Entre o idealismo e a repressão: Dinaelza Santana e a Guerrilha do Araguaia

Autores

  • Ary Albuquerque Cavalcanti Junior Universidade Federal da Grande Dourados

Resumo

O presente artigo, fruto de reflexões oriundas de minha dissertação defendida em 2013, busca apresentar brevemente a trajetória politica de Dinaelza Santana Coqueiro, baiana natural de Vitoria da Conquista, interior da Bahia e que adentrou o projeto revolucionário do Partido Comunista do Brasil em meados da década de 70, conhecido popularmente como Guerrilha do Araguaia. Este trabalho também procura problematizar onde estão os estudos sobre as mulheres no período ditatorial, mais precisamente nas guerrilhas, haja vista que além de Dinaelza, mais quinze mulheres participaram e poucos as conhecem. Assim, levando em consideração as subjetividades que permeiam memorias, reconstruções de trajetórias, buscamos ainda que de forma sucinta contribuir para reflexões e para o surgimento de novos trabalhos sobre o tema.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Obras completas

ARAÚJO, Maria Paula Nascimento. A utopia fragmentada: as novas esquerdas no Brasil e no mundo na década de 1970. Rio de Janeiro: FGV, 2001

BAHIA (Estado). Secretaria da Educação e Secretaria de Cultura. Mortos e desaparecidos baianos: Ditadura militar – direito a memória 50 anos do golpe de 1964.
Salvador, 2014.

BUTLER, Judith P. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Trad. de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 2003.

CARNEIRO, Ana. Retrato da Repressão Política no Campo – Brasil 1962-1985 –
Camponeses torturados, mortos e desaparecidos. Brasília : MDA, 2010.

CAVALCANTI JÚNIOR, Ary Albuquerque. “Para não dizer que não falei das flores”: Memórias de mulheres na resistência à ditadura civil-militar (1964-1985). Dissertação, Universidade do Estado da Bahia – UNEB, Santo Antônio de Jesus, BA, 2016.

COLLING, Ana Maria. A resistência da mulher à ditadura militar no Brasil. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1997.

FERREIRA, Elizabeth F. Xavier. Mulheres, militância e memória. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1996.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1997.

JOFFILY, Olívia Rangel. Esperança equilibrista: Resistência feminina á ditadura militar no Brasil (1964-1985). Tese (Doutorado), Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP, São Paulo, 2005

MORAIS, Tais de. SILVA, Eumano. Operação Araguaia: os arquivos secretos da guerrilha. Geração Editoral, São Paulo, 2005

RAGO, Margareth. A aventura de contar-se: feminismos, escrita de si e invenções da subjetividade. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2013

RIDENTI, Marcelo. S. O fantasma da revolução brasileira. São Paulo: Unesp, 1993.

SANTOS, Andrea Cristina. Ação entre amigos: História da militância do PC do B em Salvador (1965-973). Dissertação (Mestrado). Universidade Federal da Bahia - UFBA, Salvador, 2004

TEDESCHI, Losandro Antônio. As mulheres e a história: uma introdução teórico metodológica. Dourados, MS: Ed. UFGD, 2012.


Artigos

CODATO, Adriano Nervo. O golpe de 1964 e o regime de 1968: Aspectos conjunturais e variáveis históricas. História: Questões & debates, Ed. UFPR, Curitiba, n 40, p. 11-36, 2004.

PEIXOTO, Rodrigo Corrêa Diniz. Memória social da Guerrilha do Araguaia e da guerra que veio depois. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Cienc. Humanas, Belém, v. 6, n. 3, p. 479-499, Set.-dez. 2011

RIDENTI, Marcelo. S. As mulheres na política brasileira: os anos de chumbo. Tempo Social: Revista de Sociologia da USP, São Paulo, v.2, n.2, p. 113-128, 1990.


SOUZA, Sandra Regina Barbosa da Silva. “Ousar lutar, ousar vencer”: histórias da luta armada em Salvador (1969-1971). Salvador: EDUFBA, 2013

Downloads

Publicado

2020-07-15

Edição

Seção

Artigos