA). Mestranda em Saúde da Família pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Docente do curso de enfermagem da faculdade Ieducare (FIED). Membro do Laboratório de Pesquisa Social, Educação Transformadora e Saúde Coletiva (LABSUS).

Maristela Inês Osawa Vasconcelos, Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA)

Enfermeira. Graduada pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Doutora em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Docente do curso de graduação em enfermagem da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA) e do Mestrado Profissional em Saúde da Família (RENASF/UVA). Vice-líder do Laboratório de Pesquisa Social, Educação Transformadora e Saúde Coletiva (LABSUS).

Referências

1. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Acolhimento à demanda espontânea : queixas mais comuns na Atenção Básica / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília : Ministério da Saúde, 2012.
2. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização Acolhimento com Avaliação e Classificação de Risco. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.
3. Bartel TE, et al. Dialogando sobre serviços de saúde a partir da implantação do acolhimento com avaliação e classificação de risco: relato de experiência. Revista Baiana de Saúde Pública. v.39, n.1, p.164-173. jan./mar. 2015.
4. Bordenave JD, Pereira AMP. Estratégias de ensino-aprendizagem. 25a ed. Rio de Janeiro: Vozes; 2004.
5. Andrea AC, Neusi ANB. A Metodologia da Problematização com o Arco de Maguerez e sua relação com os saberes de professores.Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 28, n. 2, p. 121-146, jul./dez. 2007.
6. Marta LP, Manuela BV, Daniela SE, Sandra HS, Vânia MSB. Arco
de Charles Maguerez: refletindo estratégias de metodologia ativa na formação de profissionais de saúde. Esc. Anna Nery vol.16 no.1 Rio de Janeiro Mar. 2012.
7. Brasil. Acolhimento à demanda espontânea : queixas mais comuns na Atenção Básica (Cadernos de Atenção Básica n. 28, Volume II). Brasília: Ministério da Saúde. 290p. 2012.
8. Scholze AS. Acolhimento com classificação de risco para a Estratégia Saúde da Família: a prática em uma unidade docente-assistencial. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, v. 9, n. 31, p. 219-226, 2013.
9. Guimarães DA, Oliveira CAM, Lima RA, Silva LC, Avelar CRT, Gama CAP. Formação em saúde e extensão universitária: discutindo sexualidade e prevenção de IST/aids. Rev. Bras. Pesq. Saúde. Vol.19, no.2, p. 124-132. Vitória. Abr-jun, 2017.
10. Oliveira GN, Campanharo CRV, Okuno MFP, Batista REA. Acolhimento com avaliação e classificação de risco: concordância entre os enfermeiros e o protocolo institucional. Rev. Latino-Am. Enfermagem. Vol. 21, no.2, p:07 telas, 2013.
11. Bender KB, Santos AC, Dutra BD, Alves LMS, Assunção AN, Krug SBF. Condições e modificações no processo de trabalho: concepções de Agentes Comunitários de Saúde. Revista Jovens Pesquisadores. V.6, n. 2, p. 45-59. Santa Cruz do Sul, 2016.
12. Rossato K, Real VR, Oliveira GB, Araújo CDC. Acolhimento com classificação de risco na estratégia saúde da família: percepção da equipe de enfermagem. Rev Enferm UFSM 2018 Jan./Mar.;8(1): 144-156.
13. Heloisa CT, Renata BL. Oficinas de formação de profissionais da Equipe Saúde da Família para a gestão do acolhimento com classificação de risco. Ciencia y enfermeria XVI (2): 107-113,2010.

Downloads

Publicado

2020-12-23

Como Citar

Farias, Q. L. T., Azevedo, S. G. V., Bastos, I. B., Vital, A. C. P., Cavalcante, A. S. P., Rocha, S. P., & Vasconcelos, M. I. O. (2020). Acolhimento com classificação de risco na Estratégia Saúde da Família: implantação a partir do Arco de Maguerez. Revista Brasileira De Pesquisa Em Saúde/Brazilian Journal of Health Research, 22(1), 106–112. https://doi.org/10.21722/rbps.v22i1.20637

Edição

Seção

Relatos de experiência