Professoras narram suas histórias: memórias de alfabetização

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22535/cpe.v22i52.33828

Palavras-chave:

Educação, Narrativas autobiográficas. Formação de professores. Alfabetização.

Resumo

Escrituras autobiográficas e biográficas vêm sendo cada vez mais utilizadas em investigações na área da História da Educação, pois permitem compreender os sujeitos como autores de suas próprias histórias, num tempo e num espaço historicamente dados, no qual assumem um posicionamento, numa postura singular e concreta, dizem e assinam a própria palavra, resgatando a possibilidade de “ser humano”, de agir coletivamente pelo que caracteriza e distingue os homens, produzir com e para o outro. Seguindo esse fio condutor, o presente texto foi produzido no diálogo com narrativas autobiográficas, escritas por professoras alfabetizadoras que atuam em escolas do município de Vila Pavão (Espírito Santo, Brasil), registradas na publicação Nossas memórias. Buscamos adentrar, por meio dos textos narrativos, nas representações das professoras sobre os seus próprios processos de aprendizagem da língua materna; sobre as relações estabelecidas entre as docentes e os alunos; e sobre a(s) concepção(ões) de alfabetização que sustentava(m) a fase inicial de aprendizagem da leitura e da escrita, na época em que foram alfabetizadas. Metodologicamente, o estudo se configura como uma análise documental, pautada pela análise dialógica do discurso; e teoricamente se ancora no referencial de Bakhtin, de Benjamin e de Nóvoa. Estes diálogos conduzem a reflexões sobre os sentidos e a pertinência das escritas autobiográficas como prática de formação, autoformação e transformação de si.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Zanetti Becalli , do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo (Ifes)

Doutora em Educação e Professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo (Ifes), campus Vila Velha, Espírito Santo, Brasil. E-mail: fernanda.becalli@ifes.edu.br

Cleonara Maria Schwartz , Universidade Federal do Espírito Santo

Doutora em Educação e Professora da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), campus Goiabeiras, Vitória, Espírito Santo, Brasil. E-mail: cleonara.schwartz@gmail.com

Camila de Oliveira Fonseca Ribeiro , Prefeitura Municipal de Cariacica (PMC), Espírito Santo.

Mestre em Ensino de Humanidades e Professora da Prefeitura Municipal de Cariacica (PMC), Espírito Santo, Brasil. E-mail: milarib_2005@hotmail.com

Referências

BAKHTIN, M. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. São Paulo: Hucitec, 2002.

______. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

______. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 2004.

______. O homem ao espelho: apontamentos dos anos 1940. São Carlos: Pedro & João Editores, 2019.

BECALLI, F. Z. O ensino da leitura no Programa de Formação de Professores Alfabetizadores (Profa). 2007. 251f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2007.

______. Nos cadernos escolares de um passado recente: uma história do ensino da leitura no Estado do Espírito Santo (2001 a 2008). 2013. 282f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2013.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Secretaria de Educação Fundamental. Programa de Formação de Professores Alfabetizadores: Guia do Formador, Módulo 1: MEC/SEF, 2001.

BENJAMIN, W. Obras Escolhidas I: magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1987.

BLOCH, M. Apologia da história ou o ofício do historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BRAGGIO, S. L. B. Leitura e alfabetização: da concepção mecanicista à sociopsicolinguística. Porto Alegre: Artes Médicas, 2005.

GERALDI, J. W. A aula como acontecimento. São Carlos: Pedro & João Editores, 2010.

GONTIJO, C. M. M. O processo de alfabetização: novas contribuições. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

HÉBRARD, J. O autodidatismo exemplar. Como Valentin Jamerey-Duval aprendeu a ler? In: CHARTIER, R. (Org.). Práticas da leitura. São Paulo: Estação Liberdade, 2001. p. 35-73.

JOSSO, M. C. Experiência de Vida e Formação. São Paulo: Cortez, 2004.

LE GOFF, J. História e memória. Campinas: Unicamp, 2003.

MORTATTI, M. R. L. Educação e letramento. São Paulo: Unesp, 2004.

NÓVOA, A. Os professores e as histórias da sua vida. In: NÓVOA, A. (Org.). Vidas de Professores. Portugal: Porto Editora, 2007.

NÓVOA, A.; FINGER, M. O método (auto)biográfico e a formação. Lisboa: MS/DRHS/CFAP, 2010, p. 63-77.

SOUZA, E. C.; ABRAHÃO, M. H. M. B. (Orgs.) Tempos, Narrativas e Ficções: a invenção de si. Porto Alegre: EDPUCRS; Salvador: Eduneb, 2006.

SOUZA, E. C. (Org.). Autobiografias, histórias de vida e formação: pesquisa e ensino. Porto Alegre: EDPUCRS; Salvador: Eduneb, 2006a.

______. A arte de contar e trocar experiências: Reflexões teórico-metodológicas sobre história de vida em formação. Revista Educação em Questão. vol. 25, n. 11, jan/abr. Natal, RN: EDUFRN, 2006b, pp. 22-39.

______. A formação como processo de conhecimento: histórias de vida e abordagem (auto) biográfica. In: BRAGANÇA, I. F. S.; ARAÚJO, M. S.; ALVARENGA, M. S.; MAURÍCIO, L. V. Vozes da Educação: memórias, histórias e formação de professores. Rio de Janeiro: DP, 2008, p. 85-102.

VYGOTSKI, L. S. Obras Escogidas II. Madri: Visor, 2001.

Downloads

Publicado

2020-11-11