Ensino Remoto Emergencial: Geografia Escolar e a virtualização da vida na pandemia da Covid-19

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/geo.v1i32.35529

Palavras-chave:

ensino remoto, precarização do trabalho, geografia escolar

Resumo

A pandemia de Covid-19 surpreendeu o mundo, provocou alterações nos modos de vida, nas práticas laborais e expôs as desigualdades do atual período técnico-científico-informacional.  No sistema educacional, professores precisaram se reinventar para que o fechamento das escolas não fosse tão prejudicial ao processo ensino-aprendizagem.  Nesse contexto, o artigo analisa a atuação de professores de Geografia durante a pandemia da Covid-19 a partir de breve discussão teórica sobre o histórico da educação a distância no Brasil, formação de professores e saberes docentes, a fim de conhecer as condições de trabalho destes profissionais ao longo do isolamento social. Para tanto, foi aplicado um questionário para professores de Geografia atuantes na educação básica. Os resultados demonstraram dificuldades, por parte dos sujeitos da pesquisa, com a modalidade remota, denunciaram o descaso das autoridades responsáveis pela Educação e revelaram a preocupação dos professores em garantir condições de aprendizagem aos estudantes, ao mesmo tempo que seus lares convertiam-se em locais de trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Chaves de Farias, Universidade de Brasília

Mestre em Geografia pela Universidade de Brasília (UnB) na área de concentração em Gestão Territorial e Ambiental com ênfase em Geografia Escolar. Licenciado em Geografia pela Faculdade Projeção (2007). Atualmente é professor de Geografia na rede privada do Distrito Federal e integra o grupo de pesquisa - Ensino, Aprendizagem e Formação de Professores em Geografia da Universidade de Brasília - GEAF/UnB. Tem experiência na área de Educação em Geografia.

Denise Mota Pereira da Silva, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal

Doutoranda e mestre em Geografia pelo Departamento de Geografia da Universidade de Brasília- UnB. Professora da Secretaria de Estado da Educação de São Paulo - SEESP (2000 a 2012). Pós graduação lato-sensu pela UNICAMP (2007). Atuou em escolas particulares de SP (2005 a 2010). Atualmente é professora da Secretaria de Estado da Educação do Distrito Federal-SEEDF. Coordenadora pedagógica dos anos finais do Ensino Fundamental (2015 e 2016). Membro do Grupo de Pesquisa Ensino Aprendizagem e Formação de Professores em Geografia - GEAF/UnB, do Grupo de Estudos de Cartografia para Escolares - GECE/UFG e Rede Iberoamericana de professores investigadores do Projeto Nós Propomos! Cidadania e Inovação na Educação Geográfica. Possui experiência em metodologias/estratégias de ensino aprendizagem em Geografia para a Educação Básica.

Referências

ANTUNES, Ricardo. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviço na era digital. Boitempo editorial, 2018.

BRASIL. Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996.In: Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm> Acesso em 01 dez. 2011.

BAYHAM, Jude; FENICHEL, Eli P. Impact of school closures for COVID-19 on the US health-care workforce and net mortality: a modelling study. The Lancet Public Health, 2020.

CALLAI, HELENA COPETTI; CAVALCANTI, LANA DE SOUZA; CASTELLAR, SONIA MARIA VANZELLA. Lugar e cultura urbana: um estudo comparativo de saberes docentes no Brasil. Terra Livre, v. 1, n. 28, p. 91-108, 2015.

CAPES. Universidade Aberta do Brasil. Histórico. Disponível em <http://uab.capes.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=9&Itemid=21> Acesso em 06 dez 2011. atualizar

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. rev. e atual. Rio de Janeiro: Paz e Terra, p. 95-101, 2011.

GONÇALVES, Carlos Walter Porto.A invenção de novas geografias: a natureza e o homem em novos paradigmas. In: SANTOS, Milton; BECKER, Berta K. Orgs. Territorio, territórios: ensaios sobre o ordenamento territorial.São Paulo: Editora Lamparina, 2007.

ESPOSITO, Susanna; PRINCIPI, Nicola. School closure during the coronavirus disease 2019 (COVID-19) pandemic: an effective intervention at the global level?. JAMA pediatrics, 2020.

HALE, Thomas et al. Variation in government responses to COVID-19. Blavatnik school of government working paper, v. 31, 2020.

HARVEY, David. Cidades rebeldes: do direito à cidade à revolução urbana. 2014.

HUBERMAN, Michael. O ciclo de vida profissional dos professores. Vidas de professores, v. 2, p. 31-61, 1992.

KENSKI, Vani Moreira. O desafio da educação a distância no Brasil. Revista Educação em Foco, v. 7, n. 1, p. 1-13, 2002.

MARQUES, Camila. Ensino a distância começou com carta a agricultores. Folha Online. Disponível em <http://www1.folha.uol.com.br/folha/educacao/ult305u396511.shtml>. Acesso em 27/ jul/ 2020.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. Arte & Ensaios, PPGAV, EBA, UFRJ, v.2, n.32, dez. p. 122-151, 2016.

MONTEIRO, João Carlos da Silva. Tiktok como novo suporte midiático para a aprendizagem criativa. In: Revista Latino-Americana de Estudos Científicos. ISSN: 2675-3855| http://dx.doi.org/10.46375/relaec.30795. Pág, 5-20. Disponível em: http://www.periodicos.ufes.br/ipa. Acesso em 21/out/2020.

NÓVOA, A. Relação escola-sociedade: “novas respostas para um velho problema”. In: SERBINO, R. V. (Org.). Formação de professores. São Paulo: UNESP, 1998. p. 19-39.

PEREIRA, Eva Waisros. Educação a distância: concepção e desenvolvimento. In: Linhas Críticas: Novas Tecnologias na Educação, volume 9, jul. a dez. 2003.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2006.

SILVEIRA, Maria Laura. O espaço geográfico: da perspectiva geométrica à perspectiva existencial. São Paulo: GEOUSP- Espaço e Tempo, nº 19, pp. 81-91, 2006.

TELECURSO 2000. Site oficial do Telecurso. Disponível em <http://www.telecurso.org.br/telecurso/index.html#/main.jsp?lumPageId=1D6530765D5644709741AEAA3622D3BC> .Acesso em 18/jul/2020.

Downloads

Publicado

2021-07-21

Como Citar

CHAVES DE FARIAS, R.; MOTA PEREIRA DA SILVA, D. . Ensino Remoto Emergencial: Geografia Escolar e a virtualização da vida na pandemia da Covid-19. Geografares, [S. l.], v. 1, n. 32, p. 240–262, 2021. DOI: 10.47456/geo.v1i32.35529. Disponível em: https://portaldepublicacoes.ufes.br/geografares/article/view/35529. Acesso em: 27 set. 2021.

Edição

Seção

Dossiê Geografizando a pandemia. Entrelugares do adoecimento existencial