Violência Obstétrica: violência de gênero e ativismo online

Autores

  • Veronica A. Ribeiro Haacke Universidade Federal do Espírito Santo
  • Fabio Luiz Malini Universidade Federal do Espírito Santo

Palavras-chave:

Violência obstétrica, Violência de Gênero, Ativismo online

Resumo

O presente trabalho faz parte da pesquisa de dissertação de mestrado inserida no programa de Comunicação e Territorialidades, na linha de Comunicação e Poder. O objetivo principal é a compreensão da violência obstétrica enquanto uma violência de gênero e de como o compartilhamento de relatos em páginas de Facebook são capazes de agrupar e criar comunidades em que mulheres que sofreram, ou que lutam contra esse tipo de violência, se conectem e troquem suas experiências. A coleta de dados é realizada a partir ferramentas como o Netvizz, que permite coletar dados abertos de páginas, grupos e eventos. A interpretação dos dados será realizada a partir da análise de conteúdo e, com os relatos de violência selecionados, serão usados pressupostos da análise crítica do discurso como forma de compreender como os discursos são construídos pelas mulheres e como são estabelecidas as noções de vulnerabilidade da mulher no contexto do parir.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Veronica A. Ribeiro Haacke, Universidade Federal do Espírito Santo

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades (Póscom) – Ufes

Fabio Luiz Malini, Universidade Federal do Espírito Santo

Professor orientador do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades (Póscom) – Ufes

Referências

AGUIAR, J.M. Violência institucional em maternidades públicas: hostilidade ao invés de acolhimento como uma questão de gênero. São Paulo, 2010.

BANDEIRA, L. M. Violência de gênero: a construção de um campo teórico e de investigação. Sociedade e Estado, 2014.

BARBOSA, L.D.C.; FABBRO, M.R.C, MACHADO G.P.R. Violência obstétrica: revisão integrativa de pesquisas qualitativas, 2017.

CHALLIS, S. Making sense of peer support. Londres: Mind. 2016.

CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ. Organização dos Estados Americanos. Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher. Belém/PA (Brasil): Comissão Interamericana de Direitos Humanos, 1994.

GIFFIN, K.M. Corpo e conhecimento na saúde sexual: uma visão sociológica. In: GIFFIN K.M, COSTA S.H, (Org). Questões da Saúde Reprodutiva . Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 1999.

LUZ, L.; GICO, V. As redes sociais digitais e a humanização do parto no contexto das Epistemologias do Sul. Revista Famecos, Porto Alegre, n.1, v.24. 2017.

SOUZA, Vera Lucia Puga. “Violência de gênero/Intolerância”. In. COLLING, Ana Maria e TEDESCHI, Losandro Antonio (organizadores) Dicionário Crítico de Gênero. Dourados, MS: Ed. UFGD, 2015.

VARIKAS, Eleni. “Gênero, um conceito itinerante”. In. _____. Pensar o sexo e o gênero. Campinas: Unicamp, 2016.

VENEZUELA. Ley Orgánica sobre el Derecho de las mujeres a uma vida libre de violência, 2007.

Downloads

Publicado

2020-06-01