A ANTROPOLOGIA DO NÃO-LUGAR E A ESCOLARIZAÇÃO EM AMBIENTE HOSPITALAR

Fernando Lionel Quiroga

Resumo


Discute-se neste artigo a articulação entre a vida e a experiência da continuidade escolar em adolescentes durante a fase de tratamento por motivo de doença de origem neoplásica. Abordamos a questão a partir da experiência da escolarização em ambiente hospitalar. Entrevistamos 6 alunos/adolescentes e 4 professores com o intuito de compreender os sentidos decorrentes desta fase da vida em relação à escolarização e sua relação com os efeitos do tratamento e o contato com os saberes escolares. Nossos resultados apontam uma vasta possibilidade interpretativa à luz do pensamento das sociedades contemporâneas. Concluímos que a experiência da escola móvel restitui o sentido essencial da escolarização: um sentido da aprendizagem que se vincula ao de vitalidade.

Texto completo:

PDF

Referências


AUGÉ, M. Por uma antropologia da mobilidade. Trad. Bruno César Cavalcanti e Rachel Rocha de A. Barros. Maceió: EDUFAL: UNESP, 2010.

______. Não-lugares: Introdução a uma antropologia da supermodernidade. Trad. Maria Lúcia Pereira. 4. ed. Campinas: Papirus, 2004.

AGAMBEN, G. O que é contemporâneo? e outros ensaios. Chapecó, SC: Argos, 2010.

_____. Estado de exceção. São Paulo: Boitempo, 2004.

ARENDT, H. A Condição humana. Trad. Roberto Raposo. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

______. Entre o passado e o futuro. Juiz de Fora: UFJF, 2008.

______. Vida do espírito. Trad. César Augusto R. de Almeida, Antônio Abranches e Helena Franco Martins. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2011.

______. Escritos da Educação. Rio de Janeiro: Vozes, 2008.

______. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. Trad. Denice Bárbara Catani. São Paulo: Unesp, 2004.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Imprensa Oficial, 1988.

CERTEAU, M. de. A Invenção do Cotidiano: Artes de Fazer. Petrópolis: Vozes, 2002.

COVIC, A. N. Atendimento pedagógico hospitalar: Convalidando uma experiência e sugerindo ideias para a formação de educadores. Dissertação de Mestrado: PUC-SP, 2003.

COVIC, A, N; OLIVEIRA, F. A. M. O Aluno Gravemente Enfermo. São Paulo: Cortez, 2011.

COVIC, A. N. Atendimento pedagógico hospitalar: Convalidando uma experiência e sugerindo ideias para a formação de educadores. Dissertação de Mestrado: PUC-SP, 2003.

CHAUÍ, M. O que é ser educador hoje? Da arte à ciência: a morte do educador. In: BRANDÃO, Carlos R. (Org.). O educador: vida e morte. Rio de Janeiro: Graal, 1982. [Data: Jan-1982.]

DURKHEIM, É. As Regras do Método Sociológico. São Paulo: Abril S.A., 1973. (Coleção os Pensadores)

______. O suicídio. São Paulo: Abril Cultural, 1973. p. 465-504. (Coleção Os Pensadores, v. 33)

EAGLETON, T. A ideia de cultura. Trad. Sandra Castello Branco. São Paulo: Unesp, 2005.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir. Petrópolis: Vozes, 1987.

______. Nascimento da biopolítica: curso dado no Collège de France. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

GEERTZ, C. A Interpretação das Culturas. 1. ed. 13 impressão. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

GINZBURG, C. O Inquisidor como antropólogo. In: Revista Brasileira de História. São Paulo: Marco Zero. V. 1, nº. 21. p. 09-20, set.90/fev. 1991.

HEIDEGGER. M. Ser e tempo (Parte I). Trad. Maria Sá Cavalcante Schuback. 15. ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

______. Ser e tempo (Parte II). Trad. Maria Sá Cavalcante Schuback. 13. ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

MUKHERJEE, S. O imperador de todos os males. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

SOLJENITZINE, A. Pavilhão de cancerosos. São Paulo: Expressão e Cultura, 1974.

SONTAG, S. Aids & suas metáforas. São Paulo: Companhia das Letras, 1984.

______. A doença como metáfora. Trad. Márcio Ramalho. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1984.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.