Impulso Historiográfico na prática artística de Rosana Paulino

o caso da exposição Atlântico Vermelho no Padrão dos Descobrimentos (2017)

Autores

  • Lucas Ferreira de Vasconcellos EBA-UFMG
  • Rita Lages Rodrigues EBA-UFMG

DOI:

https://doi.org/10.47456/rf.v17i24.35568

Palavras-chave:

história, arte contemporânea, patrimônio cultural, feminismo decolonial

Resumo

O presente artigo visa analisar criticamente a exposição Atlântico Vermelho, da artista Rosana Paulino, realizada entre outubro e dezembro de 2017, no Padrão dos Descobrimentos, monumento situado em Lisboa, Portugal. Para tanto, toma-se o conceito de Impulso Historiográfico, apresentado por Giselle Beiguelman (2019), como uma noção de prática artística que questiona e reedita as verdades absolutas instituídas nos circuitos institucionais e a monumentalização da história. Tal conceito deve ser trabalhado em processos de (re)interpretação dos bens pertencentes à categoria do patrimônio cultural, em especial os monumentos históricos, sobre os quais atua a artista Rosana Paulino. Como suporte crítico, a crítica feminista decolonial é acionada.

 

O presente trabalho conta com o apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Ferreira de Vasconcellos, EBA-UFMG

Possui graduação em Museologia (2019), pela Universidade Federal de Minas Gerais, com participação no Programa de Intercâmbio Minas Mundi (UFMG), realizado na Escola de Artes da Universidade de Évora (2016-2017), em Portugal. É mestrando em Artes no Programa de Pós-Graduação em Artes (2020-atual) na linha de pesquisa em Artes Plásticas, Visuais e Interartes, da Escola de Belas Artes da UFMG. Tem experiência nas áreas de Artes, Museologia e Patrimônio Cultural, com pesquisa sobre a relação entre tempo histórico, arte contemporânea e narrativas de memória em espaços museais.

Rita Lages Rodrigues, EBA-UFMG

Possui doutorado (2012) e mestrado (2001) em História na área de concentração História, Tradição e Modernidade: Política, Cultura e Trabalho, pela Universidade Federal de Minas Gerais, na linha de pesquisa História Social da Cultura. [E autora do livro Entre Bruxelas e Belo Horizonte: itinerários da escultora Jeanne Louise Milde. É Professor Adjunto IV do Departamento de Artes Plásticas da Escola de Belas Artes da UFMG. Atualmente lidera o Grupo de Pesquisa Estopim, Núcleo de estudos interdisciplinares do Patrimônio Cultural, junto com o pesquisador Luiz Henrique Assis Garcia, e participa dos grupos de pesquisa Centro de Convergência de Novas Mídias e Arte Contemporânea Preservação e Exibição ARTECON. Tem experiência na área de História, com ênfase em História da Arte, especificamente séculos XIX e XX. Atua principalmente nos seguintes temas: Belo Horizonte, História da arquitetura e História da arte, História das cidades, Patrimônio Cultural, História das mulheres e Gênero.

Referências

BEIGUELMAN, Giselle. Impulso Historiográfico. Desvirtual: 13, dezembro de 2019. Acesso em 18 de maio de 2021. Disponível em: < http://www.desvirtual.com/impulso-historiografico/>

___. Impulso Historiográfico. São Paulo: Peligro Edições, 2019.

BEMVINDO, Vitor. Escovar a história a contrapelo: Contribuições de Walter Benjamin para a concepção dialética da História. Trabalho necessário. v. 18. nº 35. p.20-37. 2020.

BOELTI, Anne-Marie. “L’Arte del Diario” in Maria Adelaide Frabolta (org.), Lessico Politico delle Donne. Milano. Gulliver Edizioni: 1979.

CARNEIRO, Amanda; MESQUITA, André (org.). Entre o visível e o não‑dito: uma entrevista sobre histórias e curadoria com Lilia Moritz Schwarcz. SCHWARCZ, Lilia. Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand e Afterall. São Paulo, 2019.

CARVALHO, Noel dos Santos; TVARDOVSKAS, Luana Saturnino; FUREGATTI, Sylvia Helena. A propósito da passagem de Rosana Paulino pela Unicamp - entrevista com a artista. Resgate: Rev. Interdiscip. Cult. v. 26, n. 2. p. 149-160. Campinas: Jul/dez. 2018.

