EDUCAÇÃO ESPECIAL, INCLUSÃO SOCIAL E A META 4 DO PNE: UM RECORTE NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO

Rafael Marques Garcia, Erik Giuseppe Barbosa Pereira

Resumo


A educação inclusiva é discutida no Brasil desde a década de 1980-1990, tornando-se um desafio para os programas educacionais, uma vez que, mesmo com o passar dos anos e a inserção cada vez maior de pessoas com deficiência na sociedade, esta ainda se apresenta resistente e presa à existência de classes estudantis pautadas por uma perspectiva não inclusiva. O objetivo deste estudo foi analisar a aplicabilidade da Meta 4 do Plano Nacional de Educação no município do Rio de Janeiro. A metodologia utilizada foi de caráter qualitativo e descritivo, utilizando como instrumentos entrevistas semiestruturadas e vistorias estruturadas, posteriormente analisadas por meio da técnica de análise de conteúdo. Os resultados revelam que as perspectivas de acessibilidade presentes na Meta 4 transpassam o âmbito educacional, exigindo da sociedade, de modo geral, uma mudança para contribuir na efetiva aplicação da referida meta tanto no Rio de Janeiro quanto em todos os entes federados.

Palavras-chave: Inclusão. Deficiência. Educação. PNE.


Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9050: acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. 3. ed. Rio de Janeiro: ABNT, 2015.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições, v. 70, 2011.

BRASIL. Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, v. 134, n. 248, 23 dez. 1996. Seção I, p. 27834-27841.

BRASIL. Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva. Documento elaborado pelo Grupo de Trabalho nomeado pela Portaria n.º 555/2007, prorrogada pela Portaria n.º 948/2007, entregue ao Ministro da Educação em 07 de janeiro de 2008. Brasília: Ministério da Educação, 2008.

BRASIL. Secretaria Especial dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Estatuto da Pessoa com Deficiência. 2013. Disponível em: . Acesso em: 05 nov. 2018.

BRASIL. Plano nacional de Educação 2014-2024. 2014a. Brasil [recurso eletrônico]: Lei n.º 13.005, de 25 de junho de 2014, que aprova o Plano Nacional de Educação (PNE) e dá outras providências. – Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2014. 86 p. – (Série legislação; n. 125).

BRASIL. Notas estatísticas – Censo escolar 2014. 2014b. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Disponível em: . Acesso em: 06 nov. 2018.

BRASIL. Lei n.º 13.146, de 06 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). 2015. Disponível em:

. Acesso em: 06 nov. 2016.

BRASIL. Censo Escolar da Educação Básica 217 – Caderno de Instruções. 2017. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Disponível em: . Acesso em: 06 nov. 2018.

BRUINI, E. C. “Educação no Brasil”; Brasil Escola. Disponível em . Acesso em: 15 out. 2016.

BUENO, J. G. S. Educação especial brasileira: integração/segregação do aluno diferente. 2. ed. São Paulo: EDUC, 2004.

DEMO, P. Pesquisa e informação qualitativa: aportes metodológicos. 5. ed. Campinas-SP: Papirus, 2012.

DUARTE, N. Educação Escolar, Teoria do Cotidiano e a Escola de Vygotsky. Campinas-SP: Autores Associados, 1996.

ELY, N. H. Biblioteca escolar em escolas publicas estaduais 1. grau: um estudo sobre a atualização, adequação e utilização da coleção de livros. 1988. 137 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 1988.

FREIRE, P. Educação: o sonho possível. In: BRANDÃO, C. (Org.). O Educador: vida e morte. Rio de Janeiro: Graal, 1982.

GLAT, R. Questões Atuais em Educação Especial. In Anais do 8.º Congresso Estadual das APAEs de Minas Gerais, 2002.

HUNGER, D.; SQUARCINI, C. F. R.; PEREIRA, J. M. A pessoa portadora de deficiência física e o lazer. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 25, n. 3, p. 85-100, maio 2004.

KASSAR, M. C. M. Educação especial no Brasil: desigualdades e desafios no reconhecimento da diversidade. Educação e Sociedade, Campinas, v. 33, n. 120, p. 833-849, jul./set. 2012.

LA ROSA, J. Efeitos de um programa de intervenção na autoconceito e rendimento escolar de alunos do 2.º grau. Revista Psico, v. 26 (1), p. 107-120, 1995.

MELO, V. A.; ALVES JÚNIOR, E. Introdução ao lazer. São Paulo: Manole, 2003.

PREFEITURA DO RIO DE JANEIRO. Secretaria Municipal de Educação – SME: Educação Especial. 2015. Disponível em . Acesso em: 09 out. 2016.

PUPO, D. T.; VICENTINI, R. A. B. A integração do usuário portador de deficiência às atividades de ensino e pesquisa: o papel das bibliotecas virtuais. Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias, v. 10, 1998.

SASSAKI, R. K. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. 8. ed. Rio de Janeiro: WVA, 2010.

SILVA, J. V. P.; MENDONÇA, T. C. F.; SAMPAIO, T. M. V. Grupos de pesquisas e enfoque dado ao lazer das pessoas com deficiência na produção científica no Brasil. Revista Licere, v. 17, n. 3, p. 66-98, 2014.

THUMS, J. Educação dos sentimentos. Sulina/ULBRA: Porto Alegre, 1999.

TOMAZINI, M. E. A. Trabalho e Deficiência: uma questão a ser repensada. Palestra ministrada no II Seminário Paranaense de Educação Especial. [Tema: Educação, trabalho e cidadania], realizado em Curitiba, em 5 – 8 de novembro de 1996. Apostila.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. O positivismo; a fenomenologia; o marxismo. São Paulo: Atlas, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.