A "validade" da "arte paranaense" na crítica de Adalice Araújo

Autores

  • Luana Hauptman Cardoso de Oliveira Universidade Federal do Paraná

Palavras-chave:

Adalice Araújo, Crítica de arte, arte paranaense

Resumo

Adalice Araújo (1931 – 2012) foi a principal crítica de arte do Paraná. Durante sua trajetória uma de suas principais preocupações foi a de que a arte e os artistas paranaenses fossem entendidos como parte de um sistema de arte nacional e não classificados como regionais. Para alcançar esse objetivo Adalice atuou em várias frentes, mas foi como crítica de arte vinculada aos jornais de Curitiba que suas ideias tiveram maior repercussão. Assim, tendo em vista o que Roland Barthes chamou de “validades”, este artigo tem como objetivo analisar o sentido do uso do termo “arte paranaense” por Adalice Araújo. A hipótese é de que ao se referir à arte do Paraná em uma chave que leva a interpretações “regionalistas” e ao mesmo tempo aproximar a produção desses artistas de discussões sobre vanguarda e “Geração 80”, Adalice Araújo cria um recurso para destacar o que, apesar de respaldado em discussões nacionais, era específico do campo paranaense, sem, no entanto, defender algum tipo de regionalismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luana Hauptman Cardoso de Oliveira, Universidade Federal do Paraná

Possui graduação em Licenciatura em Artes Visuais pela Faculdade de Artes do Parana (2013). Especialização em História Social da Arte pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (2015). Mestrado em História, linha de pesquisa Arte, Memória e Narrativa (UFPR - 2018). Tem experiência na área de Arte, com ênfase em Artes Visuais.

Referências

AVANCINI, José Augusto. Expressão plástica e consciência nacional na crítica de Mário de Andrade. Porto Alegre: Ed. Universidade UFRGS, 1998.

ARAÚJO, Adalice. A participação de Roberto Pontual no II Encontro de Arte Contemporânea. Diário do Paraná, 20 de Setembro de 1970.

___. Arte – é hoje pró-texto. Diário do Paraná, Curitiba, 27 ago. 1972.

___. Salão da Jovem Arte Paranaense. Diário do Paraná, 19 de novembro de 1972.

___. Arte paranaense/geração 80. Jornal Gazeta do Povo, fev. 1987.

___. Raul Cruz artista símbolo da Geração 80. Curitiba: Revista Galerie, ano I, nº. 9, 1987, p. 25.

___. Paraná e Santa Catarina. In: BR80: pintura Brasil década 80. São Paulo: Instituto Cultural Itaú, 1991, p. 25-26.

___. Paranismo e a Arte Pós-Moderna. Gazeta do Povo, 26 de julho de 1987. Acervo MAC.

___. Entrevista concedida a Lilian Hollanda Gassen. Curitiba, 27 jun. 2005, p. 2.

BARTHES, Roland. Crítica e verdade. São Paulo: Perspectiva, 2007, p. 157-164.

CORREIO BRAZILIENSE. Arte moderna consagra porco empalhado. 9 de janeiro de 1968.

COUTO, Maria de Fátima Morethy. Arte engajada e transformação social: Hélio Oiticica e a exposição Nova Objetividade Brasileira. Estud. hist. (Rio J.) vol.25 no.49 Rio de Janeiro Jan./June 2012.

FREITAS, Artur. Arte e Contestação: o Salão Paranaense nos anos de chumbo. Curitiba: Medusa, 2013.

___. Festa no vazio: Performance e contracultura nos Encontros de Arte Moderna. São Paulo: Intermeios, 2017.

LIMA, Pedro Ernesto Freitas. “A Nova crítica” que nasce da crise: crítica no Brasil nos anos 1960-70. Anais do II Colóquio de Teoria Crítica e História da Arte, 2015.

MARANCA, Paulo. As medidas para superar a crise. Folha da tarde, São Paulo, 28 de agosto de 1981.

MORAIS, Frederico. Arte brasileira, anos 70: o fim da vanguarda? Revista Módulo, Rio de Janeiro, n. 55, p. 50-60, set. 1979.

___. A Transvanguarda, último grito vital, vive entre a comédia e o drama. O Globo, 02 de janeiro de 1982.

___. Opinião 65: ontem, hoje. In: Opinião 65. Rio de Janeiro: Galeria Banerj, 1985.

PONTUAL, Roberto. Hay que hablar. Jornal do Brasil, Carderno B, 12 de novembro de 1978.

OLIVA, Fernando Augusto. Um crítico em mutação: Frederico Morais e a arte brasileira em três momentos (1966-1973; 1974-1984; 1985-2012). Tese Doutorado, ECA-USP, 2017.

OSÓRIO, Luiz Camillo. Razões da crítica. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed., 2005, p. 17.

REIS, Paulo R. O. Arte de vanguarda no Brasil: os anos 60. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2006.

ROCHA, Maria Librandi. Anos 70: trajetórias. São Paulo, Iluminuras, Itaú Cultural, 2005.

Downloads

Publicado

2020-12-30

Como Citar

Oliveira, L. H. C. de. (2020). A "validade" da "arte paranaense" na crítica de Adalice Araújo. Revista Do Colóquio, 1(19), 100–118. Recuperado de https://portaldepublicacoes.ufes.br/colartes/article/view/33055