Liberdade para os cachos: a linha Curly Wurly e a ruptura de padrões estéticos

Autores

  • Juliana Bellia Braga Universidade Federal do Espírito Santo
  • Flávia Mayer dos Santos Souza Universidade Federal do Espírito Santo

Palavras-chave:

Cabelo Crespo. Mulher negra. Embalagem. Publicidade. Semiótica

Resumo

Nos últimos anos, acompanha-se um movimento de valorização da estética negra e de enaltecimento dos cabelos crespos e cacheados, amplificado pelos mecanismos de interação presentes nas redes sociais digitais. Esse movimento influencia uma mudança no mercado de beleza e cosméticos que, na tentativa de se adequar às exigências do público feminino que deseja assumir seus cabelos naturais, responde com o lançamento de um quantitativo expressivo de produtos capilares destinados à mulher negra, trazendo embalagens com marcas discursivas que dão pistas de certo diálogo com o movimento de aceitação. Por meio do referencial teórico-metodológico da semiótica discursiva e da semiótica pástica, este trabalho possui como objetivo compreender quem são e como são construídas as enunciatárias inscritas nos discursos das embalagens de produtos cosméticos capilares para a mulher negra. Para isso, utiliza como corpus as embalagens da linha Curly Wurly, lançada em 2011 e reformulada em 2015 pela empresa brasileira Lola Cosmetics.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Bellia Braga, Universidade Federal do Espírito Santo

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades (Póscom) – Ufes

Flávia Mayer dos Santos Souza, Universidade Federal do Espírito Santo

Professora orientadora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades (Póscom) – Ufes

Referências

FIGUEIREDO, A.; CRUZ, C. (org.). Beleza negra: representações sobre o cabelo, o corpo e a identidade das mulheres negras. Cruz das Almas, BA: Ed. UFRB; Belo Horizonte, MG: Fino Traço, 2016.

FIORIN, José Luiz. Elementos de análise do discurso. 15. ed. São Paulo: Contexto, 2011.

GREIMAS, A. J.; COURTES, J. Dicionário de Semiótica. São Paulo: Cultrix, 1979.

JENKINS, H.; GREEN, J.; FORD, S. Cultura da Conexão: criando valor e significado por meio da mídia propagável. Tradução Patrícia Arnaud. São Paulo: Aleph, 2014.

LOLA COSMETICS. Disponível em: http://lolacosmetics.com.br/. Acesso em 23 jun. 2018.

MASSEY, L.; BENDER, M.. O manual da garota cacheada: o método curly girl. Tradução: Patrícia Azeredo. Rio de Janeiro: Best Seller, 2015.

OLIVEIRA, Ana Claudia de. As Semioses Pictóricas. In: OLIVEIRA, Ana Claudia de (Org.). Semiótica plástica. São Paulo: Hacker Editores, 2004.

Downloads

Publicado

2020-06-16