Capitania-mor de Sergipe del Rei e governo da Ilha de Santa Catarina: estatutos, jurisdições e hierarquias

Autores

  • Augusto da Silva Universidade Federal de Sergipe

DOI:

https://doi.org/10.47456/e-2021320308

Palavras-chave:

Capitania-mor, Sergipe de Rei, Governo Subalterno, Ilha de Santa Catarina

Resumo

O artigo propõe uma análise comparativa da história institucional da capitania-mor de Sergipe del Rei (1590-1820) e do governo da ilha de Santa Catarina (1738-1821). Observando as semelhanças e diferenças acerca do estatuto jurídico-político, dos vínculos de subordinação aos governos superiores, da remuneração dos seus chefes militares, assim como também dos principais órgãos civis e militares que neles se montaram, busca-se identificar as características fundamentais e a posição hierárquica desses dois estabelecimentos na estrutura da administração portuguesa na América.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Fontes

ARQUIVO DO ESTADO DE SÃO PAULO (AESP), Documentos Interessantes para a história e costumes de São Paulo, v. XVIII, p. 8 e 9.

ARQUIVO HISTÓRICO ULTRAMARINO (AHU), Bahia, Coleção Castro e Almeida, caixas. 3, 5,

____. Bahia, Avulsos, caixa 89.

____. Sergipe, caixas 1, 2, 3, 5, 6, 7, 8.

____. Códice 112.

____. Santa Catarina, caixas 3, 4, 5, 6.

ARQUIVO NACIONAL DA TORRE DO TOMBO (ANTT), Chancelaria de D. Maria I, Lv. 78; Registro Geral de Mercês, D. João V, Lv. 3 e 14; D. José I, Lv. 8.

ARQUIVO NACIONAL DO RIO DE JANEIRO (ANRJ), Fundo 86, Códice 106, v. 2, f. 211; v. 3 (final) e v. 4.

ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA (APEB), Seção de Arquivo Colonial e Provincial - Gov-Geral/Gov. da capitania-mor de Sergipe (1767-1799), mç. 190.

BIBLIOTECA NACIONAL. Anais da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, v. XXXIX, pp. 80, 99 e 142.

____. Documentos Históricos da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro (DHBN), anos indicados.

BLUTEAU, R. Vocabulário Portuguez e Latino... Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesu, 1712, 8v.

BRITO, P. J. M. de. Memória política sobre a capitania de Santa Catarina. Lisboa, 1829 [1816].

CALDAS, J. A. Notícia Geral de Toda Esta Capitania da Bahia desde o seu descobrimento até o presente ano de 1759. Salvador: Tipografia Beneditina, 1951 [Edição fac-similar].

COLEÇÃO DE LEIS DO IMPÉRIO DO BRASIL, 1809, v. 1. Disponível em: <https://www2.camara.leg.br/legin/fed/carreg_sn/anterioresa1824/cartaregia-40047-14-abril-1809-571617-publicacaooriginal-94762-pe.html>. Acesso em: jun. 2020.

Documentos sobre a Colônia do Sacramento e expedição que a foi socorrer em 1736. Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul, 1948, n. 109 a 112.

MENDONÇA, M. C. de. Raízes da Formação Administrativa do Brasil – Tomo II – Regimentos XVII a XXXIII. Rio de Janeiro: IHGB; Conselho Federal de Cultura, 1972.

Relatório do governador João Alberto de Miranda Ribeiro ao vice-rei conde de Resende, em 17.11.1797. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, v. 245, 1959.

Obras Gerais

ALENCASTRO, L. F. de. O trato dos viventes: formação do Brasil no Atlântico Sul, século XVI e XVII. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

ALMEIDA, L. F. de. A diplomacia portuguesa e os limites meridionais do Brasil (1493-1700). Coimbra: Universidade de Coimbra, 1957 (v. I).

AMARAL, B. do. Limites do Estado da Bahia (Bahia – Sergipe). Salvador: Imprensa Oficial do Estado, 1916.

ANTÔNIO, E. M. M. A Independência do solo que habitamos: poder, autonomia e cultura política na construção do Império Brasileiro. Sergipe (1750-1831). São Paulo: Editora UNESP, 2012.

____. Correspondências e cultura política na América Portuguesa: cartas e uma rebelião colonial. Revista Brasileira de História da Mídia (RBHM) - v. 5, n. 1, jan/2016 - jun/2016.

ARAÚJO, H. A. F. F. A construção da governabilidade no Estado do Brasil: perfil social, dinâmicas políticas e redes governativas do governo-geral (1642-1682). Tese (Doutorado em História), Instituto de História, Programa de Pós-graduação em História Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

AVELLAR, H. de A. Administração Pombalina. 2 ed. Brasília: Fundação Centro de Formação do Servido Público; Universidade de Brasília, 1983 (vol. 5 – História Administrativa do Brasil).

