CONCEPÇÕES DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO ESPECIAL SOBRE A TECNOLOGIA ASSISTIVA: CONTRIBUIÇÕES AO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO

Gilda Rodrigues Cezário, Patrícia Santos Conde, Sonia Lopes Victor

Resumo


O presente estudo visa a analisar as concepções de professores de educação especial que atuam no Atendimento Educacional Especializado/AEE a respeito da tecnologia assistiva e suas contribuições. Dialogamos com a abordagem histórico-cultural, que apresenta como principal representante Vigotski, que compreende o homem como ser social, aprendente, independentemente de suas especificidades. Como metodologia optamos por uma pesquisa de natureza qualitativa, do tipo estudo de caso. Os participantes da pesquisa foram 8 professores que atuam no AEE e que participaram do Curso de Especialização Lato Sensu em “Atendimento Educacional Especializado na Perspectiva da Educação Inclusiva”, ofertado pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), no período de 2014-2015. Para coleta de dados foi realizado um questionário no formato Google Formulário. Com a pesquisa evidenciamos avanços mesmo que tímidos, mas significativos como: o conhecimento e o uso de recursos de TA pela maioria dos participantes da pesquisa advindos de formações; um estreitamento da relação entre professor de ensino regular e professor do AEE; o interesse e a disposição do professor em aprender. Porém obstáculos permanecem como a dificuldade do professor de planejar e avaliar o uso da TA no AEE, o que leva à constatação de que esse profissional necessita de uma escuta atenta, problematização e investigação de suas práticas. Assim evidencia-se demanda pela organização de novos estudos que abordem a temática e a ampliação de tempos e espaços de formação que articulem teoria e prática para que o professor vivencie no ambiente escolar as possibilidades do trabalho com a TA.


Texto completo:

PDF

Referências


CALDAS, W. K. Tecnologia assistiva e computacional: contribuições para o atendimento educacional especializado e desafios na formação de professores. TESE (doutorado) – Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Educação, Vitória. 2015.

CHAER, G.; DINIZ, R. R. P.; RIBEIRO, E. A. A técnica do questionário na pesquisa educacional. Evidência, Araxá, v. 7, n. 7, p. 251-266. 2011.

CORREIA; V. G. DE P. Alunos com paralisia cerebral na escola: Linguagem, comunicação alternativa e processos comunicativos. Tese (doutorado) – Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, Centro de Educação, 2014.

EMER, S. DE O. Inclusão escolar: formação docente para o uso das TICs aplicada como tecnologia assistiva na sala de recursos multifuncional e sala de aula. DISSERTAÇÃO (mestrado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação em Educação, Porto Alegre. 2011.

GALVÃO FILHO, T.; MIRANDA, T. G. Tecnologia assistiva e paradigmas educacionais: percepção e prática dos professores. Anais da 34º Reunião Anual da ANPED – Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. Natal. 2011.

GIVIGI, R. C do N. et al. A avaliação da aprendizagem e o uso dos recursos de tecnologia assistiva em alunos com deficiências. Educação: Teoria e Prática, Rio Claro, SP. v. 25, n. 48, p. 150-167, jan-abr. 2015.

GÓES, M. C. R. A abordagem microgenética na matriz histórico-cultural: uma perspectiva para o estudo da constituição da subjetividade. Cadernos Cedes, Campinas, Cedes, n. 50, p. 9-25, 2002.

MANZINI, E. J. Formação do professor para o uso de tecnologia assistiva. Cadernos de Pesquisa em Educação – PPGE – UFES, Vitória, ES. A9, v. 18, n. 36, p. 11-32, jul./dez. 2012.

MOREIRA, H.; CALEFE, G. L. Metodologia de pesquisa para o professor pesquisador. 2. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2008.

OLIVEIRA. R. I. de. Conta-me como foi: Percursos escolares de jovens e adultos com deficiência e transtorno global do desenvolvimento, mediados por processos de compensação social. TESE (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2014.

PADILHA, A. M. L. A escola é um lugar dos sujeitos que aprendem. VICTOR, Sonia Lopes; DRAGO, Rogério; PANTALEÃO, Edson (Orgs.). Educação especial no cenário educacional brasileiro. São Carlos, SP: Pedro & João Editores, 2013. 234 p.

PINO, A. As marcas do humano: As origens da constituição cultural da criança pequena na perspectiva de Lev S. Vigotski. São Paulo: Cortez, 2005.

SZYMANSKI, H. (org.); ALMEIDA, L. R. de; PRANDINI, R. C. A. R. A entrevista na pesquisa em educação: a prática reflexiva. Brasília: Liber Livro, 2004.

RAMOS, E. DE S.; BARRETO, L. M. S. O atendimento educacional especializado e a tecnologia assistiva: novas perspectivas para o ensino inclusivo. Gestão & Conexões = Management and Connections Journal, Vitória, ES. v. 3, n. 1, p. 122-141, jan-jun.2014.

RODRIGUES, L. M. B. DA C. Tecnologia assistiva no processo de inclusão da pessoa com deficiência na rede pública de ensino. DISSERTAÇÃO (mestrado) – Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, Programa de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem, Bauru. 2013a.

RODRIGUES, M. E. N. Avaliação da Tecnologia assistiva na sala de recursos multifuncionais: estudo de caso em Fortaleza – Ceará. DISSERTAÇÃO (mestrado) – Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira, Fortaleza. 2013b.

VERUSSA, E. DE O. Tecnologia assistiva para o ensino de alunos com deficiência: um estudo com professores do ensino fundamental. DISSERTAÇÃO (mestrado) – Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, Programa de Pós-Graduação em Educação, Marília. 2009.

VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento de processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.