“Nem um poço a mais”: a representação positiva da luta das mulheres indígenas e quilombolas pelo jornal Século Diário contra a indústria petrolífera no ES

Autores

  • Priscila Sarmento Universidade Federal do Espírito Santo

Palavras-chave:

Enquadramento noticioso. Mulheres indígenas e Quilombolas. Representação. Século Diário. Silenciamento.

Resumo

Partindo da constatação do silenciamento da mídia dominante regional em comparação a quatro editorias exclusivas do jornal capixaba Século Diário (Meio Ambiente, Cultura, Sindicato, Direitos), este estudo objetiva refletir sinteticamente sobre a postura editorial do Século, examinando-a na série de reportagens “Nem um poço a mais”, criada após a contaminação por óleo de petróleo cru nas praias do Nordeste que já chega ao litoral do Espírito Santo. Por meio do enquadramento noticioso, e da análise de conteúdo como ferramenta de coleta, verifica-se que a angulação da notícia contrahegemônica do Século Diário privilegia abordagem com representação positiva no resgate histórico da luta das mulheres indigenas, descendentes de botocudos, e mulheres quilombolas contra os impactos sociais, ambientais e econômicos causados pela chegada da industria petrolífera no norte do Espírito Santo, nos anos 1970, se posicionando também criticamente contra mercantilização da natureza pelo capital e fortalecendo a identidade-cultural e preservação da memória dos povos tradicionais. .

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Priscila Sarmento, Universidade Federal do Espírito Santo

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades (Póscom) – Ufes

Referências

CUNHA, Ana Rita; FÁVERO, Bruno. O que se sabe até agora sobre o derramamento de petróleo no Nordeste. Agência de fact-checking Aos Fatos, publicado em 01. nov. 2019.

ENTMAN, Erving. Frame analysis: an essay on the organization of experience. Cambridge: Harvard University, 1974. HALL, Stuart. Cultura e representação. Organização e revisão técnica: Artur ituassu; Trad:Daniel Miranda e William Oliveira- RJ: Ed. PUC-Rio: Apicuri, 2016.

KELLNER, Douglas. A cultura da mídia- estudos culturais: identidade e política entre o moderno e o pós-moderno. Bauru, SP, EDUSC, 2001, 454p. LIMA, Venício. O silêncio como forma de censura. Observatório da Imprensa. São Paulo: Edição 634. Publicado em 22.mar.2011.

MARTIN-BARBERO, Jesus. Ofício de cartógrafo: travessias latino-americanas da comunicação e cultura. São Paulo: Edições Loyola, 2004. NONATO, Claudia; BULLA, Olívia; FÍGARO, Roseli. O silêncio como prescrição para o trabalho do jornalista. Revista ALCEU - v. 17 - n.33- jul./dez. 2016.

ROTHBERG, Danilo. Enquadramento e metodologia de crítica de mídia. In: 5º Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo, 2007, Aracaju (anais). SARMENTO, P.B.

SOUZA, R.B.R.O jornalismo popular alternativo do Século Diário:contra-hegemonia na imprensa capixaba online. Revista Alterjor,v.19,n.1, 2019.

SHOEMAKER, Pamela; VOS, Tim P. Teoria do gatekeeping: construção e seleção da notícia. Trad:Vivian Nickel. Rev técnica: Márcia Benneti- Porto Alegre, Penso, 2011.

SOARES, Murilo. Representaçóes, jornalismo e a esfera publica democrática. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009.

Downloads

Publicado

2020-06-01