A sociedade multicultural e a escola. Será possível uma ética global para a educação?

Fernando Humberto Serra

Resumo


Resumo: Neste ensaio são analisados os desafios que a sociedade multicultural acarreta para a escola e o papel que esta pode demonstrar na ultrapassagem crítica de soluções pedagógicas e curriculares de teor relativista. São adotadas perspetivas analíticas centradas snos modelos de regulação sociopolítica da diversidade e no impacto da diversidade cultural na escola. O texto culmina com a proposta de um cenário educativo em que os princípios universalistas e a ideia de condição humana constituam um horizonte de chegada da ação educativa.

Palavras-Chave: Diversidade Cultural; Educação Multicultural; Relativismo Ético; Ética Universalista.

 

Resumen: En este ensayo se analizan los retos que la sociedad multicultural aporta a la escuela y el papel que puede demostrar los avances de soluciones críticas pedagógicas y curriculares de contenido relativista. Se adoptan perspectivas de análisis centradas en los modelos de regulación sociopolítica de la diversidad y el impacto de la diversidad cultural en la escuela. El texto concluye con la propuesta de un entorno educativo en el que los principios universales y la idea de la condición humana constituyen un horizonte de llegada de la acción educativa.

Palabras Clave: Diversidad Cultural; Educación Multicultural; Relativismo Ético; Ética Universalista.

 

Abstract: This article focuses on the challenges that multicultural society entails for the school and the role it can demonstrate in the critical overtaking of relativistic pedagogical and curricular solutions. Analytical perspectives are adopted focusing on the socio-political regulation of diversity and the impact of cultural diversity in schools. The paper concludes with a proposal for an educational setting in which universal principles and the idea of the human condition constitute a horizon of arrival of educational action.

Keywords: Cultural Diversity; Multicultural Education; Ethical Relativism; Universalist Ethics.


Texto completo:

PDF

Referências


ALTGLAS, Véronique (2010). “Laïcité is what laïcité does: rethinking the french cult controversy”. Current Sociology, n. 58 (vol. 3), pp. 1-22.

BAGANHA, Maria (2007). Dinâmicas migratórias em Portugal. Comunicação apresentada no Colóquio Globalização, Pobreza e Migrações, ciclo “África Começou Mal, África Está Mal: A Tragédia Africana” Faculdade de Economia, 9 de Março de 2007. Disponível em: http://www4.fe.uc.pt/ciclo_int/doc_06_07/baganha.pdf - Acesso em: 15 out. 2011.

BANKS, James A. (1991). “Multicultural literacy and curriculum reform”. Educational Horizons, Spring, pp. 135-140.

BOUDON, Raimond (2009). O relativismo. Lisboa: Gradiva, 2009.

BOURDIEU, Pierre/COLLEGE DE FRANCE (1985). Propositions pour l’enseignement de l’avenir. Disponível em: http://www.samuelhuet.com/paid/44-polemos/202-p-bourdieu-le-rapport-du-college-de-france.html - Acesso em: 9 nov. 2016.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean-Claude (1979). A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Lisboa: Editorial Veja.

CARDOSO, Carlos (1989). Educação multicultural. Lisboa: Texto Editora.

COUNCIL OF EUROPE (2011). “Living Together. Combining diversity and freedom in 21st-century Europe”. Report of the Group of Eminent Persons of the Council of Europe. Disponível em: http://human-rights-convention.org/2011/05/11/living-together-combining-diversity-and-freedom-in-21st-century-the-group-of-eminent-persons-presents-its-report/ - Acesso em: 11 out. 2011.

DURKHEIM, Émile (1995). A evolução pedagógica. Edição original em Língua Francesa de 1938. Porto Alegre: Artes Médicas.

ENGLUND, Thomas (1991). “Replanteamento de Ia história del curriculum: hacia una nueva orientacion teórica”. Revista da Educación, n. 295, pp.113-132.

FORQUIN, Jean-Claude (1993). A escola e cultura. as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Porto Alegre: Artes Médicas.

FORQUIN, Jean-Claude (2000). “O currículo entre o relativismo e o universalismo”. Educação & Sociedade, ano XXI, n. 73, dez. pp 47-70.

GIMENO SACRISTÁN, José (2003). Educar e conviver na cultura global. Porto: Edições Asa.

GOODSON, Ivor (1991). “La construcción social del currículum. posibilidades y ambitos de investigación de la história del curriculum”. Revista de Educación, n. 295, pp. 7-37.

