AS CONCEPÇÕES DOS PROFESSORES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO PARA UM ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL

Rosemar Santos Soares, Fernanda de Araújo Binatti Chiote

Resumo


O presente artigo tem por objetivo analisar as concepções dos professores sobre o processo de ensino para um aluno com deficiência intelectual nas séries finais do ensino fundamental. Toma como referencial teórico a abordagem histórico-cultural, tendo como principal referência os estudos de Vigotski (1983, 1997) sobre o desenvolvimento infantil e defectologia. O estudo consistiu numa pesquisa exploratória por meio de um estudo de caso. A entrevista foi a principal fonte de coleta dos dados. Teve como sujeitos duas pedagogas e três professores (dois de sala regular e um de educação especial) que atuavam com Bob, aluno com deficiência intelectual. As análises apontam para: uma concepção de ensino-aprendizado ainda pautado na adaptação do aluno com deficiência intelectual à escola; o fato de os professores das disciplinas transferirem o processo de ensino dos conteúdos para a professora especializada, na confecção de atividades e materiais adaptados de modo que o aluno com deficiência intelectual as realiza; o foco nas dificuldades do aluno, o que gera ações minimizadas em relação ao ensino dos conteúdos escolares. Os planejamentos conjuntos dos professores regentes com as professoras de educação especial são considerados como um desafio dentro da organização e dinâmica escolar. Os relatos apresentados revelam que a ação educativa com Bob ainda se baseia em ofertar ao aluno aquilo que ele já dá conta de fazer, limitando as aprendizagens e consequentemente o desenvolvimento do aluno. 


Texto completo:

PDF

Referências


ANACHE, A. A. As contribuições da abordagem histórico-cultural para a pesquisa sobre os processos de aprendizagem da pessoa com deficiência mental. In: BAPTISTA, C. R.; CAIADO, K. R. M.; JESUS, D. M. (Orgs.). Educação especial: diálogo e pluralidade. Porto Alegre: Mediação, 2008. p. 47-57.

CARNEIRO, M. S. C. A deficiência intelectual como produção social: reflexões a partir da abordagem histórico-cultural. Trabalho apresentado na 37° Reunião Anual da ANPED, GT-15: Educação especial, Florianópolis, 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2015.

FERREIRA, M. C. C. A educação escolar de alunos com deficiência intelectual pode se viabilizar na perspectiva do letramento. In: JESUS, D. M.; BAPTISTA, C. R.; BARRETO, M. A. S. C.; VICTOR, S. L. (Orgs.). Inclusão, práticas pedagógicas e trajetórias de pesquisa. Porto Alegre: Mediação, 2007. p. 101-109.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2008.

GÓES, M. C. R. Relações entre desenvolvimento humano, deficiência e educação: contribuições da abordagem histórico-cultural. In: OLIVEIRA, M. K,; SOUZA, D. T. R.; REGO, T. C. Psicologia, educação e as temáticas da vida contemporânea. São Paulo: Moderna, 2002. p. 95-114.

–––––. As contribuições da abordagem histórico-cultural para a pesquisa em educação especial. In: BAPTISTA, C. R.; CAIADO, K. R. M.; JESUS, D. M. (Orgs.). Educação especial: diálogo e pluralidade. Porto Alegre: Mediação, 2008. p. 37-46.

LIBÂNEO, J. C. Organização e gestão da escola: teoria e prática. 5. ed. Goiânia: Alternativa, 2005.

ROCHA, M. S. P. de M. L. Não brinco mais: a (des)construção do brincar no cotidiano educacional. 2.ed. Ijuí, RS: Unijuí, 2005.

VIGOTSKI, L. S. Obras escogidas III: historia del desarrollo de las funciones psíquicas superiores. Madri: Visor, 1983.

–––––. Obras escogidas V: fundamentos da defectologia. Madri: Visor, 1997.

–––––. Pensamento e linguagem. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

–––––. A formação social da mente. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.