Meios de comunicação e os atalhos na carreira política: Entendendo os outsiders a partir das eleições 2018

Autores

  • Gilson Arão Júlio Neto Faculdade Venda Nova do Imigrante

Palavras-chave:

Política, outsiders, meios de comunicação

Resumo

Este trabalho possui o objetivo de refletir sobre a economia política da comunicação a partir das eleições 2018. Partimos da premissa de que historicamente os meios de comunicação têm servido de atalhos para outsiders consolidarem suas carreiras políticas, tornando-os protagonistas no cenário político. Analisamos como pano de fundo uma edição do Programa Caldeirão do Huck e outra do Programa do Frota que foi exibido na Rede Brasil entre 2013 a 2017. Este artigo está divido em três capítulos no primeiro far-se-á elucidação sobre a noção da economia política da comunicação a partir de Luhmann (2001;2006) e De La Haye (1979), em seguida buscamos elucidar o termo outsiders Elias (2000) a partir do coronelismo eletrônico Santos (2008). No terceiro e último capítulo analisamos ambos os programas e sua relação com as eleições 2018. O presente estudo assume a metodologia qualitativa. O trabalho aponta como resultado principal que por detrás de uma capa superficial de críticas sob a política tradicional usando meios de comunicação cria-se laços sociais entre o público que concede aos outsiders êxito em seus projetos políticos eleitorais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gilson Arão Júlio Neto, Faculdade Venda Nova do Imigrante

Aluno especial do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades (Póscom) – Ufes

Referências

BRITTEN, N. Pesquisa qualitativa metodológica, Rio de Janeiro, Editora Contexto, 2011.

DE LA HAYE, Y. (Ed.). Marx and Engels on the means of communication: the movementof commodities, people, information and capital. New York: International General,1979

ELIAS, N; SCOTSON; J.L. Os estabelecidos e os outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

LUHMANN, N. A improbabilidade da comunicação. 3. ed. Tradução de Anabela Carvalho. Lisboa: Vega, 2001.

_________. What is communication?.Communication Theory.Munique: v. 2. pp. 251- 259. 2006.

MOSCO, V. The political economy of communication.2. ed. Los Angeles: Sage, 2009.

SANTOS, Suzy; CAPPARELLI, Sérgio. Coronelismo, radiodifusão e voto: a nova face de um conceito.In: BRITTOS, Valério; BOLAÑO, César (org.). Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia. SãoPaulo: Paulus, 2005, p. 77‐101

SANTOS, Suzy. Relações incestuosas: mercado global, empresariado nacional de radiodifusão e líderes políticos/regionais. In: XXXI CONGRESSO BRASILEIRO DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES DE COMUNICAÇÃO, Natal, 2008. Anais do VIII Encontro dos Núcleos de Pesquisa em Comunicação – NP Políticas e Estratégias de Comunicação, 2008, p.1‐16

SILVA, E. L. MENEZES, E. M. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 3. ed. Florianópolis: Laboratório de Ensino a Distância da UFSC, 2009.

Downloads

Publicado

2020-06-01