Arte contemporânea na Educação Infantil

um relato de experiência

Autores

  • Aline Mattos de Souza Universidade Federal do Espírito Santo

Palavras-chave:

Educação Infantil, Arte Contemporânea, Experimentação

Resumo

A arte contemporânea cada vez mais vem ganhando espaço dentro da Educação, principalmente, na Educação Infantil, pois, por meio de imagens, das obras e dos objetos dos artistas contemporâneos é possível desenvolver com as crianças experiências corporais, motoras, sensoriais (estésicas), estéticas, afetivas, cognitivas, sociais e culturais. Diante do exposto, o presente trabalho refere-se a uma experiência vivenciada a partir da disciplina Estágio Curricular Supervisionado do Ensino da Arte na Educação Infantil, na Universidade Federal do Espírito Santo — UFES. A pesquisa teve como lócus um Centro Municipal de Educação Infantil — CMEI, localizado no município de Vitória/ES, e, como objetivo, explorar a arte contemporânea por meio de experimentações e de diferentes materiais, incentivando a ludicidade e a criatividade performática das crianças. A metodologia de pesquisa utilizada foi a qualitativa e lançou mão da participação dos envolvidos, a criança e o professor, que dialogaram tanto no espaço externo da escola, quanto dentro do laboratório de artes. O projeto pedagógico teve como tema “O que cabe no meu mundo? O encanto e encontro com a arte da Lygia Clark” e contou com a participação de 18 crianças de 5 anos de idade. Como resultado, observamos a interatividade das crianças com o objeto e o espaço, além do brincar entre elas. A experimentação proposta alcançou todas as expectativas, ou seja, as crianças, brincando, aprenderam novos conceitos voltados para a arte, assim, vivenciaram, perceberam, sentiram e visualizaram o espaço ao entorno delas de uma forma lúdica, sensível e criativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASSOCIAÇÃO CULTURAL LYGIA CLARK. O mundo de Lygia Clark. Disponível em:[http://www.lygiaclark.org.br]. Acesso em: 22 de jul. de 2021.

BONDÍA, J. L. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Tradução de João Wanderley Geraldi, Unicamp, Departamento de Linguística, 2002.

BRASIL. Resolução CNE/CEB nº 5, de 17 de dezembro de 2009. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Diário Oficial da União, Brasília, 18 dez. 2009a.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Terceira versão. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 13 de jun. 2021.

BRITO, R. Neocroncretismo: vértice e ruptura do projeto construtivo brasileiro. São Paulo: Cosar & Naify, 1999.

CONCCHIARALE, F. Quem tem medo da arte contemporânea? Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2006.

DANTO, A. C. Após o fim da arte – A arte contemporânea e os limites da história. São Paulo: Odysseus Editora, 2006.

GÓES, M. S.; LACERDA, F. Processos Criativos: recorte e colagem como vetores de experiência para a elaboração de novas paisagens. Revista NUPEART, Florianópolis, v. 24, p. 128-149, 2020.

GÖTTEMS, C. Obras de arte propositivas e sensoriais: investigando a fruição e a experiência artístico-estética em situações de ensino e aprendizagem. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Artes Visuais), Curso de Artes Visuais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2011.

GULLAR, F,. "MANIFIESTO [NEOCONCRETO]". Vanguardia latinoamericana, Tomo VI, edited by Klaus Müller-Bergh and Gilberto Mendonça Telles, Frankfurt a. M., Madrid: Vervuert Verlagsgesellschaft, 2015, pp. 259-262. https://doi.org/10.31819/9783964564238-048

HEINICH, N. Práticas da arte contemporânea: Uma abordagem pragmática a um novo paradigma estético. Sociologia & antropologia, Rio de Janeiro, v. 04. 02, p. 373-390, 2014.

LORENZINI, M. V. Brincando a brincadeira com a criança deficiente. São Paulo: Manole. 2002.

MOURA, E. W.; SILVA, P. A. C. Aspectos Clínicos e Práticos de Reabilitação. São Paulo: Artes Médicas, 2005.

NOGUEIRA, A. C. Lygia Clark: uma experiência de arte na vida de jovens cegos. Dissertação de Mestrado em Educação, Arte e História da Cultura, São Paulo, Universidade Presbiteriana Mackenzie, 2010.

MARTINS, M. C.; PICOSQUE, G. Mediação cultural para professores andarilhos da cultura. São Paulo: Arte por escrito – Rizoma – Content Stuff, 2008.

OSTETTO, L. E. Educação infantil e arte: sentidos e práticas possíveis. (2011) Disponível em: https://acervodigital.unesp.br/bitstream/123456789/320/1/01d14t01.pdf> Acesso em 13 de novembro de 2019.

PAASCHEN, L. E. D. Corpo e sentidos: uma possibilidade de ensino da arte para bebês. In: SIE Seminário Internacional de Educação, 13, 2012. Anais v.2, 2012. Universidade Feevale – Instituto de Ciências Humanas, Letras e Artes – ICHLA, 2012. p. 1-6. Disponível em: http://aplicweb.feevale.br/site/hotsite/default.asp?intIdHotSite=153&intIdSecao=5589&intIdConteudo=51543#. Acesso em: 09 de jun. 2021.

ROCHA, J. Ensino (contemporâneo) da arte contemporânea – Similitudes e enfrentamento entre metodologia e conteúdo. In: Encontro da Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas, 27, 2018. Anais do 27˚ Encontro da Anpap. São Paulo: Universidade Estadual Paulista (UNESP), Instituto de Artes, 2018. p.2208-2223.

Downloads

Publicado

2021-12-31