ASPECTOS DO PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO E DE AVALIAÇÃO DE UMA CRIANÇA COM SÍNDROME DE ASPERGER, NA ESCOLA REGULAR

Ivanete Borges de Barros, Renata Imaculada de Oliveira Teixeira

Resumo


Este texto baseia-se num estudo realizado junto ao curso de Pós-Graduação LatoSensu em Atendimento Educacional Especializado, do Programa de Pós-Graduação em Educação, do Centro de Educação, da Universidade Federal do Espírito Santo. Tem como objetivo identificar aspectos do percurso escolar de um aluno com Síndrome de Asperger, na escola regular e do processo de avaliação desse aluno na escola. Utiliza como referencial teórico a abordagem histórico-cultural e estudos referentes à avaliação e às políticas de educação especial. Realiza um estudo de caso, enfocando a inclusão de uma criança com síndrome na Asperger na escola regular e seus processos de escolarização. Como resultados, aponta que a avaliação desse aluno ocorria por meio de registros descritivos dos professores da sala comum, muitas vezes superficiais e contraditórios, sem data ou assinatura. De outro modo, diante das dificuldades enfrentadas por esse aluno com Síndrome de Asperger em seu processo de escolarização, podemos concluir que, na sua trajetória escolar, ele conseguiu significativos avanços, como a sua autonomia do ir e vir.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRÉ, M. O que é um estudo de caso qualitativo em educação? Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 22, n. 40, p. 95-103, jul./dez. 2013.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Inclusão: Revista de Educação Especial. Secretaria de Educação Especial. v. 4. n. 1, jan./jun. 2008.Brasília: Secretaria de Educação Especial, 2008.

_______.Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996.

_______. Projeto de Lei Nº 8.035 de dezembro de 2010, aprova o Plano Nacional de Educação para o decênio 2011/2020 e dá outras providências.

_______. Portaria normativa nº 13, de 24 de abril de 2007. Dispõe sobre a criação do Programa de Implantação de Salas de Recursos Multifuncionais. Brasília. Diário Oficial de 26 de abril de 2007.

_______. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, 5 de outubro de 1988. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 25 out. 2013.

_______. Estatuto da criança e do adolescente: Lei federal nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Rio de Janeiro: Imprensa Oficial, 2002.

_______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei número 9.394, de 20 de dezembro de 1996

_______. Decreto nº 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Casa Civil; Subchefia para Assuntos Jurídicos, Brasília, DF, nov., 2011a. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Decreto/D7611.htm. Acesso em: 15 fev. 2013.

_______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2008a.

CHRISTOFARI, A.C. Avaliação da Aprendizagem: práticas e alternativas para a inclusão escolar. Inclusão: Revista de Educação Especial. v. 25. n.44. p.383-398, setembro/dezembro, 2012.

CONFERÊNCIA Mundial de Educação para Todos. Declaração Mundial de Educação para Todos. Plano de Ação para Satisfazer as Necessidades Básicas de Aprendizagem. Brasília, DF: UNIFEC, 1990.

DECLARAÇÃO da Guatemala. Convenção interamericana para a eliminação de todas as formas de discriminação contra pessoas portadoras. Guatemala, 1999.

DECLARAÇÃO de Salamanca. Sobre os princípios, políticas e práticas na área das necessidades educativas especiais. Espanha, Salamanca, 19994.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem: componente do ato pedagógico. São Paulo: Cortez, 2011.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração Universal dos Direitos Humanos, adotada em 10 de dezembro de 1948.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS [ONU]. 2006. Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Doc. A/61/611, Nova Iorque, 13 dez.

PERES, R. S.; SANTOS, M. A. Considerações gerais e orientações práticas acerca do emprego de estudos de caso na pesquisa científica em Psicologia. Interações, v. X, n. 20, p. 109-126, jul./dez. 2005.

VIGOTSKI, L. S. Pensamento e linguagem.São Paulo: Martins Fontes, 1998.

_________.A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

______. El problema deldesarrollo de las funciones psíquicas superiores. In: VYGOTSKI, L. S. Obras escogidas III.Madri: Visor, 1995, p.11-46.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.