ACOMPANHAMENTO DE DOIS ALUNOS SURDOS DURANTE O CICLO I E CICLO II DO ENSINO FUNDAMENTAL

Keli Lima

Resumo


A inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais, abrangendo alunos surdos, no ensino regular é um tema debatido com frequência nos últimos anos e é uma realidade atual na prática escolar. O professor interlocutor é a ponte entre o professor regente e o aluno surdo na transmissão de informações. O presente estudo teve como objetivo analisar aspectos do processo de escolarização de dois alunos surdos durante o ciclo I e II do ensino fundamental vivenciado por um professor interlocutor e discutir os achados frente à revisão da literatura sobre o tema. Caso #1, a estudante de 9 anos, surda moderada, apresentou evolução mais acentuada durante a alfabetização e letramento. Caso #2, o estudante de 11 anos, surdo profundo e com comportamentos de agressividade, apresentou evolução modesta. Importante notar a forma como a escola se envolveu com a inclusão no ciclo I e no ciclo II foi distinta e possivelmente teve impacto no desenvolvimento dos alunos surdos. Em conclusão, a descrição de novos estudos observacionais sobre a inclusão de alunos surdos, no ensino regular por diferentes vozes, é importante para definir os locais de ocorrência, melhorar as ações de inclusão e criar melhores oportunidades para os alunos surdos.


Texto completo:

PDF

Referências


Referências

BARBOSA-JUNIOR, J. A função do tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais – LIBRAS: âmbitos de atuação e o intérprete educacional. In: Simpósio Profissão Tradutor, 2010, São Paulo. PROFT em Revista: Anais do Simpósio Profissão Tradutor 2010. São Paulo: PROFT. v. 1. p. 48-49, 2010.

BRASIL. Lei Nº 7.853, de 24 de Outubro de 1989. Dispõe sobre o apoio às pessoas portadoras de deficiência, sua integração social, sobre a Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência - Corde, institui a tutela jurisdicional de interesses coletivos ou difusos dessas pessoas, disciplina a atuação do Ministério Público, define crimes, e dá outras providências. Diário Oficial da União - Seção 1 Brasília, DF, 25 de out. 1989, p. 19209.

BRASIL. Decreto Nº 3.298, de 20 de dezembro de 1999. Regulamenta a Lei no 7.853, de 24 de outubro de 1989, dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, consolida as normas de proteção, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 21 de dez. 1999, p. 10.

BRASIL. Lei Nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Diário Oficial da União, Ministério da Educação – MEC, Brasília, DF, 25 de abril de 2002, p. 23.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Câmara de Educação Básica. Resolução CNE/CEB Nº 2, de 11 de Setembro de 2001. Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Diário Oficial da União, Brasília, 14 de setembro de 2001. Seção 1E, p. 39-40.

DECLARAÇÃO de Salamanca: Sobre Princípios, Políticas e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais. Brasília: Corde, 1991. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf. Acesso em: 20 out. 2016.

DORZIAT, A.; ARAÚJO, J. R. O Intérprete de Língua de Sinais no Contexto da Educação Inclusiva: o Pronunciado e o Executado. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 18, n. 3, p. 391-410, 2012.

DUBOC, M. J. O. A formação do professor e a inclusão educativa: uma reflexão centrada no aluno surdo. Revista Educação Especial. v. 26, 2005.

EQUIPE INCLUSIVE. MEC: Números revelam avanço da política de educação inclusiva no Brasil. 2011. Disponível em: . Acesso em: 04 nov. 2017.

ESTADO DE SÃO PAULO. Resolução SE-38, de 19 de Junho de 2009. Dispõe sobre a admissão de docentes com qualificação na Língua Brasileira de Sinais - Libras, nas escolas da rede estadual de ensino. Diário Oficial do Estado de São Paulo - Poder Executivo - Seção I – São Paulo, SP, 23 de junho de 2009, p. 20.

GARCIA, M. C. G; MICHELS, M. H. A política de educação especial no Brasil (1991-2011): Uma análise da produção do GT15 – Educação especial da ANPED. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 17, p. 105-124, 2011.

GESUELI, Z. M.; MOURA, L. Letramento e surdez: a visualização das palavras. Educação Temática Digital, v. 7, n. 2, p.110-122, 2006.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/painel/painel.php?codmun=354530. Acesso em: 20 out. 2016.

KLEIMAN, A. Modelos de Letramento e as práticas de alfabetização na escola In: KLEIMAN, A. (org.). Os significados do letramento. Campinas: Mercado de Letras. p. 15-59, 1995.

LACERDA, C. B. F. O intérprete de Língua de Sinais em sala de aula: experiência de atuação no ensino fundamental. Contrapontos, Itajaí, v. 5, n. 3, p. 353-367, 2005.

LACERDA, C. B. F. A inclusão escolar de alunos surdos: O que dizem alunos, professores e intérpretes sobre esta experiência. Cadernos Cedes, Campinas, v. 26, n. 69, p. 163-184, 2006.

LACERDA, C. B. F.; LODI, A. C. B. A difícil tarefa de promover uma inclusão escolar bilíngue para alunos surdos. In: 30ª. reunião anual da ANPED, 2007, Caxambu. Anais da 30ª. reunião nacional da ANPED. Rio de Janeiro: ANPED. v. 1. p. 1-14, 2007.

MEC/SEESP. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Documento elaborado pelo Grupo de Trabalho nomeado pela Portaria Ministerial nº 555, de 5 de junho de 2007, prorrogada pela Portaria nº 948, de 09 de outubro de 2007. Disponível em: http://peei.mec.gov.br/arquivos/politica_nacional_educacao_especial.pdf. Acesso em: 20 nov. 2016.

QEdu: Use dados. Transforme a educação. Disponível em: http://www.qedu.org.br/. Acesso em: 20 out. 2016.

QUADROS, R. M. Educação de surdos: efeitos de modalidade e práticas pedagógicas. In: Temas em Educação Especial IV, 2004. São Carlos: EDUFSCar, 2004. p. 1 -14.

ROJO, R. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

SILVA, A. B. P.; PEREIRA, M. C. C. O Aluno Surdo na Escola Regular: Imagem e Ação do Professor. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 19, n. 2, p. 173-176, 2003.

SILVA, A. T. C.; JÚNIOR, M. R. M.; DE LIMA, F. J. O intérprete de Língua Brasileira de Sinais no ensino fundamental e seu papel na escola comum (Artigo–trabalho de conclusão de curso). Recife: UFPE, Centro de Educação, Coordenação do Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia, 2008.

SILVA, K. S. X.; OLIVEIRA, I. M. O Trabalho do Intérprete de Libras na Escola: um estudo de caso. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 41, n. 3, p. 695-712, 2016.

SILVA T. T. Identidade e Diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.