“Não pode ser uma vestal a moça que passeia com namorados”: abusos sexuais contra meninas menores de idade em Rio Branco, Acre (1950-1953)

Autores

Resumo

O texto aborda o problema dos abusos sexuais contra meninas menores de idade em Rio Branco, então capital do Território Federal do Acre, entre os anos de 1950 e 1953. Foram levantados processos judiciais no Arquivo Histórico do Tribunal de Justiça do Acre que tratam desse tema, onde se verificou que as agredidas eram pobres e em muitos casos, órfãs. Discute-se, nesse sentido, as questões relacionadas ao contexto de produção dessas violências, caracterizando-as dentro dos conflitos envolvendo o silenciamento das vítimas. Tais lógicas são fruto das violências de gênero e perpassam os limites das classes sociais, evidenciando redes de proteção dos agressores, que são criadas por homens. Como pano de fundo discutem-se teoricamente as questões envolvendo a validade das falas dessas garotas, dando enfoque a um debate acerca da compreensão das verdades presentes nas narrativas

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel da Silva Klein, Docente da Universidade Federal do Acre.

Graduado em História (2006) e Mestre em Letras (2010), ambos pela Universidade Federal do Acre, onde é Docente da Área de História desde 2009. Doutor em História Social pela Universidade de São Paulo (2013).

Referências

Bibliográficas.

BUTLER, Judith. Fundamentos contingentes: o feminismo e a questão do ‘pós-moderno’. In: Revista Cadernos Pagu, Campinas, vol. 11, pp. 11-42, 1998.
FACCHINI, Regina; DANILIUSKAS, Marcelo; PILON, Ana Cláudia. Políticas sexuais e reprodução de conhecimento no Brasil: situando estudos sobre sexualidade e suas conexões. In: Revista de Ciências Sociais, Fortaleza, vol. 44, n. 1, pp. 161-193, jan/jun 2013.
FERREIRA, Gleidiane de Sousa, & Pedro, Joana Maria. São honestas? Defloramento em Fortaleza nas primeiras décadas do século XX. In: Revista Tempos históricos, Marechal Candido Rondom, vol. 16, pp. 41-58, 1 semestre, 2012.
FILHO, Roberto Efrem. A reivindicação da violência: gênero, sexualidade e a constituição da vítima. In: Revista Cadernos Pagu, Campinas, vol. 50, pp. 1-54, 2017.
MEDEIROS, Océlio. A represa. Rio de Janeiro: Gráfica irmãos Pongetti, 1942.
GINZBUR, Carlo. O fio e os rastros: verdadeiro, falso, fictício. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.
GUERRA, Antônio Teixeira. Estudo geográfico do território do Acre. Brasília: Senado Federal, 2004.
MELO, Isaac. José Potyguara: interprete da alma acreana. Disponível em: https://almaacreana.blogspot.com.br/2010/04/jose-potyguara-interprete-da-alma.html. Acesso em 12/03/2017.
MUNSLOW, Alun. Desconstruindo a história. Petrópolis: Vozes, 2009.
OLIVEIRA, Keila Maria Silva Teixeira; NENEVÉ, Miguel; SAMPAIO, Sônia Maria Gomes. Discurso e poder: um olhar sobre a obra Terra Caída, de José Potyguara. In: Revista Igarapé, Porto Velho, v. 1, n. 2, p. 18-28, 2016.
SANCHES, Maria Aparecida Prazeres. O crime de defloramento e a conformação de famílias para o bem estar da nação. Anais do XXV Simpósio Nacional de História. Fortaleza. Disponível em: http://anais.anpuh.org/wp-content/uploads/mp/pdf/ANPUH.S25.0114.pdf. Publicado em 2009. Acesso em 17/03/2017.
SCREMIN, João Valério. A influência da medicina legal em processos crimes de defloramento na cidade de Piracicaba e região (1900-1930). Disponível em: http://www.historica.arquivoestado.sp.gov.br/mate-rias/anteriores/edicao08/materia03/. Acesso em 17/03/2017

Lei.

Decreto Lei n. 2848, de 07 de dezembro de 1940. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-2848-7-dezembro-1940-412868-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em 08/03/2017.

Fontes.

Processos judicias do Arquivo Histórico do Tribunal de Justiça do Acre.

Processos números 3789, 3828, 3842, 3851, 3878, 3923, 4032, 4051, 4060l, 5251 e C011.

Downloads

Publicado

2020-07-15

Edição

Seção

Artigos