Sobre políticas do corpo negro feminino e territorialidades jongueiras no enfrentamento ao racismo

Autores

  • Patrícia Gomes Rufino Andrade PPGMPE/UFES

DOI:

https://doi.org/10.47456/rf.v17i24.36407

Palavras-chave:

Jongos, territorialidades femininas, ancestralidade, circularidade

Resumo

O presente texto destaca reflexões sobre políticas do corpo negro instituídas por mulheres jongueiras a partir de aproximações nas práticas culturais do Sapê do Norte. Busca desconstruir a representação estereotipada de subalternidade da mulher negra, enfatizando como as comunidades percebiam historicamente os processos de opressão racial e em contraponto criavam estratégias para fortalecer a liderança feminina. As questões de interseccionalidade de gênero são discutidas sob esse prisma, constituindo territorialidades e contextos de autoafirmação. Nas rodas de jongos o corpo é premissa da relação ancestral, da circularidade expressa nos ciclos geracionais interligando o passado e o presente por meio dos cantos e danças. É neste contexto que traçamos alguns paralelos sobre territorialidades femininas, ancestralidade, circularidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrícia Gomes Rufino Andrade, PPGMPE/UFES

Doutora em Educação - Diversidade e Práticas Inclusivas (UFES). Professor Adjunto do Departamento de Educação, Política e Sociedade (DEPS). Graduado em Geografia (UFES), Pedagoga. Pesquisadora do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da UFES. Pesquisa Geografias e territorialidades: Políticas Educacionais para Populações Afro-Brasileiras: Quilombolas, Territorialidades afro-religiosas; Educação do Campo, Práticas Pedagógicas para Educação Étnico-racial, Territórios periféricos. PhD em Economia e Politicas Institucionais - Universidade de Minnesota-USA. Professora do Mestrado Profissional em Educação (PPGMPE/UFES) e colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação/ Pós-Com/UFES.

Referências

AGUIAR, Maciel de. A divindade de São Benedito: o santo dos humildes e dos oprimidos. Revista Vitória, ano 1, n. 9, p. 46-53, jun. 1982.

AGUIAR, Maciel de. O mestre de jongo de São Benedito. In. AGUIAR, Maciel de.

Brincantes e quilombolas. São Mateus: Memorial, 2005.

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo: Pólen, 2019.

ANDRADE, Patrícia Gomes Rufino. A educação do negro na comunidade de Monte Alegre/ES em suas práticas de desinvibilização da cultura popular negra. 2007. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2007.

ANDRADE, Patrícia Gomes Rufino. Entre Jongos e Caxambus: Processos Educativos nas práticas religiosas afro-brasileiras. Tese – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, 2013.

BASTIDE, Roger. As Américas Negras: as civilizações africanas no Novo Mundo. São Paulo: Difusão Européia do Livro; EDUSP, 1974.

BHABHA, Homi. In the Case of Making: Thougths on Third Space. In (Org) IKAS, Karen; WAGNER, Gehrard. Communicating in the Third, Space. New York: Routledge, 2009.

___. Introdução. In BHABHA, Homi. O Local da Cultura. Belo Horizonte: UFMG, 2010 a.

COLLINS, Patrícia Hill. Pensamento Feminista Negro. Tradução de Jamille Pinheiro Dias. Boitempo, São Paulo, 2019.

COLLINS, Patrícia Hill. Learning from the outsider within: The sociological significance of Black feminist thought. Social problems, v. 33, n. 6, p.14-32, 1986.

CRENSHAW, Kimberle. Demarginalizing the intersection of race and sex: A black feminist critique of antidiscrimination doctrine, feminist theory and antiracist politics. The University of Chicago Legal Forum, p.139-167, 1989.

GUIMARÃES. Aissa Afonso. Caxambu Alegria de Viver”: memória e patrimônio afro-brasileiro em Vargem Alegre (Cachoeiro de Itapemirim - ES). Trabalho apresentado na 29ª Reunião Brasileira de Antropologia. agosto de 2014, Natal/RN.

KILOMBA, G. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2020.

HAESBAERT, Rogério. Território e Multiterritorialidade: Um Debate. GEOgraphia, v. 9, n. 17, p.19- 45, 2007.

HOOKS, bell. E eu não sou uma mulher? Mulheres Negras e o Feminismo. Rosa dos tempos. Rio de Janeiro. 2020.

HOOKS, bell. Choosing the margin as a space of radical openness. Framework: The Journal of Cinema and Media, v. 36, p.15-23, 1989.

OLIVEIRA, Eduardo David de. Filosofia da Ancestralidade: Corpo e Mito na Filosofia da Educação Brasileira. Curitiba: Editora Gráfica Popular, 2007 a.

___. Ancestralidade na Encruzilhada. Curitiba: editora gráfica Popular, 2007 a.

PEREZ, Carolina dos Santos Bezerra. Juventude, música e ancestralidade no jongo: som e sentidos no processo identitário. 2005. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

RODRIGUES, Nina. As Raças Humanas e a Responsabilidade Penal no Brasil. Bahia. 1984.

SCOTT, J. C. Everyday forms of resistance. The Copenhagen journal of Asian studies, v. 4, p.33-33, 1989.

Downloads

Publicado

2021-09-21

Como Citar

Andrade, P. G. R. (2021). Sobre políticas do corpo negro feminino e territorialidades jongueiras no enfrentamento ao racismo. Revista Farol, 17(24), 80–93. https://doi.org/10.47456/rf.v17i24.36407

Edição

Seção

Seção Temática