BLOCH, M. Para uma história comparada das sociedades europeias. Id. História e historiadores. Lisboa: Teorema, 1948.

BOMFIM, A. G. do. As capitanias de Itaparica e Tamarandiva e do Paraguaçu: administração, direito de propriedade e poder na América Portuguesa (c.1530 – c.1630). Salvador: PPG História da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFBA, 2016.

BOXER, C. Salvador de Sá e a luta pelo Brasil e Angola, 1602-1686. Trad. Olivério de Oliveira Pinto. São Paulo: Ed. Nacional: EDUSP, 1973 (Brasiliana, v. 353).

CABRAL, O. R. Santa Catarina (História – evolução). São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1937 (Col. Brasiliana, v. 80).

CARNAXIDE, V. de. O Brasil na administração pombalina: economia e política externa. Rio de Janeiro: Companhia Editora Nacional, 1940.

CHAVES, J. I. As capitanias de Pernambuco: política e administração na América Portuguesa (sécs. XVII-XVIII). Belo Horizonte: Fino Traço, 2021.

COELHO, M. J. d’A. Memória histórica da Província de Santa Catarina. 2. ed. Desterro: Tip. J. J. Lopes, 1877. [1. ed. 1853].

CORREA, C. H. P. História de Florianópolis – ilustrada. Florianópolis: Insular, 2004.

COSENTINO, F. C.: Hierarquia política e poder no Estado do Brasil: o governo-geral e as capitanias, 1654-1681. Topoi. Rio de Janeiro, v. 16, n. 31, p. 515-543, jul/dez., 2015.

____. Governadores gerais do Estado do Brasil (séculos XVI-XVII): ofício, regimentos, governação e trajetórias. São Paulo: Annablume/FAPEMIG, 2009.

____. Construindo o Estado do Brasil: instituições, poderes locais e poderes centrais. In: FRAGOSO, J.; GOUVÊA, M. de F. O Brasil Colonial, 1443-1580. v. I. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

CUNHA, M. S. da.; MONTEIRO, N. G. Governadores e capitães-mores do império atlântico português nos séculos XVII e XVIII. In: MONTEIRO, N. G.; CARDIM, P.; CUNHA, M. S. da. (Org). Optima Pars: elites ibero-americanas do Antigo Regime. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2005.

CURVELO, A. A. S. de C. Governar Pernambuco e as “capitanias anexas”: o perfil de recrutamento, a comunicação política e as jurisdições dos governadores da capitania de Pernambuco (c.1654 – c.1756). Tese (Doutorado em História), Programa Interuniversitário de Doutoramento em História. Universidade de Lisboa, ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa, Universidade Católica Portuguesa e Universidade de Évora, 2019.

ENCICLOPÉDIA Luso-Brasileira de Cultura. Lisboa: Verbo, s/d, vol. IX.

FREIRE, F. História de Sergipe (1575-1855). 3ª ed. São Cristóvão: Ed UFS, 2013.

HANDELMANN, H. História do Brasil. 4. ed. São Paulo: Itatiaia, 1982, p. 36. [1. ed. alemã: 1860].

HARO, M. A. P. de (Org). Ilha de Santa Catarina: relatos de viajantes estrangeiros nos séculos XVIII e XIX. 3 ed. Florianópolis: EdUFSC; Lunardelli, 1990.

HESPANHA, A. M. Poder e Instituições na Europa do Antigo Regime (coletânea de textos). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1984.

____. As estruturas políticas em Portugal na Época Moderna. In: TENGARRINHA, J. (Org). História de Portugal. 2 ed. Bauru, SP: EDUSC, UNESP; Lisboa: Instituto Camões, 2001.

____; SANTOS, M. C. “Os poderes num império oceânico”. In: HESPANHA, A.M. (Coord). História de Portugal – v. 4, O Antigo Regime (1620-1807). Lisboa: Estampa, 1998.

LIMA Jr., F. de C. História dos limites entre Sergipe e Bahia. São Cristóvão: Ed. da UFS; Aracaju: IHGSE, 2015 [1919].

MENDONÇA, M. C. de. Raízes da Formação Administrativa do Brasil – Tomo II – Regimentos XVII a XXXIII. Rio de Janeiro: IHGB; Conselho Federal de Cultura, 1972.

MONTEIRO, N. G. Elites e poder: entre o Antigo Regime e o liberalismo. Lisboa: ICS, 2003.

