O Graffiti e as questões socioterritoriais: abrangências e exclusões na cidade

Autores

  • Penha de Fátima da Cruz de Souza Universidade Federal do Espírito Santo
  • Cláudia Maria França da Silva Universidade Federal do Espírito Santo

Palavras-chave:

Graffiti. Territorialidade. Cidade.

Resumo

Essa pesquisa tem como objetivo abordar a relação entre o graffiti e as questões socioterritoriais. Ao tratar da territorialidade no espaço urbano, faz-se necessário salientar como a distribuição dos espaços destinados à moradia vêm a afetar a vida dos habitantes, e torna-se um fator determinante na relação destes com a cidade. A partir disso, será possível levantar a interação entre a territorialidade e o graffiti, envolvimento esse que vem a promover o graffiti como uma manifestação de potente valor simbólico, que marca na cidade a necessidade de políticas e ações que sejam capazes de suprir as necessidades das populações mais fragilizadas. Para a elaboração desse estudo, serão observadas pesquisas, dissertações, noticiários, revistas e artigos realizados por diversos autores. Em complementação às reflexões embasadas bibliograficamente, será realizado ainda, um levantamento fotográfico demonstrando nos bairros da cidade de Vitória, capital do Espirito Santo, algumas das mais diversas manifestações decorrentes da problemática apresentada. Estes estudos permitirão considerar (ou não) que o graffiti na contemporaneidade faz-se um importante instrumento de representatividade social, sobretudo das camadas mais carentes da população, além de um elemento de formação de sentido do lugar.


Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Penha de Fátima da Cruz de Souza , Universidade Federal do Espírito Santo

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Artes (PPGA) - Ufes

 

Cláudia Maria França da Silva, Universidade Federal do Espírito Santo

Professora orientadora do Programa de Pós-Graduação em Artes (PPGA) - Ufes

Referências

DA SILVA, William et al. A história do desenvolvimento do graffiti urbano contemporâneo nos estados unidos de 1965 a 1979. (Syn) thesis, v. 7, n. 2, p. 217229, 2014.

BAUDRILLARD, Jean. Kool Killer ou a Insurreição pelos signos. Revista Cine Olho, v. 5, n. 6, 1979.

SILVA, Armando. Atmosferas urbanas: grafite, arte pública, nichos estéticos. SescServiço Social do Comércio, 2014.

Downloads

Publicado

2020-06-01