DUARTE, Constância Lima; NUNES, Isabella Rosado (Org.). Escrevivência: a escrita de nós: reflexões sobre a obra de Conceição Evaristo. Ilustrações Goya Lopes. 1ª ed. Rio de Janeiro: Mina Comunicação e Arte, 2020.

FABRIS, Annateresa. Percorrendo veredas: hipóteses sobre a arte brasileira atual. Revista USP, São Paulo, nº 40. Dez./fev. 1998-99. p. 68-77.

FOSTER, Hal. An Archival Impulse. Revista October, Vol. 110. 2004.

GIANOTTI, Marco. A imagem escrita. ARS. v. 01, n. 01. São Paulo: 2003.

GONÇALVES, Simone Neiva Loures; RIBEIRO, Gisele Barbosa (tradução). Museus no horizonte colonial da modernidade: Garimpando o Museu (1992) de Fred Wilson / Walter Mignolo. Museologia e Interdisciplinaridade. V. 7, nº 13. Brasília: Jan/jun. de 2018.

GONZALEZ, Lélia. A categoria político-cultural de amefricanidade. In: Tempo Brasileiro. Rio de Janeiro, nº. 92/93 (jan./jun.). 1988b, p. 69-82

HANISCH, C. The Personal is Political. Notes from the Second Year: Women’s Liberation, 1970.

HOLLANDA, Heloísa Buarque de (org). Introdução. Outras Línguas: três artistas brasileiras. Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020. p.10-34; 345-372.

JULIÃO, Letícia. Apontamentos sobre a história do museu. Caderno de Diretrizes Museológicas. Belo Horizonte: Secretaria de Estado da Cultura/ Superintendência de Museus, 2006. 2º Edição.

LUGONES, Maria. Rumo a um feminismo descolonial. Estudos Feministas. Florianópolis: 22(3): 320. Set./dez. 2014.

MIGNOLO, W. D. Colonialidade: o lado mais escuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 32, n. 94, jun. 2017.

MUÑIZ-REED, Ivan. (Tradução) Lühmann, Daniel. Pensamentos sobre práticas curatoriais no giro decolonial. Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand e Afterall. São Paulo, 2019.

PAULINO, Rosana. Atlântico Vermelho. Folha de Sala da Exposição. Lisboa, 2017. Acesso em 18 de maio de 2021. Disponível em: https://padraodosdescobrimentos.pt/evento/atlantico-vermelho/

___. Imagens de sombras / Rosana Paulino. São Paulo: R. Paulino, 2011. 98 p.: il. Tese (Doutorado). Escola de Comunicações e Artes / Universidade de São Paulo.

___. Rosana Paulino: a costura da memória / curadoria Valéria Piccoli, Pedro Nery. Catálogo. Textos de BEVILCQUA, Juliana Ribeiro da Silva; LOPES, Fabiana; PALMA, Adriana Dolci. São Paulo: Pinacoteca de São Paulo, 2018.

SAMAIN, Etienne. As “Mnemosyne(s)” de Aby Warburg: Entre Antropologia, Imagens e Arte. Revista Poiésis, n. 17, p. 29-51. Rio de Janeiro. Julho de 2011.

SILVA, Denise Ferreira da. Em estado bruto. ‘Tradução de Janaína Nagata Otoch’. ARS, ano 17, nº 36. São Paulo, 2019. p. 45 - 56.

SOUZA, Herbert G. de. Contra-hegemonia: um conceito de Gramsci? Herbert Glauco de Souza. Belo Horizonte, 2014. 82 f., enc, Dissertação - (Mestrado) - Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Educação.

Vídeo promocional “Atlântico Vermelho/Rosana Paulino” - Exposição no Padrão dos Descobrimentos - Filme Memória-Futura. Lisboa, 2017. Acesso em: 11 de fevereiro de 2021. Disponível em https://vimeo.com/252096733

Downloads

Publicado

2021-09-21

Como Citar

Vasconcellos, L. F. de ., & Rodrigues, R. L. . (2021). Impulso Historiográfico na prática artística de Rosana Paulino: o caso da exposição Atlântico Vermelho no Padrão dos Descobrimentos (2017). Revista Farol, 17(24), 69–79. https://doi.org/10.47456/rf.v17i24.35568

Edição

Seção

Seção Temática