______. (1997). A construção social do currículo. Lisboa: Educa.

______. (1998). Historia del currículum. La construcción social de las disciplinas escolares (ed. original em Língua Inglesa, 1995). Barcelona: Pomares Corredor.

HANSOTTE, Majo (2008). As inteligências cidadãs. Como se adquire e inventa a palavra colectiva. Lisboa: Instituto Piaget.

HERMET, Guy (2004). “Conclusão. Multiculturalismo e democracia na Europa”. In: KASTORYANO, R. (org.). Que identidade para a Europa? O multiculturalismo e a Europa. O problema da identidade europeia. Lisboa: Ulisseia. pp. 235-240.

JEANBART, B. (2004). “A pertença à Europa, um sentimento largamente partilhado mas muito evolutivo”. In: DEHOVE, M. (dir.) O novo estado da Europa. Lisboa: Campo da Comunicação. pp. 25-28.

KASTORYANO, Riva (2004). “Introdução. Multiculturalismo: uma identidade para a Europa?”. In: KASTORYANO, Riva (Org.). Que identidade para a Europa? O multiculturalismo e a Europa. O problema da identidade europeia. Lisboa: Ulisseia. pp. 13-38.

KOHLBERG, Lawrence (1981). The philosophy of moral development. San Francisco: Harper and Row.

LABAYLE, H. (2004). “A Europa e a imigração: a fortaleza impossível”. In: DEHOVE, M. (Dir.) O novo estado da Europa. Lisboa: Campo da Comunicação. pp. 233-236.

LE GALÉS, Philippe (2004). “Mitos, renovação e contradições das cidades na Europa”. In: DEHOVE, M. (Dir.) O novo estado da Europa. Lisboa: Campo da Comunicação. pp. 41-44.

LEVEAU, R. (2004). “Espaço, cultura, fronteira. Projecção da Europa no exterior”. In: KASTORYANO, R. (Org.). Que identidade para a Europa? In O multiculturalismo e a Europa. O problema da identidade europeia. Lisboa: Ulisseia. pp. 223-233.

LINCH, J. (1983). Teaching in the multicultural school. Londres: Ward Lock.

MAGALHÃES, João Baptista (2010). Horizontes da ética. Para uma cidadania responsável. Porto: Afrontamento.

MORIN, Edgar (2000). Os sete saberes necessários à educação do futuro. UNESCO. S. Paulo: Cortez Editora.

______. (2004). A cabeça bem-feita. Repensar a reforma e reformar o pensamento. 10. ed. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil.

NOVOTNÝ, Vít (2012). “Editor’s Introduction”. In: NOVOTNÝ, V. (ed.). Opening the Door? Immigration and the integration in the European Union. Brussels: Centre for European Studies. pp. 9-13.

OLIVEIRA, Ana; GALEGO, Carla (2005). A mediação sócio-cultural: um puzzle em construção. Lisboa: Alto – Comissariado para a Imigração e Minorias Étnicas.

PRAT, Mary Louise (1991). “Arts of the Contact Zone”. Professions, n. 91, pp.33-40.

RAWLS, John (1993). Uma teoria da justiça. Lisboa: Editora Presença.

REX, John (1988). Raça e etnia. Lisboa: Editorial Estampa.

ROMERO, Carlos G. (2010). Mediação intercultural. Observatório da Imigração. Lisboa: ACIME.

SAVIDAN, Patrick (2010). O multiculturalismo. Lisboa: Europa-América.

SWANN, Abram (1991). “El Curriculum Elemental como Código Nacional de Comunicación”. Revista de Educación, 295, pp. 207-290.

UNESCO (2002). Declaração Universal sobre a Diversidade Cultural. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0012/001271/127160por.pdf - Acesso em: 10 out. 2011.

ZIRFAS, Jörg (2001). “Ética global como ética glocal”. Educação & Sociedade, n. 22 (76), pp. 1-18.

ZEE, Paul (1980). “Multicultural education: what kind of relativism is possible?”. Journal of Philosophy of Education, n. 14, pp. 77-86.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




_____________

ISSN: 2316-1620

_____________

QUALIS:

Interdisciplinar B2

Administração B3

História B3

Sociologia B4

Antropologia B4

Ciência Política B5

____________________________________________________________________________________________________

INDEXADORES e DIRETÓRIOS

                                                

                                            

                                

   ____________________________________________________________________________________________________
NAS REDES SOCIAIS:
 
       

____________________________________________________________________________________________________

ciências humanas e sociais