____. Governadores e capitães-mores do império atlântico português no século XVIII. In: BICALHO, M. F. B.; FERLINI, V. (Org). Modos de governar: ideias e práticas políticas no império português – séculos XVI a XIX. São Paulo: Alameda, 2005.

MORAES, A. C. R. Bases da formação territorial do Brasil: o território colonial brasileiro no “longo” século XVI. São Paulo: Hucitec, 2000.

____; COSTA, W. M. da. A valorização do espaço. São Paulo: Hucitec, 1984.

MOTT, L. R. Sergipe del Rei: população, economia e sociedade. Aracaju: FUNDESC, 1986.

NUNES, M. T. Sergipe colonial I. 2 ed. São Cristóvão: Ed. UFS; Aracaju: Fundação Oviedo Teixeira, 2006.

____. Sergipe Colonial II. Rio de Janeiro: Tempo brasileiro, 1996.

PAIVA, J. G. de O. Notícia geral da Província de Santa Catarina. In: DICIONÁRIO topográfico, histórico e estatístico da Província de Santa Catarina. Florianópolis: IHGSC, 2003 (Col. Catariniana, 5). [1. ed. 1868]

PIAZZA, W. F. A epopéia açórico-madeirense (1747-1756). Florianópolis: EdUFSC; Lunardelli, 1992.

____. Santa Catarina: sua história. Florianópolis: Ed. UFSC; Lunardelli, 1983.

PINHEIRO, J. F. F. (Visconde de São Leopoldo). Resumo histórico da Província de Santa Catarina. Anais da Província de São Pedro. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1982 (Série Documenta, 11). [1. ed. c. 1832]

PRADO Jr. C. Formação do Brasil Contemporâneo: colônia. 23 ed. São Paulo: Brasiliense, 1999.

PRADO, I. do. A Capitania de Sergipe e suas Ouvidorias (Memória sobre questões de limites). 2 ed. São Cristóvão: Editora da UFS; Aracaju: IHGSE, 2015.

RIBEIRO, M. da S. Divisão Governativa do Estado do Brasil e a Repartição do Sul. XII Encontro Regional de História – ANPUH, Rio de Janeiro, 2006.

ROLIM, A. Jurisdição militar, inquisitorial e territorial no sul de Pernambuco: contribuição a uma arquitetura dos poderes nas capitanias de Porto Calvo, Alagoas e Rio de São Francisco (1655-1712). Revista Ultramares, n. 2, v. 2, jan/jul. 2012, pp. 130-159.

RUSSELL-WOOD, A. J. R. “A projeção da Bahia no Império Português”. In: Anais do 4º Congresso de História da Bahia. [Salvador 450 anos], 27 de setembro a 1º de outubro de 1999. Salvador: Instituto Geográfico e Histórico da Bahia; Fundação Gregório de Matos, 2001.

SALDANHA, A. V. de. As capitanias do Brasil: antecedentes, desenvolvimento e extinção de um fenómeno atlântico. Lisboa: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 2001.

SCHWARTZ, S. Segredos internos: engenhos e escravos na sociedade colonial. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

SILVA, A. da. O governo da ilha de Santa Catarina e sua terra firme: território, administração e sociedade (1738-1807). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2013.

SIQUEIRA, L. Homens de mando e de guerra: capitães-mores em Sergipe del Rey (1648-1743). Tese (Doutorado em História), Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2016.

TILLY, C. “War Making and State Making as Organized Crime”. In: EVANS, P. B.; RUESCHEMEYER, D.; SKOCPOL, T. (Eds). Bringing the State Back In. Cambridge: Cambridge Universtiy Press, 1985, p. 169-191.

VARNHAGEN, F. A. de. História Geral do Brasil. 5 ed. São Paulo: Edições Melhoramentos, 1956.

VIANA, F. V. Estudo sobre a origem histórica dos limites entre Sergipe e Bahia. Salvador: Typ. e Enc. Do Diário da Bahia, 1891.

VIANNA, H. História do Brasil colonial. São Paulo, 1945.

WEHLING, A. Administração Portuguesa no Brasil de Pombal a D. João (1777-1808). Brasília-DF: Fundação Centro de Formação do Servido Público, 1986 (vol. 6 – História Administrativa do Brasil).

Downloads

Publicado

12-11-2021

Como Citar

DA SILVA, A. Capitania-mor de Sergipe del Rei e governo da Ilha de Santa Catarina: estatutos, jurisdições e hierarquias . Revista Ágora, [S. l.], v. 32, n. 3, p. e–2021320308, 2021. DOI: 10.47456/e-2021320308. Disponível em: https://portaldepublicacoes.ufes.br/agora/article/view/36017. Acesso em: 21 maio. 2022.