O ethos revolucionário da esquerda armada brasileira: o caso do Movimento Revolucionário 8 de Outubro.

Autores

Resumo

Este artigo tem por objetivo analisar a constituição de um ethos revolucionário pelos militantes da esquerda armada brasileira, em específico, por intermédio da trajetória do Movimento Revolucionário 8 de Outubro. Através do conceito de geração proposto pelo historiador Jean-François Sirinelli, buscamos compreender como os militantes da esquerda armada, constituintes da geração de 1968, ao optarem pelo enfrentamento armado à ditadura civil-militar brasileira, construíram uma perspectiva revolucionária coletiva e individual, consolidando uma maneira específica de agir, baseada em valores éticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Higor Codarin, Doutorando em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF).

Mestre em Sociologia pela Universidade Estadual de Campinas. Desenvolveu pesquisa relacionada à luta armada contra a ditadura civil-militar brasileira. Em específico sobre um dos grupos que a constituiu, o Movimento Revolucionário 8 de Outubro, no período de 1969-1972, cuja dissertação, fruto da pesquisa, foi vencedora do 4ª edição do Concurso de Monografia Memórias Reveladas, promovido pelo Arquivo Nacional. Atualmente é doutorando em História Contemporânea pela Universidade Federal Fluminense.

Referências

-AARÃO REIS FILHO, D. Entrevista concedida a Marcelo Ridenti. In: Arquivo Edgar Leuenroth. Militância Política e Luta Armada, 1987.
- _________. A revolução faltou ao encontro. Os comunistas no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1990.
- _________. “O maoísmo e a trajetória dos marxistas brasileiros. ” In: AARÃO REIS FILHO, D.; MORAES, J. Q. (Orgs.) História do marxismo no Brasil, vol.1, 2.ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2002.
- _________. “A Vera”. In: BASTOS, Elide Rugai; RIDENTI, Marcelo; ROLLAND, Denis (Orgs.) Intelectuais: sociedade e política, Brasil-França. São Paulo: Cortez, 2003, p. 240-252.
- _________. Entrevista concedida ao Projeto Memórias Estudantis. Núcleo de História Oral e Memória (Tempo/UFRJ), 2005.
- _________; RIDENTI, M. (Orgs.). História do Marxismo no Brasil, vol. 6: Partidos e movimentos após os anos 1960. Campinas, SP: Editora Unicamp, 2007
- _________; MORAES, P. 1968: A paixão de uma utopia. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2008.
-BARAN, P.; SWEEZY, P. Capitalismo monopolista: ensaio sobre a ordem econômica e social americana. Rio de Janeiro: Zahar, 1966.
- BENJAMIN, Cesar. Entrevista concedida a Marcelo Ridenti. In: Arquivo Edgar Leuenroth. Militância Política e Luta Armada, 1986.
- BENJAMIN, C. Gracias a la vida: Memórias de um militante. Rio de Janeiro: José Olympio, 2013.
- CARVALHO, L. M. Mulheres que foram à luta armada. São Paulo: Globo, 1998.
- CALANGO, P. Sobre a luta armada. 1971, mimeo. Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro, Coleção Daniel Aarão Reis Filho, Série: Movimento Revolucionário 8 de Outubro, Documentos de Discussão Interna, documento 13.
- DEBRAY, R. Revolução na Revolução, São Paulo: Centro Ed. Latino Americano, s.d.
- FRANK, A. G. “A agricultura brasileira: capitalismo e mito do feudalismo”. In: STEDILE, J (Org.) A questão agrária no Brasil: o debate na esquerda (1960-1980). São Paulo: Expressão Popular, 2012.
- FROMM, E. Conceito marxista de homem. 2ªed. Rio de Janeiro: Zahar, 1962.
- GABEIRA, F. O que é isso, companheiro? 8ªed. Rio de Janeiro: Codecri, 1979.
- “GONDE, J. ” Como prosseguir, 1969, 15f. mimeo. In: Brasil: Nunca Mais. Pasta-processo: 076. p. 3407-3422. Disponível em: http://bnmdigital.mpf.mp.br/pt-br/
- GUEVARA, E. Guerra de Guerrilhas (1960), 10ª ed. São Paulo: edições populares, 1987.
- _________. Obra revolucionaria. Organização Roberto Fernandez Retamar. 2. Ed. México, DF: Era, 1968.
- JOSÉ, E.; MIRANDA; O. Lamarca, o capitão da guerrilha. São Paulo: Global, 1980.
-MAGALHÃES, V. Entrevista concedida a Marcelo Ridenti. In: Arquivo Edgar Leuenroth. Militância Política e Luta Armada, 1986.
- _________.; SALLES, Y. Balanço sem perspectiva. 1968 – os que não se esqueceram, os que não se arrependeram, 1998, mimeo., p. 5. In: Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro, Fundo Vera Sílvia Magalhães, cx. 2, documento 1.
- MARX, K. Manuscritos Econômico-filosóficos (1844). São Paulo: Boitempo, 2004.
- PATTO SÁ MOTTA, R. As universidades e o regime militar: cultura política brasileira e modernização autoritária. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.
- POERNER, A. O poder jovem: história da participação política dos estudantes brasileiros. 5 eds. Rio de Janeiro: Booklink, 2004.
- PRADO JÚNIOR, C. A revolução brasileira. (1966) 7ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1987.
- QUARTIM DE MORAES, M. “O encontro Marxismo-feminismo no Brasil. ” In: AARÃO REIS FILHO, D.; RIDENTI, M. (Orgs.). Op. Cit., 2007, p. 341-373
- REICH, W. A revolução sexual. 8ªed. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.
- RIDENTI, M. “As Mulheres Na Politica Brasileira: Os Anos de Chumbo. ” Tempo Social. Revista de Sociologia da USP, v. 2, n.2, p. 113-128, 1990.
- _________. O fantasma da revolução brasileira, 2ed. São Paulo: Editora da UNESP 2010.
- _________. “The Debate over Military (or Civilian-Military?) Dictatorship in Brazil in Historiographical Context”. Bulletin of Latin American Research. Early View (Online Version of Record published before inclusion in an issue). Edited By: Jasmine Gideon, Geoffrey Kantaris, Patricia Oliart, Lucy Taylor, Ann Varley and Matthew Brown. Online ISSN: 1470-9856.
- ROLLEMBERG, D. Exílio, entre raízes e radares. Rio de Janeiro: Record, 1999.
- SIRINELLI, J. “Os intelectuais”. In: REMOND, R. (Org.). Por uma história política. 2ªed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003, p. 231-270
- _________. “A geração”. In: AMADO, Janaína; FERREIRA, Marieta de Moraes (Orgs.). Usos & Abusos da História Oral. 8ª ed, Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006, p. 131-138.

Downloads

Publicado

2020-07-15

Edição

Seção

Dossiê “Opinião pública e instituições políticas nos períodos moderno e contempo