REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DE TECNOLOGIA ASSISTIVA POR PROFESSORES DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL MATRICULADOS EM UMA ESCOLA REGULAR

Thiago Sardenberg, Helenice Maia

Resumo


Resumo: Tecnologia assistiva (TA) é um termo recente no Brasil, definido nos documentos legais, em 2006, como o uso de recursos e/ou serviços que garantam a autonomia e a independência da pessoa com deficiência. O objetivo desta pesquisa foi investigar as possíveis representações sociais de tecnologia assistiva elaboradas por professores dos anos iniciais do ensino fundamental que atuam em uma escola regular com alunos deficientes visuais (DV) incluídos. O referencial teórico adotado foi a Teoria das Representações Sociais desenvolvida por Serge Moscovici. Para a coleta de dados, foram analisados documentos oficiais relativos à TA e realizadas entrevistas semiestruturadas com sete professores, os quais foram analisados em seu conteúdo, conforme proposto por Lawrence Bardin. A análise das entrevistas evidenciou que, para os professores entrevistados, o conhecimento da TA é orientado provavelmente pela polissemia do termo “recurso” encontrado nos documentos oficiais, pois os professores associaram TA a qualquer recurso que inclui, relativo à perspectiva tanto da TA quanto à pedagógica. No que concerne às representações sociais da TA, foram encontrados alguns indícios dessa representação no grupo dos docentes, pois, mesmo não reconhecendo a expressão TA, eles associaram-na a recursos, estratégias e produtos utilizados com o aluno DV. É provável que essa representação esteja em fase de elaboração, pois esses recursos aparecem nas conversas sobre TA e trocas de informações sobre ela.

Palavras-chave: Representações Sociais. Tecnologia Assistiva. Deficiência Visual.


Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2016.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Decreto n.º 5.296, de 2 de dezembro de 2004. Regulamenta as Leis n.os 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/2004/decreto-5296-2-dezembro-2004-534980-normaatualizada-pe.pdf. Acesso em: 12 out. 2016.

______. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP n.º 02/2015, de 1.º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília, Diário Oficial da República Federativa do Brasil, seção 1, n. 124, p. 8-12, 02 de julho de 2015a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=17719-res-cne-cp-002-03072015&category_slug=julho-2015-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 11 jun. 2017.

______. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução n.o 4, de 2 de outubro de 2009a. Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_09.pdf. Acesso em: 10 abr. 2018.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Programa de Capacitação de Recursos Humanos do Ensino Fundamental: deficiência visual. BRUNO, M. M. G.; MOTA, M. G. B. (Orgs.). Brasília: 2001, v. 3.

______. Presidência da República. Lei n.o 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2015/lei-13146-6-julho-2015-781174-normaatualizada-pl.pdf . Acesso em: 10 maio 2016.

______. Presidência da República. Casa Civil. Decreto n.o 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/d7611.htm. Acesso em: 10 abr. 2018.

______. Subsecretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Comitê de Ajudas Técnicas. Tecnologia Assistiva. Brasília: CORDE, 2009(b). 138 p.

CALHEIROS, D. S.; MENDES, E. G.; LOURENÇO, G. F. Considerações acerca da Tecnologia Assistiva no cenário educacional brasileiro. Revista Educação Especial, Santa Maria, p. 229-243, 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5902/1984686X18825.Acesso em: 17 jan. 2018.

CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL. Resolução n.o 316, de 19 de julho de 2006. Dispõe sobre a prática de Atividades de Vida Diária, de Atividades Instrumentais da Vida Diária e Tecnologia Assistiva pelo Terapeuta Ocupacional e dá outras providências. Disponível em: https://www.coffito.gov.br/nsite/?p=3074. Acesso em: 22 abr. 2018.

GALVÃO FILHO, T.; MIRANDA, T. G. Tecnologia Assistiva e paradigmas educacionais: percepção e prática dos professores. Anais da 34.ª Reunião Anual da ANPEd – Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. Natal: ANPEd, 2011. Disponível em: http://www.galvaofilho.net/Artigo_34_ANPEd.pdf. Acesso em: 27 maio 2017.

GLAT, R.; PLETSCH, M. O papel da Universidade no contexto da política de Educação Inclusiva: reflexões sobre a formação de recursos humanos e a produção de conhecimento. Revista de Educação Especial, Santa Maria, v. 23, n. 38, p. 345-356, set./dez. 2010.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/94/cd_2010_religiao_deficiencia.pdf. Acesso em: 27 maio 2017.

JODELET, D. (Org.). As representações sociais. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2001.

MOSCOVICI, S. Representações sociais: investigações em psicologia social. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

POUPART. J. et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. 4. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2016.

SÁ, C. P. A construção do objeto de pesquisa em representações sociais. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.